Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Dois novos casos por dia

Brasil tem crescimento acelerado no número de ações sobre aborto na Justiça

Victória Cócolo - Folhapress
21 jun 2024 às 16:37
- Paulo Pinto/Agência Brasil
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O número de casos de aborto na Justiça brasileira acelerou em 2024. No primeiro trimestre, foram registrados cerca de dois novos processos por dia -num total de 190. Esse número é superior à média registrada nos quatro anos anteriores, segundo os dados do CNJ (Conselho Nacional de Justiça). De 2020 a 2023, foram levados ao Judiciário 165 novos casos a cada três meses, para uma média anual de 658 processos.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Leia mais:

Imagem de destaque
Jovem caiu do 6º andar

Brasileiro cai de prédio e morre durante viagem de formatura em Bariloche

Imagem de destaque
Serviços afetados

Servidores do INSS entram em greve por tempo indeterminado

Imagem de destaque
Jogo simples a R$ 5

Mega-Sena sorteia prêmio acumulado em R$ 21 milhões nesta terça-feira

Imagem de destaque
Gospel

Zezé Di Camargo diz que foi surpreendido com projeto solo do irmão Luciano

Até março, o país acumulava 1.275 ações de aborto pendentes de julgamento. Não há uma explicação concreta sobre o que pode ter causado o aumento no registro de novos processos. 

Publicidade


Para a advogada criminalista Cecilia Mello, ex-desembargadora do TRF-3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região), uma das possíveis justificativas é o avanço da perseguição em relação ao crime da interrupção voluntária da gravidez, mas, também, pode ter a ver com o aumento populacional.


"Não dá para afirmar que a entrada de novos casos significa o aumento de abortos necessariamente. O que dá para vislumbrar é apenas o crescimento dos processos", diz a professora.

Publicidade


Ainda segundo o CNJ, entre 2020 e 2024, foram julgados e "baixados" 2.934 processos sobre o tema. Os processos baixados são aqueles que foram encerrados em pelo menos uma instância. Mello diz que o andamento das ações acontece em um ritmo "satisfatório", uma vez que a Justiça tem "julgado em número superior àquilo que entra".


O crime de aborto é classificados pela Justiça brasileira em três categorias: aborto provocado pela gestante ou com o seu consentimento; aborto provocado por terceiro; e aborto qualificado.

Publicidade


Na análise de Mello, um ponto de destaque é a quantidade de processos categorizados como "aborto qualificado". A categoria acarreta no aumento de pena que se aplica ao terceiro que provoca o aborto com ou sem o consentimento da gestante. Nesta situação, muitas vezes a mulher sofre lesões graves ou chega a morrer.


Entre os processos que ainda tramitam na Justiça, 84 das 1.275 ações se referem a essa tipificação. O maior número da série desse período de quatro anos aconteceu em 2020, quando 100 de 1.430 casos foram classificados como aborto qualificado.

Publicidade


Imagem
Saúde vai mudar emissão de atestados médicos para evitar fraudes em Londrina
A partir de 1º de julho os atestados médicos fornecidos pelas unidades municipais de saúde de Londrina, como UBS (Unidades Básicas de Saúde) e UPA (Unidades de Pronto Atendimento), serão impressos de forma eletrônica diretamente do prontuário do paciente.


Em setembo de 2023, o STF (Supremo Tribunal Federal) iniciou o julgamento a respeito da descriminalização do aborto nas primeiras 12 semanas de gestação. A ADPF 442 (Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental) foi pautada pela então presidente da Corte, ex-ministra Rosa Weber, que votou a favor da descriminalização, antes de se aposentar.


Na época, um pedido de destaque apresentado pelo ministro Luís Roberto Barroso jogou a ação para o plenário físico, em data não definida. Com esse adiamento, a ação agora aguarda ser pautada por Barroso, que é o novo presidente do STF.

Publicidade


Entenda a ADPF
A ADPF pede ao STF que analise a constitucionalidade dos artigos 124 e 126 do Código Penal. O artigo 124 prevê pena de detenção de 1 a 3 anos para quem "provocar aborto em si mesma ou consentir que outrem lho provoque", e o artigo 126 estipula reclusão de 1 a 4 anos para quem "provocar aborto com o consentimento da gestante".


O argumento é de que a lei atual leva mulheres e meninas a procurar métodos inseguros para interromper a gravidez, correndo risco de vida. De 2008 a 2017, foram 2,1 milhões de internações no país para tratar complicações de abortos, gerando um gasto de R$ 486 milhões para o SUS. De 2000 a 2016, ao menos 4.455 pacientes morreram.


A AGU (Advocacia-Geral da União) defende que o tema não deveria ser tratado no Supremo, mas sim no Congresso, sob pena de "grave dano ao Estado brasileiro e aos seus cidadãos, que têm debatido amplamente a questão por meio de seus representantes no Parlamento".


Imagem
Adolescentes violam túmulo, arrastam cadáver e postam vídeo do crime no Paraná
Três adolescentes são investigadas por violar um túmulo e arrastar o cadáver de um homem no Cemitério Sagrada Família, na cidade de Piraquara, na RMC (Região Metropolitana de Londrina).
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade