12/04/21
PUBLICIDADE
Justiça do Trabalho

Ministério Público do Trabalho pede à Justiça posição sobre greve nos Correios

Fernando Frazão/Agência Brasil
Fernando Frazão/Agência <a href='/tags/brasil/' rel='noreferrer' target='_blank'>Brasil</a>


O MPT (Ministério Público do Trabalho) entrou com pedido ao TST (Tribunal Superior do Trabalho) para que faça a mediação do impasse envolvendo a greve dos trabalhadores dos Correios. A paralisação teve início no último dia 18 e é motivada pela redução de direitos da categoria.


O movimento grevista teve início depois que a estatal conseguiu na Justiça a redução do acordo coletivo firmado com os trabalhadores em 2019 e que seria válido até 2021. O entendimento judicial, reforçado após votação no STF (Supremo Tribuna Federal), foi de que o contrato coletivo seria vigente somente por 12 meses, acabando, portanto, neste ano.

Veja como está a greve dos Correios em Londrina

A Findect (Federação Interestadual dos Sindicatos dos Trabalhadores e Trabalhadoras dos Correios) afirma que, sem o entendimento com os trabalhadores, os Correios propuseram um novo acordo que excluía 70 das 79 cláusulas do documento aprovado no ano passado, extinguindo licença-maternidade de 180 dias e adicional de risco de 30% e como a redução do vale-alimentação, além do aumento no custeio do plano de saúde em plena pandemia de Covid-19.

"Antes mesmo do julgamento no STF, a empresa já impôs esse acordo aos trabalhadores sem que houvesse uma negociação", explica Douglas Melo, diretor do Sintect-SP (sindicato dos funcionários da estatal na Grande São Paulo e região de Sorocaba).
Os Correios também ajuizaram nesta terça-feira (25) o Dissídio Coletivo de Greve no TST. A companhia diz que, "desde o início de julho", tem tentado negociar com os trabalhadores e que apresentou uma proposta que visa "adequar os benefícios dos empregados à realidade do país e da estatal".

Ainda segundo a empresa, "os vencimentos de todos os empregados seguem resguardados e os trabalhadores continuam tendo acesso, por exemplo, ao benefício auxílio-creche e aos tíquetes refeição e alimentação, em quantidades adequadas aos dias úteis no mês, de acordo com a jornada de cada trabalhador". A estatal assegura que estão mantidos também os adicionais para os empregados das áreas de distribuição/coleta, tratamento e atendimento.
Redação Bonde com Fabio Munhoz/Folhapress
PUBLICIDADE
Continue lendo
Jardim Leonor

Empresa de serviços digitais anuncia geração de 250 empregos em Londrina

12 ABR 2021 às 21h48
Paralisação

Justiça determina que TCGL e Londrisul comprovem pagamento de salários a motoristas

12 ABR 2021 às 19h40
Em reunião com Beto Preto

Prefeito de Cambé indica mudanças no enfrentamento da pandemia

12 ABR 2021 às 17h12
INSS

Revisão do auxílio emergencial 2021 paga nascidos de janeiro a maio na quinta (15)

12 ABR 2021 às 16h31
Falas sobre senador

Vou ter que sair na porrada com um bosta desses, diz Bolsonaro em caso da CPI da Covid

12 ABR 2021 às 16h07
Omissões no combate à pandemia

Senador diz ter assinaturas para ampliar investigação da CPI da Covid

12 ABR 2021 às 16h00
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados