Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Entenda

PF teme colapso com responsabilidade de fiscalizar CACs e quer 3.000 novos cargos

Raquel Lopes - Folhapress
24 mai 2024 às 10:05
- Divulgação/Polícia Federal
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A Polícia Federal solicitou ao Ministério da Justiça e Segurança Pública a criação de 3.000 cargos para assumir todas as atribuições relacionadas aos CACs (caçadores, atiradores e colecionadores). No entanto, a pasta ainda não encaminhou ao Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos o pedido para criação das novas funções.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Leia mais:

Imagem de destaque
Questão de gênero

Violência contra idosas: quando o trabalho doméstico vira escravidão?

Imagem de destaque
Mídia digital

Quase metade dos brasileiros evita notícias, indica relatório da Reuters

Imagem de destaque
2x São Paulo

Área queimada no pantanal em 2024 já é 54% maior do que em ano de destruição recorde

Imagem de destaque
Saiba mais

Estudo atesta eficácia de tratamento mais barato para AVC pelo SUS

A responsabilidade pelos CACs será transferida integralmente à PF a partir de 1º de janeiro de 2025. Atualmente, o Exército cumpre essa função. Existem mais de 1,3 milhão de armas nas mãos da categoria.

Publicidade


Membros da corporação dizem que não há estrutura suficiente para receber a categoria atualmente. Sem ao menos 700 pessoas para cargos administrativos e 700 terceirizados já em janeiro, a avaliação é de que haverá um colapso.


Segundo as novas normas publicadas no ano passado, a PF será responsável pela emissão do certificado de registro e pelo cadastro de armas dos CACs, além da fiscalização dos caçadores, atiradores, colecionadores, clubes de tiro e lojas de armas.

Publicidade


Em 21 de março de 2024, a corporação encaminhou um ofício ao Ministério da Justiça. No documento, solicitou autorização para a realização de concursos públicos a fim de preencher 222 vagas para delegados, 585 para agentes, 1.170 para administrativos e 195 para psicólogos, além da contratação de 780 profissionais terceirizados.


Além disso, pediu recursos financeiros para a capacitação de pessoal para o controle dos CACs, a melhoria do Sistema de Fiscalização de Produtos Controlados pelo Exército Brasileiro e a migração das bases de dados do Sigma (Sistema de Gerenciamento Militar de Armas) do Exército para a PF.

Publicidade


Embora o pedido tenha sido feito em março, a pasta comandada por Ricardo Lewandowski afirmou que o ofício será encaminhado ao Ministério da Gestão e Inovação até 31 de maio. Segundo membros da Justiça, o documento solicitará o mesmo número de cargos que a PF requisitou.


O Ministério da Justiça já solicitou anteriormente ao Ministério da Gestão estrutura organizacional para atender as necessidades regimentais e legais de uma forma mais ampla, não somente para os CACs.

Publicidade


Segundo membros da pasta, a gestão Lewandowski desde que assumiu, em fevereiro deste ano, já teve reuniões com membros dos ministério do Planejamento e da Gestão em busca de orçamento para os CACs e para outras políticas.


Lewandowski herdou de seu antecessor, Flávio Dino, uma pasta com a política de controle de armas ainda em formatação.

Publicidade


A avaliação é de que a autorização para concurso para cargo administrativo precisa ser rápida tendo em vista que existe um período desde a sua autorização até a efetiva contratação.


A intenção com esse quantitativo de cargos é criar uma Coordenação Geral de Armas em Brasília; Delegacia Regional de Polícia Administrativa nas capitais, além da divisão da Deleaq (Delegacia de Controle de Armas e Produtos Químicos) nos estados.

Publicidade


A proposta também é a criação de núcleos especializados no controle de armas em cada uma das 96 delegacias descentralizadas.


O decreto de Lula (PT) deu um freio à flexibilização de normas adotada no governo Jair Bolsonaro (PL), que resultou no aumento do número de armas e munições em circulação.


Um relatório recente do TCU (Tribunal de Contas da União) concluiu que o Exército, responsável pelas atribuições dos CACs, falhou em suas atribuições. Ele aponta, por exemplo, "sérias fragilidades" na fase de comprovação da idoneidade de quem obteve ou renovou o registro de CAC.


Relatório mostrou que 5.200 condenados pela Justiça conseguiram obter, renovar ou manter o registro de CAC no Exército entre 2019 e 2022. Eles respondiam principalmente a acusações por porte ou posse ilegal de armas, lesão corporal e tráfico de drogas.


A Folha de S.Paulo já revelou que membro da facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital) conseguiu obter o certificado de registro de CAC no Exército Brasileiro mesmo tendo uma ficha corrida com 16 processos criminais.


Nesta semana, a operação batizada de Fogo Amigo prendeu 20 suspeitos de integrar uma organização formada por policiais militares da Bahia e de Pernambuco, além de CACs e proprietários de lojas de armas e munições. O grupo é suspeito de vender armamento de forma ilegal para facções da Bahia, de Pernambuco e de Alagoas.


Imagem
UEL abre nesta sexta inscrições para concurso público de agente universitário
A ProRH (Pró-Reitoria de Recursos Humanos) da UEL (Universidade Estadual de Londrina), abre nesta sexta-feira (24), inscrições para concurso público para o provimento de cargos de Agente Universitário Profissional e Agente Universitário de Execução.
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade