Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Saiba

Veja no que investir com a queda da Selic

Júlia Moura - Folhapress
14 mai 2024 às 06:00
- Freepik
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Com o corte de 0,25 ponto percentual Selic na quarta-feira (8), os investimentos de renda fixa pós-fixados atrelados ao CDI irão, naturalmente, render menos. Por outro lado, os ativos indexados à inflação e com juros prefixados ficam mais atrativos, apontam especialistas.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Leia mais:

Imagem de destaque
Prestação de Contas

Prefeitura de Londrina registra menor índice de gasto com pessoal desde 2022

Imagem de destaque
Mais de 6 mil vagas

Paraná é o quinto estado na geração de empregos na construção civil

Imagem de destaque
Acumulou

Nenhum apostador acerta os seis números da Mega-Sena; Quina teve 59 vencedores

Imagem de destaque
Já fez?

Último final de semana para declarar o Imposto de Renda 2024

"Continuamos com o juro atrativo. A renda fixa se mantém protagonista", diz Eduardo Villela, gerente executivo de Captação e Investimentos do Banco do Brasil.

Publicidade


Apesar de a tendência no curto prazo ser de queda de juros, as reduções devem ser menores do que o anteriormente esperado, o que leva o mercado a precificar juros futuros mais altos. Segundo a cotação desses contratos futuros, a Selic deve permanecer no patamar de 10,25% no próximo ano. Já a pesquisa Focus aponta um juro de 9% em 2025.


Assim, os juros prefixados ofertados pelos títulos de renda fixa subiram nas últimas semanas. O título do Tesouro Direto atrelado à inflação (NTN-B) com vencimento em 2029 oferece um retorno de IPCA + 6,13% para quem o contrata hoje. Há um mês, este juro prefixado era de 5,77%. Já o tesouro prefixado para 2027 paga 10,83% atualmente, ante 10,39% há 30 dias.

Publicidade


Rentabilidade após 6 meses


Investimento - Valor bruto, em R$ - Bruta, em % - Líquida real, em % - Valor líquido, em R$

CDB com liquidez diária, a 104% do CDI - 1.051,53 - 5,15 - 3,33 - 1.041,22
CDB/RDB/LC prefixado, a 11% ao ano - 1.053,57 - 5,36 - 3,49 - 1.042,85
CDB/RDB/LC, a 108% do CDI - 1.053,46 - 5,35 - 3,48 - 1.042,77
CDB/RDB/LC, a IPCA + 6,20% ao ano - 1.038,44 - 3,84 - 2,29 - 1.030,75
LCI/LCA/debênture Incentivada, a 94% CDI - 1.046,69 - 4,67 - 3,87 - 1.046,69

Publicidade


Poupança - 1.036,34 - 3,63 - 2,85 - 1.036,34


Tesouro Selic 2027 (Selic + 0,0926%) - 1.050,51 - 5,05 - 3,05 - 1.038,36

Publicidade


Premissas: Selic (ao ano) CDI (ao ano) Inflação (ao ano) TR (ao ano) Poupança (ao ano) 6 meses 10,27% 10,17% 1,54% 1,23% 7,40% 1 ano 10,25% 10,15% 3,60% 1,23% 7,40% 2 anos 10,65% 10,55% 3,44% 1,23% 7,40% 5 anos 11,31% 11,21% 3,50% 1,23% 7,40%
Fonte: C6 Bank


"A regra do bolso é: se há NTN-B acima de 6%, você compra, pois há uma chance de mais de 80% de dela bater o CDI no longo prazo. Tudo ligado a IPCA com prazo de um a três anos é muito bem-vindo, Dalton Gardimam, economista-chefe da Ágora.

Publicidade


O Banco do Brasil também aumentou a exposição recomendada à essa classe de ativos, reduzindo em igual percentual os pós-fixados. "A abertura da curva se refletiu nas taxas desses títulos que estão pagando uma melhor remuneração. Então, é bom garantir uma participação maior deles na sua carteira nesse momento, para capturar ganhos futuros", diz Villela.


Rentabilidade após 1 ano

Publicidade


Investimento - Valor bruto, em R$ - Bruta, em % - Líquida real, em % - Valor líquido, em R$


CDB com liquidez diária, a 104% do CDI - 1.105,56 - 10,56 - 4,93 - 1.087,09
CDB/RDB/LC prefixado, a 11,25% ao ano - 1.112,5 - 11,25 - 5,48 - 1.092,81
CDB/RDB/LC, a 111% do CDI - 1.112,67 - 11,27 - 5,5 - 1.092,95
CDB/RDB/LC, a IPCA + 6,20% ao ano - 1.100,23 - 10,02 - 4,51 - 1.082,69
LCI/LCA/debênture Incentivada, a 95% CDI - 1.096,43 - 9,64 - 5,83 - 1.096,43


Poupança - 1.074 - 7,4 - 3,67 - 1.074


Tesouro Selic 2027 (Selic + 0,0926%) - 1.103,43 - 10,34 - 4,56 - 1.083,22


Premissas: Selic (ao ano) CDI (ao ano) Inflação (ao ano) TR (ao ano) Poupança (ao ano) 6 meses 10,27% 10,17% 1,54% 1,23% 7,40% 1 ano 10,25% 10,15% 3,60% 1,23% 7,40% 2 anos 10,65% 10,55% 3,44% 1,23% 7,40% 5 anos 11,31% 11,21% 3,50% 1,23% 7,40%
Fonte: C6 Bank


Segundo economistas, no último mês, o cenário macroeconômico teve mudanças drásticas. A mais impactante delas foi a inesperada aceleração da inflação americana, que levou investidores a esperarem juros americanos a níveis altos por mais tempo. "Isso muda todo o panorama para qualquer [país] emergente", diz Gardimam.


Juros mais altos na maior economia do mundo atraem boa parte do capital disponível para investimentos. O título do Tesouro americano de dez anos, o ativo mais líquido do mercado, remunera 4,47% ao ano, maior patamar desde antes da crise financeira de 2008. Além da inflação dos Estados Unidos alta, a 3,5%, o aumento do risco fiscal no país, que deve mais do que produz, também contribui para as taxas elevadas.


"Talvez exista um excesso de pessimismo com a trajetória fiscal do país e também com o próprio cenário americano e os juros altos lá deixam os investidores não muito propensos a tomar risco aqui", diz Felipe Moura, analista da Finacap Investimentos.


Já no Brasil, um dos principais temas que impactaram o mercado foi a alteração da meta fiscal para os próximos dois anos, o que pressionou as curvas de juros.


Além disso, economistas temem que a tragédia no Rio Grande do Sul gere aumento no preço de alimentos, o que reforça a importância de ter ativos atrelados ao IPCA na certeira, dizem especialistas. "O BC já precisava ser mais conservador por conta do risco externo e, agora, ainda há a incerteza fiscal e quanto à inflação causada pelo RS", diz Gardimam.


Porém, de acordo com simulações de Rafael Haddad, planejador financeiro do C6 Bank, de acordo com os juros futuros, apesar do aumento na rentabilidade dos ativos ligados ao IPCA, os instrumentos de renda fixa isentos de Imposto de Renda, como letras de crédito e debêntures incentivadas acabam tendo uma rentabilidade líquida maior. Descontando o IR e a inflação projetada, um LCI com rentabilidade de 95% do CDI rende 5,83% em um ano. Já um CDB a IPCA + 6,20% tem uma rentabilidade real líquida estimada em 4,51% para o mesmo período.


Segundo planejadores financeiros, porém, o segredo para uma carteira rentável é a diversificação tendo tanto ativos pós-fixados atrelados ao CDI como os prefixados que acompanha o IPCA.


Rentabilidade após 2 anos


Investimento - Valor bruto, em R$ - Bruta, em % - Líquida real, em % - Valor líquido, em R$
CDB com liquidez diária, a 104% do CDI - 1.231,36 - 23,14 - 11,84 - 1.196,66
CDB/RDB/LC prefixado, a 12,20% ao ano - 1.258,88 - 25,89 - 14,03 - 1.220,05
CDB/RDB/LC, a 115% do CDI - 1.257,24 - 25,72 - 13,89 - 1.218,65
CDB/RDB/LC, a IPCA + 6,65% ao ano - 1.217,02 - 21,70 - 10,70 - 1.184,47
LCI/LCA/debênture Incentivada, a 95% CDI - 1.210,39 - 21,04 - 13,12 - 1.210,39
Letra Financeira prefixada, a 12,45% ao ano - 1.264,5 - 26,45 - 14,47 - 1.224,83
Letra Financeira, a 117,4% do CDI - 1.262,92 - 26,29 - 14,35 - 1.223,48
Letra Financeira, a IPCA + 6,90% ao ano - 1.222,74 - 22,27 - 11,15 - 1.189,32


Poupança - 1.153,48 - 15,35 - 7,80 - 1.153,48


Tesouro Selic 2027 (Selic + 0,0926%) - 1.226,28 - 22,63 - 11,23 - 1.190,11


Premissas: Selic (ao ano) CDI (ao ano) Inflação (ao ano) TR (ao ano) Poupança (ao ano) 6 meses 10,27% 10,17% 1,54% 1,23% 7,40% 1 ano 10,25% 10,15% 3,60% 1,23% 7,40% 2 anos 10,65% 10,55% 3,44% 1,23% 7,40% 5 anos 11,31% 11,21% 3,50% 1,23% 7,40%
Fonte: C6 Bank


Segundo o Itaú, por enquanto, a conjuntura doméstica continua "relativamente favorável, com crescimento sólido e desinflação", e recomenda a alocação em renda fixa com juro acima da inflação, mas sem ativos prefixados, e em Bolsa.


O Santander trabalha com um cenário semelhante, mas com uma carteira mais cautelosa dada as recentes mudanças. "Nos próximos meses, o mercado de rações ainda deve dar uma patinada, mas para quem tem um prazo de investimento maior, o nível de entrada da Bolsa de Valores está atrativo", diz Arley Junior, estrategista do banco.


QUANTO RENDE A POUPANÇA?


Diferentemente de outros produtos de renda fixa, a poupança tem a sua rentabilidade alterada, apenas caso a Selic esteja abaixo de 8,5%.


No momento, por lei, ela continua rendendo 6,17% + TR (Taxa Referencial) ao ano, o que deve totalizar 7,4% nos próximos 12 meses, projeta Haddad, com uma TR de 1,23%.


Considerando a inflação, ele estima um ganho líquido real de 3,67% no mesmo período –o investimento é isento de IR. Dessa forma, o dinheiro da poupança não deve se desvalorizar, mas há outros produtos de renda fixa mais rentáveis e com liquidez semelhante, como o Tesouro Selic, que rede Selic + 0,15% ao ano.


Imagem
Segundo lote de restituição do Imposto de Renda terá correção de 1%
O segundo lote de restituição do Imposto de Renda 2024 terá correção de 1%, segundo dados da Receita Federal
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade