Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Despesas altas

Alimentos ficam mais caros e brasileiros tentam esticar o orçamento

Simoni Saris - Grupo Folha
22 jun 2024 às 13:00
- Marcelo Camargo/Agência Brasil
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Uma combinação de fatores que inclui clima, safra e descompasso entre demanda e oferta tem obrigado empresários do setor de alimentação e consumidores a ajustarem os seus orçamentos para fazer o dinheiro render no supermercado. 


Em maio de 2024, a inflação cresceu 0,46%, puxada, principalmente, pelos preços dos alimentos, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). A variação parece pequena, mas tem forte impacto no bolso da população.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Os gastos com gêneros alimentícios consomem uma importante fatia do salário dos trabalhadores. O IBGE estima que cerca de 11% dos orçamentos domésticos são destinados à compra de alimentos e bebidas. 

Leia mais:

Imagem de destaque
Veja quais

Cade abre investigação sobre condutas anticompetitivas de montadoras de carros de luxo

Imagem de destaque
Sorteio no próximo sábado (20)

Mega-Sena acumula novamente e terá prêmio de R$ 53 milhões

Imagem de destaque
Números da Aneel

Geração de energia tem expansão recorde de 18,7% no Brasil

Imagem de destaque
Entenda

Governo Lula quer frear a compra de imóveis usados pelo Minha Casa, Minha Vida


Alimentação e habitação são as duas despesas que mais pesam nas contas domésticas. E como sem comer ninguém fica, o jeito é fazer alterações na dieta e, quando possível, substituições na hora de escolher o que entra no carrinho de compras.

Publicidade


Claudicéia Pereira dos Santos não é economista, mas faz uma análise muito precisa do que vem acontecendo nos últimos anos com a renda da população de classe mais baixa a partir de sua própria realidade. Ela observou uma alta exagerada dos alimentos no período da pandemia de Covid-19 e que passada a crise sanitária, os preços não retornaram ao nível de antes. 


“Em uma época, a gente teve que banir o feijão de casa. Tentávamos umedecer o arroz com outras coisas, usando mais legumes, mas até os legumes subiram.”

Publicidade


Santos trabalha como faxineira em um condomínio residencial e mora com uma filha adolescente. Mesmo com uma família pequena, ela calcula que os gastos com alimentação comprometem entre 40% e 50% de seu orçamento. E mesmo deixando metade de seu salário no supermercado, ainda não é possível manter uma alimentação de alta qualidade. 


“Carne vermelha a gente não come mais com a mesma quantidade. Ou é frango ou é porco. A carne vermelha subiu a um valor que para a classe média baixa não dá. E quanto mais baixa a classe social, menos carne se come. E a população de classe mais baixa também está consumindo menos legumes e menos frutas. Resumindo, a qualidade da alimentação geral está caindo”, analisou ela, levantando uma questão que vai além da economia e passa pela segurança alimentar.


Leia a reportagem completa na FOLHA DE LONDRINA:


Imagem
Alimentos ficam mais caros e consumidores tentam esticar o orçamento
Inflação de alimentos cresce e impacta orçamento familiar, forçando mudanças na dieta e nas escolhas de compra, segundo IBGE.
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade