03/03/21
PUBLICIDADE
Recuperação econômica

FMI diz que Brasil deve se preparar para esticar auxílios e estímulos à economia

Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Marcello Casal Jr/Agência <a href='/tags/brasil/' rel='noreferrer' target='_blank'>Brasil</a>


O fim de estímulos econômicos, como o auxílio emergencial, e a persistência da pandemia do novo coronavírus, que incentiva o isolamento social, vão reduzir o consumo das famílias e afetar a recuperação econômica no Brasil.


O cenário de restrição consta de relatório sobre o Brasil, divulgado nesta quarta-feira (2), pelo FMI (Fundo Monetário Internacional).

Na avaliação do Fundo, o país vai sofrer com uma retirada abrupta das medidas de estímulo à economia adotadas pelo governo, uma vez que persistem os efeitos da crise da saúde gerada pela pandemia.

No relatório, a instituição afirma que as autoridades devem estar preparadas para fornecer apoio adicional na área fiscal. A instituição já havia feito alertas nesse sentido em seus últimos documentos.

Também disse que o Banco Central deve considerar afrouxar ainda mais a política monetária, ou seja, avaliar novos cortes na taxa básica de juros, caso a inflação e as expectativas de inflação permanecerem abaixo da meta, mas com um acompanhamento cuidadoso das implicações para a estabilidade financeira e fluxos de capital. Atualmente, a taxa básica de juros do Brasil, a Selic, está em 2% ao ano.

Na terça (1º), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a negar a ideia de prorrogar o auxílio emergencial. O benefício, atualmente no valor R$ 300, é pago pelo governo para aliviar os impactos da pandemia sobre o orçamento familiar e teminar em 31 de dezembro.

O FMI afirmou ainda a necessidade de aprovar uma reforma tributária abrangente, acelerar o ritmo de novas concessões e privatizações e finalizar acordos comerciais.

Para equilibrar o orçamento, a sugestão é reduzir os gastos obrigatórios e a rigidez orçamentária, fortalecer a rede de seguridade social e reformar novamente a Previdência Social, além de manter o teto de gastos constitucional.

As estimativas do FMI são de queda do PIB (Produto Interno Bruto) de 5,8% em 2020, seguida por uma "recuperação parcial" para 2,8% em 2021. As estimativas são mais pessimistas que as do boletim Focus do Banco Central, com projeções de mercado, que aponta queda de 4,5% e crescimento de 3,45% nesses dois anos.

Para o Fundo, a inflação deve ficar abaixo da meta até pelo menos 2023, dada a ociosidade significativa da economia. A dívida bruta chegaria a 100% do PIB no ano que vem.

"Os efeitos persistentes da crise da saúde e a retirada esperada do apoio fiscal irão restringir o consumo, enquanto o investimento será prejudicado pela capacidade ociosa e alta incerteza", afirma a instituição ao comentar as projeções de crescimento para 2020 e 2021.

Os diretores elogiaram a forte resposta das autoridades à crise, "que evitou uma desaceleração econômica mais profunda, estabilizou os mercados financeiros e amorteceu os efeitos sobre os pobres e vulneráveis".

O Fundo afirma, no entanto, que os estímulos devem se concentrar em limitar os efeitos marcantes da pandemia, garantindo a sustentabilidade da dívida a médio prazo.

Segundo o Fundo, as medidas na área econômica totalizaram 18% do PIB brasileiro, sendo cerca de 11% do PIB aquelas com impacto fiscal.

"A resposta política evitou uma desaceleração econômica mais profunda, estabilizou os mercados financeiros e amorteceu a perda de renda dos mais pobres. A atividade varejista e industrial voltou aos níveis pré-Covid no terceiro trimestre, mas o setor de serviços continua deprimido, com um impacto negativo sobre o emprego", diz o Fundo.

"A maioria dos diretores [do Fundo] enfatizou que as autoridades devem estar preparadas para fornecer apoio direcionado adicional e saudou a disposição das autoridades em considerar esta possibilidade. Vários diretores também alertaram contra uma retirada abrupta do apoio fiscal."

O relatório é resultado da visita anual de uma equipe de técnicos do Fundo ao país, submetido ao Conselho de Administração do FMI, e exprime os pontos de vista dos diretores executivos da instituição, que são encaminhados às autoridades nacionais.
Folhapress
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
Aumento constante

Gasolina tem aumento de 9,7% e chega a R$ 5,49 nos postos de Londrina

02 MAR 2021 às 17h49
Suspensão do Decreto Estadual

Contrários ao lockdown, comerciantes protestam em frente ao Centro Cívico de Londrina

02 MAR 2021 às 16h17
Na PR-445

Caminhoneiros e motoristas de aplicativos protestam em Londrina contra alta dos combustíveis

02 MAR 2021 às 16h15
Adaptações do setor

5 dicas essenciais para proteger a saúde do seu negócio durante a pandemia

02 MAR 2021 às 16h07
todas escolaridades

Secretaria do Trabalho oferta vagas para mais de 80 funções em Londrina

02 MAR 2021 às 14h47
Decreto estadual 6.983/2021

Confira como funciona o atendimento da prefeitura de Londrina com o novo decreto

02 MAR 2021 às 14h45
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados