Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Norte Pioneiro

Região de Londrina perde cifras milionárias na piscicultura

Celso Felizardo - Grupo Folha
27 mai 2023 às 10:10
- Sérgio Ranalli/Grupo Folha
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Há uma década, os 6 mil habitantes de Pinhalão, no Norte Pioneiro do Paraná, esperam pelo milagre da multiplicação dos peixes. As promessas eram superlativas desde o início, apesar da altitude de 600 metros e da topografia acidentada do município, com 20% do território em declives. Seriam R$ 13 milhões para o “maior frigorífico do mundo”. Mas as promessas desidrataram em meio a escândalos políticos antes mesmo de os peixes começarem a subir as montanhas.


A esperança de um impulso econômico teve início há exatos 10 anos, em visita do então ministro da Pesca, Marcelo Crivella. A pomposa cerimônia de lançamento da construção de um complexo de peixes, com investimento de R$ 13 milhões, prometia revolucionar a economia da cidade do prefeito à época Claudinei Benetti, assim como de toda a região, uma das mais pobres do Estado.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


A escolha da sede, costurada com apoio da Superintendência da Pesca, sob influência do PRB, partido do então deputado e pastor da Igreja Universal do Reino de Deus Edson Praczyk, foi alvo de questionamentos. Passada uma década, o Paraná tornou-se líder nacional na produção de pescado em cativeiro, mas o milagre dos peixes não chegou a Pinhalão. Neste período, Benetti chegou a ser preso preventivamente por suspeita de desviar recursos do empreendimento, e o prédio, já com os equipamentos, segue inacabado, travado por uma ação do TCU (Tribunal de Contas da União) que questiona a viabilidade do projeto.

Leia mais:

Imagem de destaque
PAGAMENTO À VISTA TEM 25% DE DESCONTO

Prefeitura de Cambé começa a distribuir os carnês do IPTU 2024

Imagem de destaque
PERSPECTIVAS DO SETOR INDUSTRIAL

Pesquisa da Fiep aponta que 47% das indústrias paranaenses estão otimistas com 2024

Imagem de destaque
VEJA O CALENDÁRIO

Paraná: vence nesta terça o prazo da segunda parcela do IPVA para veículos com final de placa 3 e 4

Imagem de destaque
COM OPÇÃO DE PAGAMENTO PARCELADO

Arapongas: prazo para pagamento do IPTU 2024 com 10% de desconto encerra nesta terça


Em 2013, a produção de peixes do Paraná era de 40 mil toneladas por ano. A região Oeste, pioneira no cultivo da tilápia no país, respondia por 50% do volume total, enquanto o Norte do Estado contribuía com quase 20%. Agora, uma década depois, o Paraná se consolidou como o maior produtor de peixes do país. São 194 mil toneladas anuais (22,5% da produção nacional), segundo dados de 2022, presentes no anuário de 2023 da Associação Brasileira de Piscicultura.

Publicidade


Com o modelo de produção integrada pelo cooperativismo consolidado, o Oeste conseguiu ampliar sua fatia no mercado, produzindo 80% do peixe cultivado no Paraná. Já o Norte do Estado, mesmo considerada uma das quatro principais regiões brasileiras no cultivo de peixes, viu a participação estadual cair de 20% para algo próximo a 10%.


Fatores como a desorganização da cadeia produtiva, projetos problemáticos e a demora na liberação de plantas industriais, tudo isso imerso em escândalos políticos, fizeram a região perder uma oportunidade concreta de desenvolvimento econômico e deixar de arrecadar cifras milionárias ao longo da última década.


CONTINUE LENDO NA FOLHA DE LONDRINA.


Imagem
O falso milagre dos peixes sem água
Obras problemáticas, escândalos políticos e cadeia produtiva desorganizada fizeram região perder cifras milionárias na piscicultura
Receba notícias do Bonde no Whatsapp/Telegram e fique por dentro de tudo!
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade