Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Mercado

Fusão Sadia-Perdigão preocupa suinocultores do PR

Loriane Comeli - Redação Bonde
07 jun 2009 às 08:23
Segundo a Associação dos Suinocultores do PR, os produtores estão preocupados com a fusão porque o preço do produto já está abaixo do custo - AEN
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O Paraná é o segundo maior produtor de suínos do país, atrás apenas de Santa Catarina e, por isso, a fusão das duas maiores empresas compradoras de carne de porco – Sadia e Perdigão, está preocupando criadores de todo o estado, principalmente os da região oeste, onde estão os maiores rebanhos.

O vice-presidente da Associação Paranaense dos Suinocultores do Paraná, João Batista Manfio, disse que desde o anúncio da fusão, os associados têm procurado informações sobre o mercado. "Estão preocupados porque o momento para a carne suína já não é bom desde outubro do ano passado", explicou em entrevista à Rádio CBN Cascavel. . "Estamos fazendo uma análise sobre o que essa fusão vai acarretar para o mercado, principalmente, em termos de preços".

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Hoje, segundo Manfio, o quilo do porco esta sendo comercializado a R$ 1,70 enquanto o custo para produzi-lo é de R$ 2,20, aproximadamente. "A cada 100 quilos produzidos, temos um prejuízo de R$ 50. Não dá para trabalhar assim", lamentou.

Leia mais:

Imagem de destaque
No Parque Ney Braga

AgroBIT Brasil 2022 traz amanhã soluções tecnológicas para o agronegócio

Imagem de destaque
Feira

Após 2 anos, Expoingá é retomada com expectativa de bons negócios

Imagem de destaque
Agricultura

Paraná já conta com 59 feiras de orgânicos e agroecológicos

Imagem de destaque
Financiamento

Paraná terá até R$ 13,6 bilhões do Banco do Brasil para a safra 2017-2018


Entre os motivos da crise na suinocultura, apontados pelo vice-presidente da Associação, estão as suspeitas de febre aftosa, em 2008, a crise internacional, desde meados do ano passado, e, atualmente, a gripe A, também chamada de gripe suína, mas que não contamina a carne do porco. Segundo a Secretaria Estadual de Agricultura, o preço baixo do produto é gerado principalmente pela "crise de excesso de oferta" que se arrasta pelos últimos sete anos.

Publicidade


Tentando auxiliar o mercado de suínos, a Secretaria solicitou ao governo que inclua carne suína no cardápio das polícias Civil e Militar, na alimentação dos presidiários do estado e na merenda escolar.


Uma luz no fim do túnel para os produtores paranaense é a possibilidade de exportação do produto para a Rússia, que se daria por Santa Catarina.

Publicidade


Dados


A suinocultura no Paraná gera 217 mil empregos diretos e 298 mil empregos indiretos; a atividade é desenvolvida em 136 mil propriedades, a maioria em regime de economia familiar. Segundo o Departamento de Economia Rural (Deral), são 4,87 milhões de cabeças.


Matéria relacionada:

Brasil Foods é o novo nome de Perdigão e Sadia


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade