Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Bolívia

Reforma agrária não afetará brasileiros, promete Morales

Redação - Bonde
09 dez 2006 às 17:04
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A situação de brasileiros residentes na Bolívia diante da nova lei de reforma agrária do país, adotada em novembro, foi um dos principais temas da conversa entre os presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Evo Morales, nesta sexta-feira (8), durante a 2ª Cúpula da Comunidade Sul-Americana de Nações. O presidente boliviano assegurou que os brasileiros proprietários de terras produtivas não serão afetados. A informação foi confirmada neste sábado (09), pelo ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim. As informações são da Agência Brasil.

"Mais uma vez nos foi assegurado que os sojicultores produtivos não serão afetados", disse o ministro, em entrevista a jornalistas brasileiros. Segundo ele, um grupo de trabalho bilateral, definido durante visita de Amorim a La Paz, no primeiro semestre, deverá tratar do tema nos próximos dias. Ele disse que Morales concordou com a visão brasileira de que as propriedades produtivas não devem ser afetadas pela reforma.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Outra questão se refere aos agricultores brasileiros em áreas de fronteira - uma lei boliviana veda a posse de terra por estrangeiros a 50 km da divisa com outro país. Na opinião de Amorim, a questão deve ser tratada "de forma humana, civilizada, em cooperação", especialmente no caso de posseiros ou colonos pobres.

Leia mais:

Imagem de destaque
No Parque Ney Braga

AgroBIT Brasil 2022 traz amanhã soluções tecnológicas para o agronegócio

Imagem de destaque
Feira

Após 2 anos, Expoingá é retomada com expectativa de bons negócios

Imagem de destaque
Agricultura

Paraná já conta com 59 feiras de orgânicos e agroecológicos

Imagem de destaque
Financiamento

Paraná terá até R$ 13,6 bilhões do Banco do Brasil para a safra 2017-2018


Amorim lembrou que esse tratamento humano deve corresponder ao que o Brasil dá aos milhares de bolivianos que residem no país. "Os [brasileiros] que não puderem ficar também terão que voltar para o Brasil algum dia, mas isso tem de ser feito de maneira organizada, até porque existem muitos bolivianos no Brasil que também gozam da nossa hospitalidade".


O chanceler disse acreditar que o tema esteja sendo tratado com boa vontade pelo governo boliviano. Uma prova disso é que um prazo anteriormente estabelecido para expulsão dos estrangeiros (6 de novembro) não foi cumprido.

Amorim contou que está sendo estudada a possibilidade de cooperação bilateral na reforma agrária boliviana.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade