Pesquisar

Canais

Serviços

Emerson Dias/N.Com
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Sem carteira ou CNPJ

Taxa de desemprego tem queda puxada pelo trabalho informal e com renda menor

Folhapress/Leonardo Vieceli
27 out 2021 às 15:06
Continua depois da publicidade

A taxa de desemprego no Brasil recuou para 13,2% no trimestre encerrado em agosto, informou o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta quarta-feira (27).

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


Conforme o instituto, a baixa foi puxada pelo aumento de pessoas ocupadas, principalmente em postos de trabalho informal. A abertura de vagas, contudo, veio acompanhada por quedas recordes, em termos percentuais, no rendimento médio.

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade


Ou seja, houve maior geração de empregos, mas com uma renda inferior na média. Isso guarda relação com a volta do trabalho informal, que costuma registrar salários menores.


No trimestre anterior, até maio, a taxa de desemprego estava em 14,6%. Em igual período de 2020 (junho a agosto), era de 14,4%.


Com o novo resultado, o número de desempregados foi estimado em 13,7 milhões. O resultado representa baixa de 7,7% (menos 1,1 milhão de pessoas) ante o trimestre terminado em maio e indica estabilidade na comparação anual.

Continua depois da publicidade


Os dados são da Pnad Contínua (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua).


Pelas estatísticas oficiais, um trabalhador é considerado desocupado quando não está atuando e segue em busca de novas oportunidades, com ou sem carteira assinada ou CNPJ (Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica).


A taxa de desemprego até agosto (13,2%) veio um pouco abaixo do nível esperado pelo mercado. Analistas consultados pela agência Bloomberg projetavam indicador de 13,4%.


No trimestre, a população ocupada chegou a 90,2 milhões de pessoas. A marca significa alta de 4% (mais 3,5 milhões de pessoas) ante o trimestre móvel encerrado em maio.


Dos 90,2 milhões de ocupados, 53,1 milhões (58,9%) trabalhavam de maneira formal. Os demais 37,1 milhões (41,1%) eram informais.


Em relação ao trimestre anterior, até maio, é possível observar um aumento mais consistente no grupo de trabalhadores sem carteira assinada ou CNPJ. A alta foi de 6,9% (mais 2,4 milhões).


Na mesma base de comparação, o avanço foi de 2,1% entre os formais (acréscimo de 1,1 milhão).


O IBGE destacou que o rendimento real habitual dos trabalhadores ocupados foi de R$ 2.489 no trimestre até agosto. A marca corresponde a quedas de 4,3% frente ao trimestre anterior e de 10,2% frente a igual período de 2020.


Segundo o instituto, as baixas foram as maiores em termos percentuais na série histórica, iniciada em 2012, em ambas as comparações.


O número de trabalhadores por conta própria voltou a bater recorde, atingindo 25,4 milhões. A quantia soma a fatia que atua com CNPJ (6 milhões) e a parcela sem o registro (19,4 milhões), mais numerosa.


A chegada da pandemia, em 2020, atingiu em cheio o mercado de trabalho. Com as restrições e a paralisação de empresas, houve destruição de vagas em diferentes setores, e mais brasileiros foram forçados a procurar emprego.


Na visão de analistas, a melhora consistente do quadro depende em grande parte do desempenho do setor de serviços.


Esse segmento, o principal empregador do país, sofreu com as restrições na crise porque reúne atividades dependentes da circulação de clientes.


Bares, restaurantes, hotéis e eventos são exemplos de serviços prejudicados pelo coronavírus. As atividades, agora, têm expectativa mais positiva devido ao avanço da vacinação contra a Covid-19.


Contudo, o aquecimento da economia como um todo, necessário para a melhora do mercado de trabalho, é colocado em xeque por uma série de dificuldades.​

Continue lendo