Pesquisar

Canais

Serviços

- Pixabay
Entenda as bandeiras

Veja maneiras de economizar energia elétrica com a nova bandeira tarifária

Heloisa Corso - Estagiária*
04 set 2021 às 10:29
Continua depois da publicidade
O bolso do brasileiro vai arcar com mais um aumento tarifário na conta de energia elétrica a partir de setembro. Isso porque a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) anunciou na última terça-feira (31) a criação de mais uma bandeira tarifária, acima da vermelha-2, até então a mais cara. A partir de agora, por consequência da escassez hídrica, a tarifa mais cara passa de R$ 9,49 para R$ 14,20 a cada 100 kWh.

Com este aumento, é inevitável que a conta no final do mês fique mais cara. Entretanto, o professor de engenharia elétrica da Pitágoras Unopar Robledo Carazzai dá dicas para quem busca saídas para economizar durante esta alta.

Continua depois da publicidade

  • Chuveiro elétrico: aproveite que o frio deu uma trégua e mude a temperatura para o modo verão. Além disso, evite os banhos demorados, que podem pesar no final do mês.
  • Ferro de passar: acumule as roupas e busque utilizá-lo no máximo uma vez por semana.
  • Ar condicionado: evite deixar as portas e janelas do ambiente climatizado abertas. Assim, o frio não se dispersa tanto, gerando economia.
  • Geladeira: evite o abre-e-fecha desnecessário da porta. Quando for preparar uma refeição, busque tirar todos os alimentos da geladeira de uma só vez, evitando a entrada de ar quente.
  • Painéis solares: outra opção que requer investimento, mas que pode valer a pena. Com os painéis fotovoltaicos, os raios do sol geram energia elétrica para casa e a economia pode chegar a 95%.

Entenda as bandeiras

Continua depois da publicidade


Carrazai explica que as bandeiras tarifárias indicam como estão as situações de nossas usinas geradoras de energia elétrica, de acordo com a cor.


Assim, a bandeira verde significa que as condições de geração das usinas hidrelétricas, que têm o custo mais baixo, estão favoráveis. Já com a bandeira amarela, o volume dos reservatórios das usinas está passando por alguma alteração, ou seja, gerando menos energia do que o normal.

Continua depois da publicidade

Em momentos mais críticos, passa-se para a bandeira vermelha 1, quando situação está preocupante e tem-se que inserir novos modelos de geração de energia, como as usinas termelétricas, que utilizam carvão ou derivados de petróleo. Na bandeira vermelha 2, já foram acionados outros modelos de geração, mas há a necessidade de aumentar mais a produção.


O valor das contas de luz dependem muito da bandeira em que a energia se encontra. A verde não provoca nenhum acréscimo, justamente pelo seu cenário favorável.


Já as cores amarela e vermelha provocam aumentos, pois os desafios sua geração de energia elétrica exigem meios mais caros de produção.


A nova bandeira

A criação de uma nova bandeira tarifária se deu em virtude da maior escassez hídrica dos últimos anos. Assim, ela vem para reforçar o investimento necessário para a geração de energia, que em condições normais eram supridas pelas hidrelétricas, que utilizam as correntezas dos rios como fonte.

Com a escassez, agora é necessário recorrer às usinas termelétricas, que utilizam materiais fósseis, como carvão, gás natural e outros combustíveis mais caros, o que é repassado ao consumidor final.


Para tentar amenizar a situação, o presidente da república, Jair Messias Bolsonaro (sem partido), comentou em sua live semanal que a bandeira vermelha na tarifa de conta de luz “não é maldade” e pediu que a população colabore na economia.


*Sob supervisão de Luís Fernando Wiltemburg


.

Continue lendo