Pesquisar

Canais

Serviços

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Mudança de sede

Alunos jovens e adultos vão protestar de novo em Londrina

Loriane Comeli - Redação Bonde
31 dez 1969 às 21:33
Continua depois da publicidade

Alunos do Centro Estadual de Educação Básica de Jovens e Adultos (CEEBJA) de Londrina vão fazer um novo protesto nesta quarta-feira (4) contra a transferência da sede para o Colégio Estadual Benjamim Constant, na Vila Portuguesa, zona leste.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

Hoje os alunos estudam em três turnos em um prédio próximo do Terminal Urbano, na região central. Para jovens e adultos, que normalmente trabalham, e hoje tentam concluir o ensino fundamental e médio, a mudança prejudicará os estudos. Além de ser mais longe, os alunos reclamam que aquele é um colégio onde estudam criança e isto criaria um 'conflito' com os mais velhos.

Continua depois da publicidade


O prédio atual, segundo o Núcleo Regional de Educação (NRE), não oferece condições de segurança, já que há um laudo do Corpo de Bombeiros apontando a precariedade do imóvel.


Antes os estudantes podiam estudar nos melhores horários para eles; com a mudança terão de ir à escola num turno e hora pré-fixados.


Hoje o NRE sequer sabe quantos são os alunos do Ceebja. Segundo a coordenação do centro, são 1,8 mil jovens e adultos matriculados. "Achamos que é um número menor, mas prefiro não comentar agora, antes de terminar o levantamento", disse em entrevista à Rádio Brasil Sul a chefe do NRE de Londrina, Márcia Lopes de Souza.

Continua depois da publicidade


Segundo ela, a mudança para a nova sede, a despeito dos protestos dos alunos, é uma orientação que está mantida. De acordo com um dos alunos, Cláudio Oliveira, Márcia sequer sabia que os alunos do Ceebja estudam de manhã, à tarde e à noite.

Outra reclamação dos alunos é em relação às aulas individuais, que serão reduzidas e que podem aumentar o tempo para conclusão dos estudos. Segundo ela, essa é uma política do governo estadual para 'dinamizar' o estudo supletivo. O primeiro protesto dos alunos foi em 18 de fevereiro.


Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade