Pesquisar

Canais

Serviços

Pedro Marconi/Grupo Folha
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Revitalizado em 2021

CEU do Santa Rita, em Londrina, é alvo de vandalismo

Pedro Marconi - Grupo Folha
14 jan 2022 às 07:15
Continua depois da publicidade

Menos de um ano depois de ter sido totalmente revitalizado, o CEU (Centro de Artes e Esportes Unificados) do jardim Santa Rita, na região oeste de Londrina, já é alvo de vandalismo e furtos, mudando o cenário do lugar. Os últimos casos foram no início deste ano, quando os vidros da biblioteca foram quebrados, as esquadrias de alumínio acabaram danificadas e até um buraco no muro na divisa entre o centro o colégio estadual Polivalente foi aberto. O registro de água e a torneira também foram arrebentados. 

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


Os estragos se juntam a outros problemas do local, como os vidros de uma sala em frente ao parquinho que foram estilhaçados, pichações nas paredes, gangorra quebrada e fiação elétrica levada. Na quadra de esportes é possível encontrar bastante lixo acumulado e em vários pontos da extensa área o mato está alto. 

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade


'Tinha que prender quem faz isso'


Moradora do bairro há cerca de 40 anos, a costureira aposentada Elza Bazin costuma levar a neta, Kemily, de sete anos, até o CEU. Mas com a atual situação já está repensando se vai continuar. “Tinha que prender quem faz isso. A gente trás criança aqui e fica com medo. Antes tinha um guarda, mas faz tempo que não vejo mais ele. Tinham parado de vandalizar, mas voltaram há algum tempo”, relatou. 


O receio se multiplica entre outras pessoas da comunidade, que pedem mais consciência e fiscalização. “Pode ser morador do próprio bairro que faz isso. Não tem polícia e guarda municipal para ficar dia e noite aqui, mas uma ronda intensificada deveria existir, principalmente à noite e de madrugada, que são os períodos que costumam agir. É um espaço para o bem da população, mas que fica num estado feio e difícil de frequentar”, destacou um morador que preferiu não ser identificado. 

Continua depois da publicidade


Leia mais na Folha de Londrina.

Continue lendo