Pesquisar

Canais

Serviços

- Arquivo/Gustavo Carneiro/Grupo Folha
Continua depois da publicidade
Causa desconhecida

Detento da PEL 2 morre após passar quase um mês internado no HU

Auber Silva - Redação Bonde
08 mar 2016 às 16:29
Continua depois da publicidade

Um jovem de 22 anos, interno da Penitenciária Estadual de Londrina (PEL 2), morreu no Hospital Universitário (HU) na manhã desta terça-feira (8). Maiki Deivid de Lima Francisco estava internado desde 14 de fevereiro, quando foi removido da carceragem graças a um pedido de seu advogado.

Continua depois da publicidade

De acordo com a assessoria de imprensa do HU, a direção do hospital não autorizou que informações do prontuário do rapaz fossem divulgadas, sob a alegação de que apenas a família poderia liberar o acesso aos dados clínicos. O corpo de Lima foi recolhido ao Instituto Médico-Legal (IML) de Londrina, onde foi realizada biópsia para coletar amostras que serão enviadas a Curitiba. Apenas com o laudo do IML da capital será possível apontar a causa oficial da morte do jovem.


O coordenador do Centro de Direitos Humanos (CDH) de Londrina, Carlos Enrique Santana, foi informado pelo advogado de Lima que seu cliente reclamava de dores desde outubro do ano passado, após a rebelião que destruiu boa parte da PEL 2. "Ele estaria pedindo atendimento médico desde aquela época, mas só foi atendido após a família contratar um advogado para encaminhar um pedido à Vara de Execuções Penais [VEP]", afirma.


Ainda segundo informações obtidas por Santana junto à família, Lima teria passado por cirurgias no HU, mas sem que os médicos descobrissem a causa das dores, que persistiam. Há a possibilidade de Lima ter contraído tuberculose na carceragem, no entanto o diagnóstico não foi confirmado pelo hospital.


"Lima é vítima do descaso que toma conta da PEL 2. A unidade está sem condições básicas para receber os quase 750 presos que abriga atualmente. Após quase cinco meses sem poder entrar na unidade [desde a rebelião], fizemos uma visita e digo tranquilamente que constatamos violações de diversos direitos primários dos custodiados. Os presos têm escrito cartas denunciado a situação. A estrutura não está adequada, há falta de roupas e negligência médica", alerta Santana. A pedido da família, o advogado de Lima vai entrar na Justiça para responsabilizar o Governo do Paraná pela morte do rapaz.

Continua depois da publicidade

A direção da PEL 2 foi procurada pela reportagem durante a tarde, mas não atendeu as ligações. Lima é velado na capela um do cemitério Jardim da Saudade. O enterro está marcado para as 9h30 desta quarta-feira (9).


Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade