Pesquisar

Canais

Serviços

Shopping do Automóvel:inacabado e sem segurança - Dorico da Silva
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Sem fiscalização

Obras inacabadas interferem na paisagem e amedrontam

Redação - Folha de Londrina
17 jul 2003 às 21:33
Continua depois da publicidade

Escondida atrás de um morro e distante 200 metros de uma das vias mais movimentadas de Londrina, uma piscina olímpica - abandonada há pelo menos dez anos - transformou-se em um dos mocós da cidade. Seus 1,2 mil metros quadrados também estão entre um dos maiores focos do mosquito da dengue (Aedes aegypti) da cidade.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

Embora mais convencionais que o centro esportivo citado, outras 29 obras inacabadas estão em um levantamento feito pela Secretaria de Obras, que promete ampliar a fiscalização nestes locais.

Continua depois da publicidade


Esta é apenas uma entre dezenas de obras particulares que pararam no meio do caminho, onde o tempo as transformou em focos de doenças, abrigos usados por moradores de rua e dependentes de drogas ou simplesmente em monumentos às crise financeira do País ou à ''feiura'', como afirmam os moradores vizinhos.


''Trabalho há 13 anos neste mesmo local e pelo menos há oito anos vejo este esqueleto aí em frente. Além de deixar o bairro feio, virou um local perigoso'', disse o funileiro Araildes Barbosa dos Santos, 44 anos, referindo-se a um prédio em obras adquirido há anos pela Sercomtel S/A.


A armação de concreto, localizada no cruzamento das ruas da Lapa com Dulcídio Pereira (próximo ao Zerão), teve cinco andares construídos e parou por aí. Os últimos pisos não contam nem mesmo com paredes.

Continua depois da publicidade


A Sercomtel negociou o imóvel com a prefeitura em 1994 e agora aguarda uma decisão jurídica para tentar vendê-lo. A empresa tentou leiloar a área no início deste ano, mas entraves jurídicos impediram a negociação.


Na Avenida Prefeito Faria Lima, próxima à Universidade Estadual de Londrina (UEL), um casebre sem portas nem janelas e uma piscina gigantesca estão sendo ocupados por delinquentes e viciados em drogas.


A reportagem esteve no local e encontrou água parada e roupas velhas. Os salões que seriam usados como vestiário transformaram-se em banheiros e ''motéis'' improvisados (o chão estava repleto de camisinhas usadas, fezes e resquícios de maconha e crack). O temor dos moradores próximos ao local é que algum crime venha a ocorrer ali. ''O que mais assusta é que não há cercas, nem vigilância e nem iluminação. O que seria um ótimo local de lazer virou um mocó'', comentou um dos moradores, que pediu para não ser identificado.


No cruzamento da Avenida Leste-Oeste com a Rua Manaus, toneladas de aço e ferro aguardam a complementação das obras há anos. Inicialmente, o terreno deveria sediar o maior shopping de equipamentos para automóveis da região mas, segundo o responsável pelo empreendimento, problemas burocráticos estariam retardado o andamento do projeto. O local conta com vigilância 24 horas, o que limita a entrada de pessoas estranhas.


Além destes imóveis, dezenas de outros prédios estão inacabados. O da Rua Gomes Carneiro nº 66, parado há mais de sete anos, é outro exemplo. A Construtora Brasília, primeira responsável pela obras, faliu há quase quatro anos, deixando o esqueleto para o banco financiador.


Apesar de estarem em situação semelhante, seis prédios da Construtora Encol (que também decretou falência há quase quatro anos) tiveram destino diferente: os mutuários da empresa decidiram bancar do próprio bolso a finalização dos apartamentos a que tinham direito.


Um levantamento feito pela Gerência de Aprovação de Projetos da Secretaria de Obras de Londrina apontou 29 construções em condições precárias - inacabadas.


O secretário Aloysio Crescentini de Freitas disse que vai intensificar a fiscalização destes locais, principalmente aqueles considerados ''potenciais mocós''. O trabalho deve contar com o apoio da Vigilância Sanitária. Ele não divulgou quais são essas construções.


''Conseguimos mapear as obras paralisadas e potenciais mocós e vamos começar a contactar os proprietários'', afirmou o secretário. ''Vamos avaliar caso por caso, mas temos que fazer o que manda a lei'', acrescentou Freitas, citando a Lei Municipal nº 281. Criada em 1955 e conhecida como a ''Lei das Ruínas'', a determinação legal aponta que construções abandonadas há mais de 120 dias deverão ser demolidas e terem as obras retomadas.


O secretário entende que a crise financeira piore ainda mais as condições de investimentos em reformas, mas destacou que os prédios devem manter condições mínimas de limpeza e segurança. Entre as providências que devem ser tomadas estão manter o terreno cercado e livre de lixo, o mato roçado e, se possível, com um vigia evitando ocupações ou depredações.


''No caso das obras citadas (pela reportagem), vamos vistoriar os locais e, se necessário, trabalhar em conjunto com a Vigilância Sanitária'', informou Freitas.

Depois de fiscalizadas as obras, os proprietários são notificados e ganham um prazo para solucionar o problema. O não cumprimento das determinações legais pode significar multa. A prefeitura pode optar por executar o serviço, mas os custos também serão cobrados dos responsáveis.


Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade