Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Conclusão de ONG

Negros enfrentam preconceito no acesso à saúde

Redação Bonde
24 nov 2007 às 15:58
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Além de lidar com doenças como a falciforme e diabetes tipo 2, que atingem com mais frequência pessoas negras, em questão de saúde, essa população enfrenta ainda o preconceito. A conclusão é da coordenadora da organização não-governamental Criola, Jurema Werneck. Segundo ela, o problema é maior em relação as mulheres negras.

"A maioria dos médicos fazem perguntas discriminatórias do tipo: 'você tomou banho hoje?'. Ou seja, as mulheres negras são muito mal tratadas, principalmente nas áreas de ginecologia e obstetria", explica.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Segundo ela, as regiões da periferia, em que há maior concentração de pessoas negras, são as mais esquecidas pelo governo. "Não há serviço e, se tem, as informações não são cedidas. O atendimento é muito ruim", diz.

Leia mais:

Imagem de destaque
Varíola dos macacos

Organização Mundial da Saúde alerta para variante mais perigosa de mpox

Imagem de destaque
Saiba mais

Fragmento ósseo sugere que crianças neandertais teriam síndrome de Down

Imagem de destaque
Mais importante

Adélia Prado vence o prêmio Camões, o mais importante da língua portuguesa

Imagem de destaque
Juan José Zúñiga

General golpista na Bolívia é preso e acusa presidente de ter preparado autogolpe


"Os negros têm mais dificuldade de acesso aos serviços de saúde. E não digo só de acesso físico, mas em relação à quantidade de consultas ou tratamento de qualidade", completa.

Publicidade


A coordenadora do comitê técnico de saúde da população negra do Ministério da Saúde, Ana Maria Costa, reconhece que a situação da população negra é muito difícil. "O negro ainda sobrevive em condições muito precárias e isso reflete na situação de saúde dessa população. E nós sabemos que a saúde não é só a ausência de doenças. Na verdade é um conjunto de situações econômicas e sociais que determinam a situação de saúde de uma coletividade", disse.


Questionada sobre a demora para que o atendimento na saúde seja melhor, Costa disse que aprovar uma política pública do governo e colocá-la em vigor demora. Segundo ela, as ações preisam ser vistas como resultados a longo prazo.

Publicidade


"Há toda uma movimentação de melhoria na estrutura de atendimento. Não está mais debaixo do tapete a situação de saúde da população negra. O país exibe isso e é claro que essas coisas precisam ser evidenciadas pois, a partir daí, indica a responsabilidade dos gestores do SUS [Sistema Único de Saúde] por buscar mais eqüidade para a população negra".


Segundo Maria, quem se sentir vítima de preconceito na rede pública de saúde, pode fazer uma denúncia por meio da ouvidoria do SUS do Ministério da Saúde: 0800 61 1997.

ABr


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade