Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Exportação e importação

Paraná liderou a importação de suínos de alta genética em 2023, aponta boletim

Redação Bonde com AEN
22 fev 2024 às 17:20
- Pixabay
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O Paraná investiu cerca de R$4,1 milhões na importação de suínos de alto valor genético, que ajudam no aprimoramento do rebanho, se tornando o estado que mais investiu no setor em 2023, representando 75% do total investido em todo o país. 


Dos outros estados que possuem registro de importação de suínos de raça pura nos últimos dez anos, Minas Gerais investiu US$ 1,3 milhão (23%) e São Paulo, aproximadamente US$ 162 mil (3%). Já Santa Catarina não realizou importações nesse segmento em 2023.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Os Estados Unidos foram o principal mercado de aquisição do Paraná no ano passado, seguido da Noruega e Canadá. Minas Gerais, por sua vez, trouxe seus animais apenas da Dinamarca.

Leia mais:

Imagem de destaque
Após caso envolvendo escritora

Ataque de pitbulls: especialista defende que a questão é educar humanos

Imagem de destaque
Campeonato Brasileiro

Jogadoras protestam contra volta de técnico acusado de assédio ao Santos

Imagem de destaque
"Efeitos econômicos diretos"

Prefeitura do Rio divulga estudo para justificar aporte de R$ 10 milhões no show de Madonna

Imagem de destaque
Crime investigado pela PF

Barco à deriva é encontrado com corpos no Pará


Além de investir nesse setor, Paraná também se destaca na exportação de genética, principalmente para os países do Mercosul, ficando na segunda posição, com receita aproximada de US$ 348 mil, ficando atrás apenas de São Paulo, com US$ 416 mil. Os países sul-americanos são os melhores parceiros, com destaque para o Paraguai, que representou 67% das compras.

Publicidade


Esse é um dos assuntos analisados pelos técnicos do Deral (Departamento de Economia Rural), da Seab (Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento), no Boletim de Conjuntura Agropecuária referente à semana de 16 a 22 de fevereiro.


O boletim preparado pelo Deral também salienta que as importações de lácteos em janeiro de 2024 se mantiveram em patamares elevados, atingindo 25,8 mil toneladas. Esse valor é equivalente aos registrados ao longo de 2023, quando a entrada de lácteos do Mercosul foi o protagonista nas discussões sobre as dificuldades no campo.

Publicidade


Há ainda um destaque para o recorde de exportação do complexo de soja no mês de janeiro, já que este ano foram enviados para o exterior 1,25 milhões de toneladas, superando assim o volume de janeiro de 2019, que registrou o valor de 878 mil toneladas. 


O Paraná, normalmente, exporta mais da metade da soja produzida in natura (grão), mas também exporta óleo e farelo.

Publicidade


Esse aumento está ligado a um volume de colheita também recorde que aconteceu neste mês, graças a um ciclo da cultura menor que possibilitou que a colheita fosse feita já em janeiro. A explicação são as condições climáticas adversas que impactaram o desenvolvimento e produtividade da soja. 


Os dados da Embrapa Suínos e Aves apontam que o custo de produção do frango vivo no Paraná, proveniente de aviário tipo climatizado em pressão positiva, alcançou em dezembro de 2023 o valor de R$ 4,41 o quilo, o que representa um aumento de 1,01% (R$ 0,06) em relação ao mês anterior (R$ 4,35 o quilo) e redução de 20,40% se comparado a dezembro de 2022, quando estava em R$ 5,54 o quilo.


Em relação aos ovos, o boletim mostra que em janeiro de 2024 o preço nominal médio do tipo grande pago ao produtor foi de R$ 127,01 por caixa de 30 dúzias, o que significa redução de 8,2% em relação a dezembro de 2023, quando foram pagos R$ 138,41, e de 1,14% comparativamente a janeiro de 2023 (R$ 128,48 por caixa de 30 dúzias).


Imagem
Paraná recebe primeiro lote de vacinas contra a dengue; Londrina é prioridade
Londrina foi tratada como prioridade na distribuição, recebendo mais de um terço das doses, 13.204.
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade