Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Sabatina CNI

Aécio diz que pretende cortar número de ministérios pela metade

Mariana Franco Ramos - Folha de Londrina
30 jul 2014 às 15:21
- José Paulo Lacerda/ CNI Confe
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, disse nesta quarta-feira (30) a empresários que, caso eleito, pretende reduzir o número de ministérios do governo federal pela metade já no primeiro dia de seu mandato. Hoje, a estrutura da administração federal conta com 39 pastas. Ele não adiantou, contudo, quais delas seriam "cortadas".

"Vários ministérios existem hoje para acomodar aliados políticos ou correntes dentro do próprio PT. O que eu vou estabelecer é a racionalidade do Estado brasileiro", alfinetou. O tucano falou que sua equipe baseou a proposta em um estudo de uma universidade norte-americana, segundo o qual o número ideal seria algo em torno de 21 a 23. "(Isso) não quer dizer que as políticas públicas adotadas deixem de ser importantes para o governo. Ao contrário, de forma desburocratizada, as ações poderão ter mais efetividade do que vêm tendo hoje".

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


O ex-governador de Minas Gerais propôs ainda reduzir em um terço a quantidade de cargos comissionado e adotar "a meritocracia" na administração pública. "Queremos onde for possível estabelecer o sistema de metas, que sirvam de estímulo à prestação de serviços de qualidade", discursou.

Leia mais:

Imagem de destaque
Fim em 2021

Operação Lava Jato completa 10 anos com resultados em xeque

Imagem de destaque
Golpe de Estado

Bolsonaro diz não temer ser julgado desde que juízes sejam isentos

Imagem de destaque
Custou caro à economia

Lava Jato destruiu 4,44 milhões de empregos, mostra estudo

Imagem de destaque
Disputa pela Prefeitura de Curitiba

Seria difícil Beto Richa conquistar apoio no PL, afirma cientista político


Aécio Neves participou do "Diálogo da Indústria", promovido pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), com o objetivo de debater as propostas dos presidenciáveis para o setor. Mais cedo, quem discursou foi o ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos (PSB). A presidente Dilma Rousseff (PT) é esperada às 15h30, para fechar o evento. Entre os temas destacados pela CNI durante o encontro estão a redução nas taxas de juros, o aperfeiçoamento da política de concessões em infraestrutura e até algumas medidas impopulares, como as alteração no cálculo de reajuste no salário mínimo. As questões foram elencadas em um documento com 42 estudos, distribuídos por dez áreas, que a entidade enviou dois dias antes aos candidatos.


Propostas
O tucano também falou que a retomada do crescimento da economia e a busca da competitividade serão tratados como "obsessões absolutas" em uma eventual gestão sua. Assim como Campos, ele afirmou que, se sair vitorioso em outubro, dará prioridade à reforma tributária. "O que eu quero oferecer ao Brasil é um ambiente de segurança jurídica, com a simplificação do nosso sistema tributário, focando na criação de um IVA (Imoosto sobre o Valor Acrescentado), a partir da diminuição do número de impostos diretos".

Questionado por jornalistas em coletiva após a sabatina, Aécio se recusou, porém, a responder se já utilizou aeroporto de Cláudio (MG), construído em um terreno que pertenceu ao seu tio-avô Mússio Guimarães Tolentino e ainda não homologado pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). "Todos os investimentos do meu governo que levaram à ligação de todas as cidades que não tinham asfalto, ligação de telecomunicação em cerca de 500 cidades e a aproximação do setor aeroviário foram feitas dentro da lei e com absoluto planejamento (...) Já dei as explicações que julgo pertinentes e estou aberto aqui a discutir a economia brasileira", esquivou-se.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade