Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Irritação

Bate-boca esquenta depoimento de governador na CPI

Agência Estado
13 jun 2012 às 16:12
- Leonardo Prado / Ag. Câmara
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS) e o líder do PT na Câmara, Jilmar Tatto (SP), discutiram na tarde desta quarta-feira, no plenário da CPI do Cachoeira, durante o depoimento do governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT). A confusão começou depois que Onyx questionou o fato de assessores de Agnelo que estavam em pé atrás do governador terem, segundo ele, feito chacota com as perguntas feitas pelo deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP).

Irritado com a intervenção, Onyx pediu ao presidente interino da CPI, deputado Paulo Teixeira (PT-SP), para retirar os auxiliares do governador do local, argumentando que eles estavam zombando dos parlamentares. Os assessores de Agnelo foram deslocados, por ordem de Teixeira.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Sampaio retomou as perguntas questionando o governador sobre quem o convidou a visitar a Vitapan, a empresa de Carlinhos Cachoeira em que ele esteve por uma vez quando era diretor da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). O governador do DF foi lacônico, dizendo que o convite foi da empresa. Mas o tucano insistiu em uma resposta mais completa.

Leia mais:

Imagem de destaque
Durante sessão no TJ-PR

MPPR abre procedimento para apurar a possível prática de dano moral coletivo em fala de desembargador

Imagem de destaque
Pré-candidato

Reviravolta: André Trindade volta à presidência do União Brasil com apoio de Moro

Imagem de destaque
Na região central

Câmara de Londrina aprova projeto que viabiliza nova sede da Guarda Municipal

Imagem de destaque
Pesquisa

Avaliação positiva de Lula vai a 36% e a negativa agora é de 30%, aponta Quaest


Diante do barulho na sala da CPI, Lorenzoni interveio mais uma vez, pedindo silêncio no ambiente para Sampaio continuar a fazer suas perguntas. O presidente interino da comissão questionou a nova intervenção do parlamentar do DEM, que o rebateu em pé. "O senhor não vai cassar a minha palavra", afirmou.


Foi aí que o líder do PT na Câmara disse, também em pé, que o deputado do Democratas estava querendo "aparecer". "Se ele quiser aparecer, vai fazer lá na Câmara", protestou Tatto, ainda se referindo ao fato de que a sucessiva manifestação de Lorenzoni na CPI tem por objetivo amenizar o fato de que um ex-senador do partido, Demóstenes Torres (GO), corre o risco de cassação por envolvimento com Cachoeira.

O bate-boca parou depois que o presidente interino da CPI deu um pouco mais de prazo para Sampaio fazer suas intervenções.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade