Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Londrina

Câmara também vai romper contrato da segurança

Loriane Comeli - Redação Bonde
24 jun 2009 às 08:36
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Depois de ter anunciado o rompimento do contrato com a empresa Tolimp Serviços Ltda., de Marechal Cândido Rondon, a Câmara de Londrina adotou o mesmo procedimento em relação à Servil, de Cascavel, que presta serviços de segurança. O contrato de R$ 16 mil mensais, que disponibiliza sete vigilantes, venceria em agosto deste ano.

"Já notificamos a empresa de nossa intenção de romper o contrato", afirmou a procuradora jurídica da Câmara, Michelle Bazo. "Demos várias oportunidades para que a empresa cumprisse o contrato, mas ela não demostrou nenhum interesse de oferecer o serviço dentro das regras".

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Com Servil ocorre o mesmo que com a Tolimp: a empresa atrasa constantemente o salários dos funcionários, embora recebe pontualmente da Câmara. A Tolimp, segundo a procuradora, tem um contrato de R$ 24 mil mensais para oferecer 20 funcionários, e desde janeiro vem descumprindo as cláusulas contratuais.

Leia mais:

Imagem de destaque
Veja entrevista

Pré-candidato à prefeitura de Londrina, Tercílio Turini diz que prefeito deve ser gestor

Imagem de destaque
Enfrentamento

Governo publica nova medida provisória com crédito de R$ 12 bilhões para o RS

Imagem de destaque
Aos 39 anos

Morre Amália Barros, deputada e vice-presidente do PL Mulher

Imagem de destaque
Caso Moro

Pré-campanha: Gastos excessivos podem configurar abuso de poder


Os trabalhadores ainda não receberam o vale alimentação referente ao mês de abril e maio. O salário só foi pago – na semana passada – porque o sindicato dos trabalhadores na área de limpeza (Siemaco) ajuizou ação de bloqueio dos valores repassados pela Câmara à empresa.

Publicidade


A procuradora disse que as duas empresas apresentaram recurso administrativo na tarde desta terça-feira (23) contra a decisão de rompimento do contrato. "Devo emitir meu parecer até amanhã (quinta, 25), e posso adiantar que a decisão é manter a decisão pelo fim dos contratos", afirmou Michelle.


Contrato emergencial


Enquanto a Câmara tenta romper o contrato com as empresas, uma nova licitação – em caráter emergencial – está sendo preparada. "Mas, vamos rever as regras do contrato e tentar evitar que essas falhas aconteçam", defendeu a procuradora.

Segundo ela, é possível fazer "um acordo de cavalheiros" com a empresa vencedora da licitação para que mantenhas os mesmos funcionários da Tolimp e da Servil. "Tenho uma reunião com os três vereadores da Comissão de Trabalho que têm algumas sugestões sobre o contrato", adiantou Michelle.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade