Pesquisar

Canais

Serviços

- Nelson Jr/ ASICS TSE
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Saiba quem são

Eleições para presidente têm só duas mulheres pré-candidatas

Gabriela Fernandes - Estagiária*
16 mai 2022 às 08:35
Continua depois da publicidade

A menos de seis meses das eleições no Brasil, dos onze pré-candidatos à Presidência da República, apenas duas são mulheres. Pior: apenas uma mulher preta – Vera Lúcia (PSTU). A outra presidenciável é a senadora Simone Tebet (MDB), que ganhou projeção ao participar da CPI da Covid. Em julho de 2021, o Brasil ocupava a 140ª posição no ranking de participação política feminina entre 192 países pesquisados pela União Interparlamentar. Estava atrás de todas as nações da América Latina, exceto Paraguai e Haiti. E continua com participação feminina mínima no protagonismo político. Mas por que, mesmo depois de tantas lutas, a representatividade é tão baixa? 

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


Para Poliana Santos, educadora da rede pública  de ensino  e candidata a vereadora de Londrina em 2020 pelo PT (Partido dos Trabalhadores), essa invisibilidade ocorre porque, “apesar da negação, o Brasil é um país de estrutura machista, racista e lgbtfóbica”. "Então, obviamente, isso se reflete muito nos campos eleitorais. Quando estamos nesses anos de eleição, conseguimos perceber bem como isso se faz. Como, infelizmente, a nossa política é uma política que dá visibilidade para o homem branco hétero cis normativo. Não é que não temos pessoas de potenciais nessas outras categorias na sociedade. Mas é porque o espaço público a ser disputado é muito complicado, é um espaço público voltado para essas pessoas de privilégio”, argumenta.

Continua depois da publicidade


Ainda segundo a educadora, qualquer mulher que foge deste padrão e continua como candidata é uma pessoa que precisou superar barreiras e enfrentar dificuldades para conseguir se manter na disputa eleitoral, ainda que com pequena força política.


Ângela Silva, professora da rede municipal, mestranda em educação pela UEL (Universidade Estadual de Londrina) e ex-candidata a vereadora pelo PSOL (Partido Socialismo e Liberdade) nas eleições  em 2020, concorda com as colocações de Santos, mas acrescenta  um outro ponto importante quando se trata de política no Brasil: a herança oligárquica. “É uma herança na qual quem está à frente do poder é uma oligarquia, é a grande maioria das câmaras municipais, assembleias legislativas e Câmara Federal. E, se nós pensarmos no poder político maior, a gente vem num processo de oligarquias muito grandes e são essas heranças oligárquicas que assumem o poder”, afirma a mestranda.


* Supervisão: Luis Fernando Wiltemburg.

Continua depois da publicidade


Leia mais na Folha de Londrina.

Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade