Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Crowdfunding

Eleitor ainda não tem a cultura do financiamento coletivo, aponta especialista

Douglas Kuspiosz - Grupo Folha
19 mai 2024 às 11:00
- Reprodução/Canva
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Apesar de já ter ocorrido nas eleições gerais de 2018 e de 2022, e no pleito municipal de 2020, o financiamento coletivo de campanhas - ou as “vaquinhas virtuais” - ainda não caíram no gosto do brasileiro. 

Essa é a avaliação do professor e advogado especialista em Direito Eleitoral e Político, Nilso Paulo da Silva.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


As empresas cadastradas no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) já estão autorizadas, desde 15 de maio, a prestar o serviço de crowdfunding para o pleito de 2024. Essa modalidade de financiamento foi criada em 2017 pela reforma eleitoral e permite a arrecadação de doações coletivas de pessoas físicas.

Leia mais:

Imagem de destaque
Absurdo

Vítima de estupro que fizer aborto pode ter pena superior a do estuprador se PL for aprovado

Imagem de destaque
De 25% para 27,12%

Prefeitura de Londrina protocola substitutivo e votação do aumento salarial da Guarda Municipal é adiada

Imagem de destaque
Nova estratégia

Lula reduz menções religiosas em discursos em meio a novo esfriamento na relação com evangélicos

Imagem de destaque
Foco no tempo de gravidez

Entenda o que muda com o PL que restringe o aborto legal em casos de estupro


Mesmo sendo uma alternativa interessante para os candidatos, Silva acredita que a prática ainda não tem adesão por parte do eleitor. Ele pontua que, para quem quer concorrer, é uma ferramenta importante, já que é uma das poucas ações que podem ser feitas na pré-campanha e mantidas durante a campanha.

Publicidade


“O brasileiro, regra geral, é bastante solidário, estamos vendo o momento no Rio Grande do Sul, mas, historicamente, embora autorizada e legal, a gente não tem percebido que tem sido uma grande ferramenta de financiamento para os candidatos”, diz.


Um sinal disso é o número de empresas aptas a prestar o serviço neste ano. Até o momento, apenas sete plataformas já foram habilitadas e outras duas estão aguardando análise do Tribunal - para atuar no Brasil inteiro. Em 2018, como ainda era uma novidade, foram 59. 

Publicidade


“Parece que ainda não caiu na cultura brasileira a questão da doação para campanha. Acho que é até por conta da criação em paralelo do financiamento público”, acrescenta.


O FEFC (Fundo Especial de Financiamento de Campanha) foi criado em 2017 pelo Congresso Nacional como forma de compensar o fim do financiamento eleitoral por pessoas jurídicas, determinado pelo STF (Supremo Tribunal Federal) em 2015. Para 2024, o Fundo Eleitoral será de R$ 4,9 bilhões.

Publicidade


Leia a reportagem completa na FOLHA DE LONDRINA:


Imagem
Eleitor ainda não tem a cultura do financiamento coletivo, avalia especialista
As vaquinhas virtuais para a campanha deste ano estão autorizadas desde 15 de maio
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade