Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
TSE

Regras da verticalização ficam mais rígidas

Redação- Bonde
07 jun 2006 às 14:08
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A chamada "regra de verticalização", que determina coerência entre as alianças efetuadas pelos partidos no plano nacional e estadual, terá de ser seguida nas eleições de outubro mesmo pelos partidos que não participarem de uma coligação nacional. Isso impedirá que partidos sem candidato a presidente se unam nos estados com partidos em situação oposta. Esse é o entendimento do Tribunal Superior Eleitoral, segundo nota divulgada nesta terça-feira (06) à noite pela assessoria do TSE. O tribunal tomou a decisão em resposta a consulta do Partido Liberal.

"No entendimento de seis dos sete ministros do TSE, nenhum partido pode fazer, no plano estadual, coligação diferente da que houver sido feita no plano nacional. A regra é válida mesmo que o partido em questão não tenha lançado candidato à Presidência da República", diz a nota. A decisão afetará tanto os partidos que não participarão das coligações nacionais como os que terão formalmente um candidato a presidente, porque, nos estados, os dois grupos estarão impedidos de se coligarem.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Apenas partidos sem candidato a presidente poderão se coligar com outros partidos em situação semelhante, em um determinado estado. Já os que têm candidato a presidente deverão repetir em cada estado essa aliança, segundo a assessoria.

Leia mais:

Imagem de destaque
Insanidade

Críticas à omissão do governo em PL Antiaborto por Estupro fazem Lula mudar de discurso

Imagem de destaque
Entenda

Empreiteiras recusam proposta sobre multas da Lava Jato, e governo Lula tenta novo acordo

Imagem de destaque
Comunicações

Ministro de Lula pede ao STF trancamento de inquérito após ser indiciado pela PF

Imagem de destaque
Câmara

Bancada evangélica quer definição de relator do PL antiaborto, e esquerda, adiar discussão


Ainda segundo a nota da assessoria do TSE, o presidente do tribunal, ministro Marco Aurélio Mello, argumentou que, se a coligação nacional não fosse repetida nos estados, a regra da verticalização ficaria esvaziada e se tornaria um "faz-de-conta". "Ele não se coligou lá em cima, mas não pode se coligar com quem já está coligado lá em cima. Ele pode se coligar com quem ele quiser. Mas não pode se coligar com partido coligado para a eleição presidencial", disse o ministro, informa a nota.


Segundo a assessoria do tribunal, o presidente do TSE deve conceder entrevista coletiva ainda hoje para dar mais detalhes sobre as conseqüências dessa decisão.

Informações da ABr


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade