Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Tensão

UEL prevê colapso com reforma administrativa

Redação Bonde
15 nov 2007 às 12:47
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A reitoria da Universidade Estadual de Londrina (UEL) encaminha nesta sexta-feria ao governador Roberto Requião (PMDB) e à secretária de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Lygia Pupatto, ofício no qual prevê um colapso nos serviços da instituição caso o Estado corte 183 cargos comissionados (115) e funções gratificadas (FGs, 68) como parte de uma pretendida reforma administrativa.

Segundo o reitor Wilmar Marçal, a medida já teria sido anunciada pelo Governo e seria, inclusive, pano de fundo de um projeto de lei encaminhado à Assembléia Legislativa pela regulamentação desses cargos nas instituições de ensino superior do Estado (IEEs).

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


O ofício saiu de uma reunião do Conselho de Administração (CA) da UEL, que praticamente durante toda a tarde debateu os impactos que os cortes podem trazer à universidade.

Leia mais:

Imagem de destaque
'Parceiro da Escola'

Diretório Nacional do PT recorre ao STF contra lei que terceiriza 204 escolas do Paraná

Imagem de destaque
Próximo de R$ 3,5 bilhões

Câmara de Londrina aprova LDO de 2025 na última sessão antes do recesso parlamentar

Imagem de destaque
Investigação

Militares reforçam em depoimentos à PF acusações contra Bolsonaro sobre joias

Imagem de destaque
Gratificações e aumentos salariais

Com emendas, Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2025 será votada nesta quinta-feira


O anúncio da regulamentação dos postos fora feito há cerca de dois meses por Requião, em Londrina, que ameaçou reter a folha de pagamentos do mês seguinte caso a instituição não revertesse o reajuste salarial concedido em agosto deste ano a comissionados e FGs.


Isso acirrou os ânimos entre a UEL e a Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia (Seti), que, afirmou o reitor, teria ''imposto, de cima para baixo, sem alternativas e sem considerar as realidades diferentes de cada instituição'', os cortes que promoveriam os ajustes. Uma vez aprovada a matéria na AL e sancionada por Requião, as IEEs terão prazo de seis meses para se adequar à nova realidade.

>> Leia reportagem completa na Folha de Londrina


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade