Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Oriente seu filho

Psicologia pode ajudar na escolha da profissão

Redação Bonde
05 jun 2009 às 22:42
- Reprodução
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Desde crianças estamos acostumados a ouvir a pergunta: "O que você quer ser quando crescer?", mas na adolescência esta pergunta possui uma dose de tensão e responsabilidade. O adolescente está passando por um período de descobertas em várias áreas, aprendendo sobre o que gosta ou não gosta, e normalmente, fica em dúvida sobre que profissão seguir. "Esta fase de descobertas pode influenciar na hora do adolescente decidir uma profissão, principalmente se ele não está seguro do que realmente quer para a sua vida ou não está acostumado a fazer escolhas e tomar decisões. Por isso a importância do adolescente procurar um orientador profissional, que irá ajudá-lo no processo de autoconhecimento e escolha da profissão", explica Gilvanise Gulicz Vial, psicóloga que trabalha com orientação vocacional na Clínica Contato, em Curitiba.

O adolescente deve observar e descobrir seus interesses, habilidades preferidas, suas limitações e suas aptidões ao mesmo tempo em que busca informações sobre diferentes profissões. "É fundamental que ele pesquisa o que faz tal profissional, como é sua rotina, com o que trabalha, em que tipo de ambiente, que retornos o profissional tem, quais os pontos altos e baixos de tal profissão, que instituições oferecem o curso, que matérias são estudadas durante o curso, se existe mercado para este tipo de profissional na sua cidade", detalha a psicóloga. "E principalmente, o adolescente deve perguntar-se: ‘o que esta profissão tem a ver comigo? É isso que quero fazer todo dia, o dia todo?’", observa.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Muitos jovens ainda escolhem sua carreira pela remuneração que terão e isso, é claro, é uma preocupação necessária para a sobrevivência. Entretanto, o salário é um fator importante, mas não definitivo. "Não adianta o adolescente iniciar um curso imaginando que é uma profissão que traz muito retorno financeiro, se não tem a menor afinidade com o que está estudando. Provavelmente, ele vai ter dificuldades para fazer a faculdade e se conseguir se formar (pois a taxa de desistência em alguns cursos passa de 50%), talvez não tenha ânimo suficiente para atuar em uma área na qual não tem afinidade", alerta Gilvanise Vial.

Leia mais:

Imagem de destaque
Horóscopo

Veja o que setembro reserva para seu signo

Imagem de destaque
Eleições

Eleitor tem até 4 de maio para solicitar título; tire dúvidas sobre o documento

Imagem de destaque

Milagre é reconhecido, e Papa João Paulo I será beatificado

Imagem de destaque
Por assédio

Funcionária que denunciou presidente da CBF diz ter pensado que ia morrer


O papel doa pais

Publicidade


Os pais também têm um papel importante nessa escolha. É fundamental que eles orientem seu filho na pesquisa de informações sobre diferentes profissões e instituições, além de respeitar os interesses dele, para que possa optar pela profissão que realmente deseje seguir, independente de questões financeiras ou tradição de carreira na família. "Às vezes, o adolescente quer fazer um curso que não existe em sua cidade e também não tem condições de mudar de residência. Então, a solução é a escolha possível para o momento, e procurar um curso na sua cidade que tenha afinidade com aquilo que gostaria de fazer, ou começar a trabalhar para ter condições financeiras de mudar e cursar a faculdade pretendida", aponta a psicóloga.


A escolha profissional é um grande passo na vida de um indivíduo, pois irá refletir em oito horas diárias por cinco dias na semana, por isso, vale uma reflexão profunda. De acordo com a psicóloga, muitos adolescentes escolhem um curso por influência de amigos ou pais, e após terminarem a faculdade, ou trabalharem cinco ou seis anos em uma área com a qual não se identificam, acabam desmotivados, irritados, cansados, estressados e até deprimidos. "Isto acaba influenciando em outros setores da vida desta pessoa, por isso, a importância de uma escolha consciente da profissão", afirma Gilvanise Gulicz Vial.

Publicidade


Serviço


A Clínica Contato realiza o ciclo de atividades de orientação profissional "Em contato com as profissões", para estudantes da oitava série, ensino médio e vestibulandos. Serão cinco encontros, com palestras da psicóloga Gilvanise Gulicz Vial e a presença de 35 profissionais de diferentes áreas, que irão contar um pouco sobre o seu dia-a-dia e para tirar dúvidas dos participantes.

As inscrições são gratuitas e o ciclo acontece entre os dias 15 e 19 de junho, a partir das 13h30, na Clínica Contato – Rua Fernando Simas, 221. Mais informações pelo telefone (41) 3234-1616 ou www.clinicacontato.com.br.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade