Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Maternidade

Mortalidade materna de mulheres negras é o dobro da de brancas, mostra estudo da Saúde

- TV Brasil
Folhapress
23 nov 2023 às 13:29
Publicidade
Publicidade

Assim como outros indicadores de saúde, a mortalidade materna é maior em mulheres negras do que brancas, de acordo com levantamento do Ministério da Saúde.


Publicidade
Publicidade

Dados preliminares referentes a 2022 apontam que, enquanto o número de mortes maternas está em aproximadamente 46,5 mortes para cada 100 mil nascidos vivos para mulheres brancas, no caso das mulheres pretas, é mais que o dobro: 100,4 óbitos para cada 100 mil nascidos vivos. No caso das pardas, a incidência é de 50,4.

Leia mais:

Imagem de destaque
Vida

Abrir mão da maternidade pode ser ponto de partida para sonhos e ambições

Imagem de destaque
Saiba mais

No BBB, Wanessa Camargo diz ter passado por cirurgia de endometriose

Imagem de destaque
Filha de Stephen Baldwin

Aristocrata e filha de brasileira: quem é Hailey Bieber, 27, mulher de Justin Bieber

Imagem de destaque
"É libertador"

Decidi que estou muito bem e não quero ter filhos, diz Paolla Oliveira


Os dados são da Pesquisa Nascer no Brasil II: Inquérito Nacional sobre Aborto, Parto e Nascimento, realizada em parceria com a Fiocruz, que utiliza informações do SUS (Sistema Único de Saúde) e que apresenta um cenário aprofundado sobre nascimento e gestação, lançada nesta quinta-feira (23).

Publicidade


Para uma morte ser considerada materna, o óbito precisa ocorrer durante a gravidez, no parto ou em até 42 dias após o parto. Outro ponto é que a causa da morte precisa ter alguma relação ou ter sido agravada pela gestação.


O Brasil assumiu uma meta junto às Nações Unidas de redução para 30 mortes por 100 mil nascidos vivos até 2030. A reversão de quadros como esse depende da adoção de diferentes políticas públicas.

Publicidade


A Pesquisa Nascer no Brasil apresenta o conceito de razão de mortalidade materna (RMM) que é o número de óbitos, registrados em até 42 dias após o término da gravidez (atribuídos a causas ligadas à gestação, ao parto e ao puerpério) por 100 mil nascidos vivos.


Nos anos de 2020 e 2021, durante a pandemia da Covid, a diferença também foi significativa: em 2021, a RMM ficou em 194,8 no caso das mulheres negras (127,6 em 2020); 121 para brancas (64,8 em 2020) e 100 para pardas (68,8 em 2020).

Publicidade


Mas, considerando a série histórica e o recorte de mulheres pretas, é importante destacar que dados similares foram registrados em um período muito anterior à pandemia: em 2016, mulheres pretas somaram 119,4 mortes a cada 100 mil nascidos vivos contra 52,9 em brancas.


Nesta quinta, o governo inicia também um encontro para lançar um plano de trabalho para reduzir a mortalidade materna.


Segundo o assessor para Equidade Racial do Ministério da Saúde, Luís Eduardo Batista, o objetivo é envolver diversos setores para, ao final dos dois dias de evento, estruturar uma proposta de trabalho. "Pretendemos criar um plano com metas e ações que possam ser desenvolvidas pelo governo federal, pactuados entre profissionais da pasta da saúde, em diálogo com a sociedade civil, com os gestores de estados e municípios e também com movimentos de mulheres negras e de humanização do parto e nascimento", explica.


Durante o encontro, o Ministério da Saúde também lança a campanha "Racismo faz mal à saúde". A pauta será trabalhada nas redes sociais, com materiais em diversos formatos, em conscientização de que o racismo é um determinante social de saúde.


Imagem
Síndromes respiratórias são mais prejudiciais para a saúde de idosos e crianças
O Boletim Infogripe divulgado nesta quinta-feira (23) pela Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) reforça o alerta de que as SRAG causadas por vírus provocam maiores impactos na saúde de crianças e idosos brasileiros.
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade