Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Dados da Fiocruz

Mortalidade materna dobrou em 2021, durante pandemia da Covid, aponta estudo

Folhapress
29 abr 2024 às 10:35
- Pixabay
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A taxa de mortalidade materna mais que dobrou em 2021 em relação à tendência pré-pandemia da Covid, aponta estudo inédito da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), publicado nesta segunda-feira (29), na Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Leia mais:

Imagem de destaque
Proibido em 21 países

Saiba como é a legislação sobre aborto ao redor do mundo

Imagem de destaque
Vagas limitadas

Sanepar promove curso de hidráulica para mulheres neste sábado em Londrina

Imagem de destaque
Absurdo

Vítima de estupro que fizer aborto pode ter pena superior a do estuprador se PL for aprovado

Imagem de destaque
Foco no tempo de gravidez

Entenda o que muda com o PL que restringe o aborto legal em casos de estupro

O trabalho analisou o crescimento do número de mortes de mulheres grávidas e puérperas em 2020 e 2021, comparando com dados de mortalidade materna e de mulheres não grávidas em idade fértil de anos anteriores. Foram usados dados do SIM (Sistema de Informações sobre Mortalidade) dos óbitos maternos entre 2015 e 2021 e dados do Sistema de Informações da Vigilância Epidemiológica da Gripe (Sipev-Gripe).

Publicidade


Em todos os cenários, foi notado um excesso de mortes de grávidas e puérperas (3 mil mortes), mesmo considerando um aumento esperado devido à pandemia. Esse indicador seguiu uma tendência de aumento de 39% da mortalidade geral durante o período. O excesso foi calculado considerando a discrepância entre os óbitos observados e os esperados para 2021.


Em um segundo cenário, o excesso de mortalidade materna foi 51,8% superior ao excesso de mortalidade geral, em comparação com a tendência entre os anos de 2015 a 2019. A pesquisa buscou analisar os efeitos da pandemia sobre a mortalidade materna, considerando que esse é um marcador importante de desenvolvimento social.

Publicidade


Já o excesso de mortalidade materna, em 2021, foi superior em 57% em comparação à mortalidade materna em 2020, ano em que a pandemia teve início. Em um terceiro cenário, o excesso foi 83,7% superior em comparação à mortalidade de mulheres não grávidas no mesmo ano.


"A comparação com a mortalidade geral mostra que as grávidas e puérperas foram mais penalizadas pela Covid do que o resto da população e a diferença aumentou à medida que era pior a pandemia", diz o estudo.

Publicidade


Resultados ainda apontam que a Covid foi responsável por 60% das mortes maternas em 2021, e por 19% em 2020. Segundo o autor Raphael Guimarães, a pandemia limitou o acesso das mulheres aos cuidados pré-natais, parto e puerpério adequados, o que pode ter influenciado nos cenários encontrados.


A morte materna é aquela relacionada a complicações na gravidez e até 42 dias após o parto (puerpério).

Publicidade


A ONU (Organização das Nações Unidas) estabeleceu a intenção de que, até 2030, a mortalidade materna seja reduzida globalmente para menos de 70 mortes a cada 100 mil nascidos vivos.


Entre 2001 e 2018, a razão de mortalidade materna (RMM) nacional nunca ficou abaixo de 50,6 por 100 mil nascidos. Apesar disso, o país estabeleceu uma meta de redução de 30 mortes maternas a cada 100 mil nascidos vivos.

Publicidade


Em 2021, no entanto, esse indicador chegou a 110 mortes maternas por 100 mil nascidos no Brasil, um patamar semelhante à taxa na década de 1980, diz o estudo.


De acordo com os pesquisadores, a mortalidade materna tem relação direta com o acesso inadequado ao serviço de saúde, que, durante a pandemia, esteve sobrecarregado.

Publicidade


Estudos anteriores mostram ainda que gestantes com Covid apresentam maiores riscos para diversas complicações associados à doença se comparados aos de grávidas sem a infecção. Necessidade de ventilação e pneumonia são alguns exemplos dos problemas mais comuns nas gestantes com Covid.


Guimarães afirma que, nos países onde há acesso inadequado aos serviços de saúde durante a gravidez e o parto, a mortalidade materna é mais elevada. Dados anteriores já observaram que a morte materna é maior entre mulheres negras, naquelas que viviam em zonas rurais ou que precisavam se deslocar para outra cidade a fim de ter assistência médica.


Em 2022, a razão de mortalidade materna teve queda no Brasil e retornou ao patamar pré-crise, segundo dados divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).


Imagem
Família tutora fala em 'luta' após morte do cão Joca: 'Jamais iremos parar'
A família tutora do cão Joca, morto enquanto era transportado de avião pela Gol, na segunda-feira (22), publicou carta aberta nas redes sociais em homenagem ao animal e cita palavras como "luta e missão" a partir de agora.
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade