Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Histórico

TSE tem duas ministras negras na bancada do plenário pela primeira vez na história

Mariana Brasil - Folhapress
10 mai 2024 às 10:17
- Alejandro Zambrana/Secom/TSE
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) teve nesta quinta-feira (9), pela primeira vez, duas ministras negras na bancada do plenário.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Leia mais:

Imagem de destaque
Proibido em 21 países

Saiba como é a legislação sobre aborto ao redor do mundo

Imagem de destaque
Vagas limitadas

Sanepar promove curso de hidráulica para mulheres neste sábado em Londrina

Imagem de destaque
Absurdo

Vítima de estupro que fizer aborto pode ter pena superior a do estuprador se PL for aprovado

Imagem de destaque
Foco no tempo de gravidez

Entenda o que muda com o PL que restringe o aborto legal em casos de estupro

"Temos pela primeira vez na história do Tribunal Superior Eleitoral duas ministras negras na bancada", disse o presidente da corte, ministro Alexandre de Moraes, ao abrir a sessão dando destaque à presença das magistradas suplentes, Edilene Lôbo e Vera Lúcia Santana Araújo.

Publicidade


A sessão de julgamento teve ainda outro destaque por ter sido a quarta vez que o plenário contou com maioria feminina.


Em sua fala, Moraes destacou as passagens dos ministros negros Benedito Gonçalves e Joaquim Barbosa, ex-titulares no tribunal.

Publicidade


A ministra Edilene Lôbo foi a primeira mulher negra a assumir uma cadeira na corte eleitoral, em setembro de 2023. Já Vera Lúcia foi nomeada em dezembro do mesmo ano.


"A bancada de julgamento de hoje realça que é crucial a superação da desigualdade de gênero e de raça nos espaços decisórios no Brasil. Vejo que uma sociedade assentada na desigualdade não tem um futuro próspero", disse Edilene.

Publicidade


Ambas são suplentes da corte. Com a ausência de dois titulares, foi possível ter a presença das duas na sessão.


Para a ministra Vera Lúcia, o registro da sessão histórica deve "renovar os compromissos com a cidadania e com a promoção da dignidade da pessoa humana como pressupostos garantidores de que sejamos, efetivamente, um Estado democrático de Direito".

Publicidade


Também presente na sessão, a ministra Cármen Lúcia, futura presidente do TSE, falou sobre a disparidade entre homens e mulheres em cargos de poder e da sub-representatividade a grupos como a população negra.


"Nós temos a maioria da população de mulheres e a maioria da população brasileira é negra. A representação nos espaços de poder é diminuta se for levado em consideração esse dado, que revela apenas uma estrutura de organização social e de organização de poder que nos coloca numa posição de desprestígio, desvalor e até mesmo de impossibilidade real de igualdade entre mulheres e homens para participar e contribuir", disse.

Publicidade


O ministro Alexandre de Moraes destacou a importância da participação das mulheres e da população negra na Justiça eleitoral e classificou o fato como um avanço para os tribunais.


CONHEÇA AS MINISTRAS

Publicidade


Edilene Lôbo é doutora em direito processual civil pela PUC-Minas. Atualmente, Lôbo é professora convidada da Universidade de Sorbonne (França), onde leciona sobre democracia, direitos políticos, eleições e milícias digitais na América Latina.


Após sua posse em 2023, a ministra afirmou que a chegada de uma mulher negra ao TSE, era um caminho para permitir que se pense, se reflita e se busque a inclusão de meninas e mulheres nos espaços de poder.


"Primeiro, contribuir com minha experiência como estudiosa, professora do direito eleitoral, do direito administrativo, do direito partidário. E, mais que isso, poder, nesta corte, trazer a diversidade brasileira para compor esta jurisdição tão importante. Então, é um trabalho duplo: contribuir com a função jurisdicional, mas inspirar meninas e mulheres que, como eu, possam ocupar esses espaços públicos", disse, à época.



Vera Lúcia tem mais de 30 anos de atuação e já atuou no Conselho Penitenciário do Distrito Federal e na Comissão Nacional de Direitos Humanos da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil).


Já exerceu os cargos de diretora da FCP (Fundação Cultural Palmares), diretora-presidente da Funap (Fundação de Amparo ao Trabalhador Preso do Distrito Federal) e secretária-adjunta de Políticas para a Igualdade Racial do Distrito Federal. Atualmente, compõe o Conselho Econômico e Social da Presidência da República e integra a Executiva Nacional da ABJD (Associação Brasileira de Juristas pela Democracia).



Em nove décadas de Justiça Eleitoral, 12 mulheres integraram o plenário do TSE como ministras efetivas ou substitutas: Ellen Gracie, Eliana Calmon, Nancy Andrighi, Cármen Lúcia, Laurita Vaz, Maria Thereza de Assis Moura, Rosa Weber, Luciana Lóssio, Maria Cláudia Bucchianeri Pinheiro, Maria Isabel Gallotti Rodrigues, Edilene Lôbo e Vera Lúcia Santana Araújo.


Imagem
Relator libera processos que podem levar Moro à cassação para julgamento no TSE
O ministro Floriano de Azevedo Marques, do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), liberou para julgamento o processo que pode levar o senador Sergio Moro (União Brasil-PR) à perda do mandato.
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade