Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Entenda

Animal de estimação: o que as crianças precisam saber antes de ter um

Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
13 jul 2023 às 22:00
- Matheus Bertelli/Pexels
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

“Posso ter um cachorrinho?” Essa é uma daquelas perguntas que muitos pais respondem diariamente, principalmente os que têm filhos pequenos. De acordo com pesquisa do Instituto Pet Brasil, que anualmente promove o Censo Pet IPB, em 2021 havia 149,6 milhões de animais de estimação no país, o que representa aumento de 3,7% em relação ao ano anterior. Os cães são os mais procurados, com 58,1 milhões, seguido das aves canoras, com 41 milhões. Os gatos estão em terceiro lugar, porém, são os que apresentaram maior crescimento nos lares nos últimos anos.


Segundo a professora Josiane Oliveira, do Colégio Positivo, em Curitiba, entre as crianças, os cães e gatos são os preferidos, mas não são as únicas opções disponíveis. "Existem chinchilas, pássaros, peixes, coelhos e tartarugas, por exemplo. Por isso, é importante levar em consideração o gosto e o perfil da criança”, comenta.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Para Oliveira, os benefícios que o convívio com um animal de estimação trazem são inquestionáveis, porém é importante olhar alguns pontos antes de levar um para casa. “Inicialmente, é dever dos pais explicar para a criança que o pet não é um brinquedo e, por isso, não deve ser entregue à criança como um ‘presente’ ou ‘objeto’. Isso pode trazer a falsa sensação de que o animal é facilmente descartável ou substituível”, destaca.

Leia mais:

Imagem de destaque
Entenda

'Quadro psicótico', diz Vanessa Lopes ao falar sobre o que a fez sair do BBB

Imagem de destaque
Eleições 2024

Justiça Eleitoral está preparada para combater fake news, afirma juíza de Londrina

Imagem de destaque
Alerta

Idosos e crianças fazem parte dos grupos de risco para dengue grave

Imagem de destaque
Treta

Polícia indicia mulher, amante e cúmplice por falso sequestro no Paraná


Para fazer uma escolha coerente e que não prejudique a família e o animal, é interessante levar em consideração alguns questionamentos:

Publicidade


Em qual espaço da casa o animal ficará?

Existem pessoas dispostas a cuidar?

Publicidade

Como será a divisão quanto aos cuidados?

Qual é o tempo de vida do animal?

Publicidade

Quais são as necessidades vitais do pet escolhido?

Quem cuidará do animal quando a família for passear ou viajar?

Publicidade


Além disso, deve-ser explicar para a criança que, assim como os humanos, os animais também têm necessidades. “É necessário que a criança entenda que o animal não chegará à residência para suprir as suas expectativas. Ele pode demorar para se adaptar ou sujar e estragar itens. No entanto, ainda assim, não poderá ser devolvido ou maltratado”, pontua.


Alimentação, higiene e limpeza

Publicidade


É aconselhável que a família prepare o espaço e faça combinados antes da chegada do animal. “Alimentação, higiene e limpeza do local são pontos importantes, e é papel dos pais explicar, em detalhes, como funcionarão os passeios, às idas ao pet shop e quais são as obrigações de cada um na casa”, conclui.


Benefícios


Ainda que o bicho de estimação mude a rotina da família, o convívio traz inúmeros benefícios para a vida de uma criança. Entre eles, aprendizados sobre respeito e cuidado com os animais; ensina a aceitar melhor os imprevistos; leva à compreensão que as obrigações mudam com o passar do tempo; e ensina também a dividir comida, carinho e brinquedos.


Imagem
Hospital Veterinário de Londrina recupera cachorra condenada à morte por fenda palatina
A cachorrinha Mabel, da raça Dogo Argentino, foi salva pela equipe do Hospital Veterinário da UniFil , de Londrina, após cirurgia de alta complexidade para correção de fenda palatina grave e lábio leporino.
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade