Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Alerta

Crimes sexuais contra crianças e adolescentes crescem 15% no Brasil

Redação Bonde com Agência Brasil
21 jul 2023 às 10:49
- Pixabay
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O número de MVI (mortes violentas intencionais) de crianças e adolescentes registrou queda no Brasil no ano passado. Entretanto, os crimes sexuais contra essa faixa etária tiveram alta superior a 15%. Segundo os dados do Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2023, do FBSP (Fórum Brasileiro de Segurança Pública), divulgado na quarta-feira (20), o número desse tipo de morte de crianças e adolescentes no país foi de 2.556, em 2021, para 2.489 em 2022, menos 2,6%. Já os estupros subiram 15,3% e exploração sexual, 16,4%. 


O FBSPA considera mortes violentas intencionais as causadas por homicídio, feminicídio, latrocínio, lesão corporal seguida de morte e morte decorrente de intervenção policial. 

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Das 2.489 crianças e adolescentes vítimas de mortes violentas intencionais no ano passado, 2.011 foram alvos de homicídio doloso (80,7%); 75 de feminicídio (3%); 20 de latrocínio (0,8%); 22 de lesão corporal seguida de morte (0,8%); e 361 de morte decorrente de intervenção policial (14,5%). 

Leia mais:

Imagem de destaque
Entenda

'Quadro psicótico', diz Vanessa Lopes ao falar sobre o que a fez sair do BBB

Imagem de destaque
Eleições 2024

Justiça Eleitoral está preparada para combater fake news, afirma juíza de Londrina

Imagem de destaque
Alerta

Idosos e crianças fazem parte dos grupos de risco para dengue grave

Imagem de destaque
Treta

Polícia indicia mulher, amante e cúmplice por falso sequestro no Paraná


O anuário mostra que, entre as vítimas de zero a 11 anos em 2022, 45,9% eram do sexo feminino e 54,1% do masculino. Essas mortes, conforme o FBSP, foram decorrentes, sobretudo, da violência doméstica e intrafamiliar. Já entre as vítimas de 12 a 17 anos, 89,7% eram do sexo masculino e apenas 10,3%, do sexo feminino.  

Publicidade


“O gênero como um fator de risco para os meninos, portanto, só se impõe entre os adolescentes quando as mortes ocorrem prioritariamente como consequência da violência urbana”, aponta o anuário. 


Os dados - referentes a 2022 –demonstram ainda, que 67,1% das vítimas de zero a 11 anos eram negras, e 85,1% de 12 a 17 anos, “evidenciando que a desigualdade racial é parte estruturante da problemática das mortes violentas no país e que se acentua na medida em que os anos passam na vida do sujeito”.  

Publicidade


De acordo com o anuário, as armas de fogo foram os principais instrumentos do crime contra crianças e adolescentes em 2022: foram causadoras de 55,8% das mortes de crianças de zero a 11 anos, e de 90,8% das mortes de adolescentes jovens de 12 a 17 anos.  

 

Publicidade

Crimes sexuais


Se as mortes violentas intencionais de crianças e adolescentes apresentaram queda de 2,6%, os crimes sexuais registraram alta: os estupros saltaram de 45.076 em 2021 para 51.971 em 2022, elevação de 15,3%.

Publicidade


Por faixa etária, foram quase 41 mil vítimas de zero a 13 anos, das quais quase sete mil tinham entre zero e quatro anos; mais de 11 mil entre 5 e 9 anos; mais de 22 mil entre 10 e 13 anos; e mais de 11 mil entre 14 e 17 anos.


As vítimas negras (pretas e pardas) foram a maior parte em quase todas as idades, principalmente na faixa etária dos 11 aos 14 anos, em que representam aproximadamente 59% do total. 

Publicidade


A exploração sexual também aumentou, de 764 casos registrados em 2021 para 889 em 2022, uma elevação de 16,4%. E os casos de pornografia infanto-juvenil cresceram de 1.523 casos em 2021 para 1.630 em 2022, um crescimento de 7%.  


Outros crimes não letais contra crianças e adolescentes tiveram expansão: abandono de incapaz cresceu de 8.197 casos em 2021 para 9.348 em 2022, salto de 14%; ocorrências de maus tratos subiram de 19.799 casos (2021) para 22.527 (2022), alta de 13,8%; e lesão corporal em violência doméstica teve elevação de 14.856 casos (2021) para 15.370 (2022), aumento de 3,5%. 

Publicidade


Internações 


Os dados do anuário do FBSP 2023 colocam ainda que o número de adolescentes cumprindo medida socioeducativa em meio fechado no país segue caindo: em 2022, eram 12.154 nessa condição, 6,3% a menos que em 2021. Em 2020 eram 14.944; em 2019, 22.031; e em 2018, 24.510. 


“Esse movimento já vem sendo indicado por pesquisadores, ativistas e servidores da área, mas ainda não possui causas explícitas comprovadas, apesar de estar ocorrendo um esforço contínuo desses atores em apresentar explicações para o fenômeno”, destaca o texto do anuário. 


Entre as hipóteses apontadas pelo FBSP, estão a queda nos registros de roubos, um dos atos infracionais de maior incidência nas medidas privativas de liberdade; a diminuição do número de apreensão de adolescentes pelas forças policiais nos estados do São Paulo e Rio de Janeiro; e a decisão da justiça que determinou que as unidades onde os menores cumprem as medidas socioeducativas não ultrapassem a capacidade de lotação.  


“A queda do número de internações em patamares tão elevados implica em um cenário de maiores possibilidades para a melhoria do sistema, com o aproveitamento dos recursos humanos e físicos não tão sobrecarregados e com maior capacidade para a efetivação dos direitos previstos na Constituição Federal”, comenta o anuário.  


“Enquanto as pesquisas que buscam as causas explicativas para o fenômeno estão em andamento, abre-se uma janela de oportunidade para que a gestão do atendimento socioeducativo se modernize para que os profissionais sejam mais valorizados, para que os recursos humanos e físicos sejam modernizados”, finaliza.


Imagem
Paraná registra aumento de mortes violentas intencionais no ano passado; Brasil registra redução
O Paraná registrou aumento nos casos de mortes violentas intencionais (MVI) no ano passado. Foram 2.404 casos dessa natureza em 2021 e 2.595, em 2022
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade