19/06/21
PUBLICIDADE
Atenção

Excesso de trabalho eleva em 35% risco de derrame, indica estudo da OMS

Pixabay
Pixabay


Trabalhar demais pode matar, alertou nesta segunda a OMS (Organização Mundial da Saúde) ao divulgar os resultados de sua primeira análise global da perda de vidas e saúde associadas a longas jornadas de trabalho, feita em parceria com a OIT (Organização Internacional do Trabalho).

Com base em duas revisões sistemáticas e meta-análises de mais de 2.300 pesquisas em 154 países, o estudo concluiu que jornadas exaustivas (a partir de 55 horas semanais) provocaram a morte de 745 mil pessoas por doenças cardíacas ou acidentes vasculares cerebrais (AVC), em 2016 (dados mais recentes).

O estudo calcula que trabalhar 55 ou mais horas por semana está associado a um risco estimado 35% maior de um acidente vascular cerebral e um risco 17% maior de morrer de doença cardíaca isquêmica, em comparação com trabalhar 35-40 horas por semana.

Além disso, o número de pessoas trabalhando longas horas está aumentando e atualmente é de 9% da população total no mundo, segundo a OMS. Essa tendência coloca ainda mais pessoas em risco de invalidez relacionada ao trabalho e morte precoce.

O resultado deve acender um sinal amarelo durante a pandemia, afirmou o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus: "O teletrabalho tornou-se a norma em muitos setores, muitas vezes confundindo as fronteiras entre casa e trabalho. Além disso, empresas foram forçadas a cortar, e os que ficaram acabam trabalhando mais".

O diretor da OMS pediu que governos, empregadores e funcionários entrem em acordo sobre limites, para proteger a saúde. "Nenhum trabalho compensa o risco de derrame ou doença cardíaca."

"Trabalhar 55 horas ou mais por semana é um sério risco para a saúde e pode levar à morte prematura", acrescentou Maria Neira, diretora do Departamento de Meio Ambiente, Mudanças Climáticas e Saúde da OMS. A advertência se junta a conclusões de economistas de que o excesso de trabalho também reduz a produtividade, entre outros efeitos.

De acordo com o estudo recém-divulgado pelas entidades, o peso das doenças relacionadas ao trabalho foi significativamente maior entre os homens (72% das mortes) e em pessoas com idade entre 60-79 anos, que cumpriram as jornadas excessivas entre as idades de 45 e 74 anos.

O problema também é mais sério em países asiáticos. No Japão, existe até uma palavra específica para "morte por excesso de trabalho": karoshi. Uma pesquisa de 2016 indicou que mais de 20% dos japoneses faziam mais de 20 horas extras de trabalho por semana. Em 2017, o governo identificou no país 236 karoshis e lançou uma campanha para tentar convencer os japoneses a trabalhar menos.

"É preciso ressaltar que não é bonito ficar muitas horas no escritório", disse em entrevista à reportagem a governadora de Tóquio, Yoriko Koike, que também lançou uma campanha para tentar reverter a tendência, fortemente consolidada na cultura empresarial japonesa.

A China também registra óbitos por trabalho excessivo, chamados de "guolaosi". De acordo com a BBC, eles chegam a 600 mil por ano, num país com 1,4 bilhão de habitantes.

De acordo com a OMS, o excesso de trabalho é responsável por cerca de um terço da carga total de doenças relacionadas ao trabalho e o principal fator de risco de doenças ocupacionais.

O estudo cobriu os níveis global, regional e nacional, com mais de 839 mil participantes de experimentos sobre problemas cardíacos e mais de 768 mil participantes de pesquisas sobre derrames no período de 1970 a 2018.

No levantamento, feito em conjunto com a Organização Internacional do Trabalho (OIT), foram estimadas 398 mil mortes por AVC e 347 mil por doenças cardíacas, como resultado de jornadas que extrapolaram 54 horas semanais. Entre 2000 e 2016, o número que mais se ampliou foi o de mortes por doenças cardíacas (42%). As provocadas por AVCs cresceram 19%.
Folhapress
PUBLICIDADE
Continue lendo
Higiene e diversão

Quatro dicas para transformar o banho das crianças em um momento divertido

19 JUN 2021 às 10h01
Folha Entrevista

Eleições e as manifestações pró e contra o governo Bolsonaro

19 JUN 2021 às 08h00
Anote essas dicas

Como escolher seus incensos: tipos, fragrâncias e propriedades

19 JUN 2021 às 06h00
Aprenda já!

Saldo positivo: uma maneira simples e eficaz de organizar as finanças

19 JUN 2021 às 00h00
Doses remanescentes da vacina

Jovens enfrentam até três horas de fila para tentar xepa de vacina contra Covid em SP

18 JUN 2021 às 17h50
Sistema de cotas

Homem com vitiligo na Bahia tenta provar que é pardo para se manter em curso de medicina

18 JUN 2021 às 17h43
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados