Pesquisar

Canais

Serviços

Pixabay
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Especialista analisa

Telas em excesso podem trazer problemas de socialização e concentração às crianças

Tamiris Anunciação/Especial para a Folha de Londrina
07 dez 2021 às 08:48
Continua depois da publicidade

Apenas um clique e é possível ter acesso a milhares de informações e recursos que crescem diariamente. O celular tem se tornado cada dia menos uma ferramenta de comunicação, para ocupar o posto de ferramenta indispensável de trabalho, entretenimento e de realização de tarefas diárias. 

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


O problema é como lidar com toda essa tecnologia em excesso na vida das crianças, quando nem mesmo os adultos encontraram um limite saudável para o uso dos eletrônicos. 

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade


Os dados de diferentes pesquisas preocupam especialistas, de acordo com uma pesquisa da revista americana "Sleep", feita com crianças de até 8 anos, cerca de 50% delas acordam pelo menos uma vez à noite para olhar as redes sociais


Um outro estudo realizado no Brasil pela pesquisa "Consulta Brasil: o que as crianças e adolescentes têm a dizer sobre o uso das tecnologias da informação e comunicação (TIC)", uma iniciativa da Secretaria Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente, do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, revelou que entre 6,3 mil relatos de crianças e adolescentes entre 9 e 17 anos do país,  86% usam a internet diariamente e 80% acessam pelo menos  uma vez ao dia. 


Para o psicólogo pós-graduado em desafios da contemporaneidade e psicanálise, Gustavo Chagas, o primeiro passo para reeducar crianças é refletir sobre que uso os adultos estão fazendo da tecnologia. 

Continua depois da publicidade


“Nós somos os modelos. A grande diferença entre os impactos na vida de um adulto e na vida de uma criança é que crianças são seres em desenvolvimento, tanto corporal, físico, como mental e psicologicamente. Por isso os impactos, com certeza, são mais sérios. E se não nos desenvolvermos adequadamente nesse sentido, que adultos essas crianças serão?”, destaca o especialista. 


Leia mais na Folha de Londrina.

Continue lendo