Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Apropriação de personagens

Xuxa é condenada a pagar R$ 65 milhões por suposto plágio

Folhapress
12 jan 2023 às 09:14
- Reprodução/ Youtube
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Em segunda instância, a apresentadora Xuxa, 59, foi condenada pela Justiça a pagar cerca de R$ 65 milhões a um publicitário que a acusa de um suposto plágio. 


Segundo o processo, ela teria copiado personagens do projeto dele, Turma do Cabralzinho, que celebrava os 500 anos do descobrimento do Brasil, para criar a Turma da Xuxinha descobrindo o Brasil. A informação havia sido publicada pelo colunista Ancelmo Gois e confirmada pela Folha de S.Paulo.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Segundo informações do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, os cálculos consideraram a tiragem da revista e a reprodução das imagens em produtos. A ação ainda cabe recurso. Procurada, Xuxa, por meio de sua assessoria, disse que não vai comentar.

Leia mais:

Imagem de destaque
'Gnomo eternizado'

Rodriguinho faz homenagem ao BBB 24 com nova tatuagem

Imagem de destaque
Em São Paulo

Faustão recebe alta de hospital após quase dois meses internado

Imagem de destaque
Após separação

Ana Hickmann afirma que teve medo de assumir namoro com Edu Guedes

Imagem de destaque
'Existe uma vida real'

'Sou uma pessoa de verdade', diz Camila após confrontar Buda no Mais Você


Uma das maiores reclamações do autor é que Xuxa se apropriou dos personagens e que eles foram licenciados para que reverberassem em outras linhas de produtos, o que teria gerado mais ganhos para ela. Ainda conforme o processo, caso não haja acordo para pagamento, os bens da apresentadora poderão ser penhorados.

Publicidade


Entenda o caso


O caso perdura desde o início dos anos 2000, mas em 2012, a apresentadora Xuxa já havia sido condenada em primeira instância a indenizar o autor da Turma do Cabralzinho, Leonardo Soltz, em R$ 50 mil por plágio.
Segundo a sentença, os personagens do desenho animado Turma da Xuxinha foram copiados da série criada pelo publicitário mineiro, que conta a história do descobrimento do Brasil.


As cópias teriam ocorrido no conjunto de características que compõem o produto Turma do Cabralzinho, que incluía cor, forma dos personagens, palavra (Cabral), roupas dos personagens, tamanhos dos personagens, dentre outras coincidências.


Com base nessas semelhanças, Leonardo Soltz decidiu entrar na Justiça contra a empresa Xuxa Promoções e Produções Artísticas sob a acusação de violação aos direitos do autor e uso indevido de marca.

Publicidade

Últimas notícias

Publicidade