05/08/20
25º/13ºLONDRINA
PUBLICIDADE
Épico

Organizada por Adriana Calcanhotto, antologia tem poemas de jovens escritores

Antologias lançadas com barulho por grandes editoras muitas vezes se tornam motivo de discussão nos bares e rodas literárias no Brasil, e com 'É Agora Como Nunca: Antologia Incompleta da Poesia Contemporânea Brasileira', que a Companhia das Letras lança nesta semana, não é diferente. O livro foi organizado por Adriana Calcanhotto.

A antologia reúne 41 poetas nascidos depois de 1970, dos quais 23 homens e 18 mulheres - alguns poucos poemas são inéditos, mas a maioria já foi publicada em editoras de tamanhos variados. A antologista diz que a reunião é "incompleta e totalmente pessoal, intransferível, autoral, ou o contrário", e a própria palavra "incompleta" do título parece pretender criar uma proteção e uma vontade de não polemizar. Mas falando de uma antologia como essa em um momento em que intelectuais e políticos estão em pé de guerra, é inevitável.


Um dos traços em comum observados entre os poemas é uma espécie de lirismo intimista, dificilmente relacionada a acontecimentos sociais na camada mais aparente, por exemplo. "Não encontrei uma poesia muito, digamos, 'engajada' ou panfletária. Me parece bem mais uma poesia introspectiva", diz Calcanhotto, por e-mail, de Coimbra, onde está dando aulas na universidade. "Agora, as coisas estão se dando com uma rapidez no Brasil, que quando fechei o livro, em outubro do ano passado, o pano de fundo era outro, parece que passaram alguns anos e parece que podemos dizer que aquilo eram ainda bons tempos perto de tudo ao que estamos assistindo agora, atônitos."

A preferência pelo verso livre e por uma urgência da comunicação - talvez relacionada à velocidade da web - são outros traços apontados pela antologista. "Alguns assuntos são tratados de maneira mais inusitada mas não deixam no fundo de ser os mesmos assuntos de toda a poesia de todos os tempos, como não poderia deixar de ser."

Um dos nomes mais conhecidos da seleção, Fabiano Calixto (1973) aponta que a boa poesia contemporânea - para ele, "na cena", fora das grandes editoras - está sim dando conta do contemporâneo, "no que é possível dentro dessa clara impossibilidade".

"Há muita poesia ruim", diz Calixto. "Coisa que nem poesia é, mas o pessoal confunde. Muito texto moralizante, textos de autoajuda cortados em linhas. É constrangedor. Mas quando o assunto é poesia de hoje, penso nesse conjunto de ótimos poemas feito em meu tempo, digo: a boa poesia feita hoje no Brasil é porrada."

A poeta e tradutora Marília Garcia (1979), que também está na antologia, acredita que uma escrita pode ser "intimista" de muitas maneiras, e mesmo assim tocar o político. "O material da escrita é a língua, é a linguagem (que vem a ser o mesmo material da política) e toda escrita pode ser política se houver um tipo de trabalho sobre a linguagem", analisa. "Quais os sentidos um poema pode produzir, como pode o poema criar um espaço de respiração para pensarmos o que acontece, como os recursos da linguagem podem criar ou calar ou inventar outras formas de ver o mundo - acho que essas são algumas perguntas que apontam para a dimensão que a escrita possui."

Ela cita, como exemplo, outra poeta que também está na seleção de Calcanhotto, Angélica Freitas (1973). "Seus dois livros tem uma voltagem ‘poética’ que é altamente ‘política’: os poemas trabalham com a linguagem e com os discursos, são bastante irônicos e críticos e humorados; e os momentos mais ‘intimistas’, com tom mais autoderrisório, são de uma força que nos levam a voltar o olhar para nós mesmos e para o absurdo do que vivemos."

A poeta e artista visual Bruna Beber (1984) - que também tem poemas no livro - afirma que vê nos poetas de hoje uma vontade de reação: "sinto nos poetas (e não só) hoje o que acredito que tenha sido sentido nos grandes baixos da história: sair da dormência, reagir seriamente ao momento em que vivemos - que é aterrador para qualquer lado que se olhe - sinto essa urgência já há muito atrasada, essa vontade de resposta, de grito, de luta, de fazer qualquer coisa que nos oriente em meio a esse cenário político vergonhoso."

Para Calcanhotto, a relação da poesia com o contemporâneo é "mais desencanada, menos ligada ao sublime, menos cerimoniosa, menos preocupada em fazer sentido, menos preocupada de modo geral". E, ao mesmo tempo, "um pouco menos esperançosa".

A cantora e compositora, que já organizou outras antologias, está em residência artística na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra até junho, e vai dar uma série de aulas, oficinas e palestras - com sentimentos sobre o Brasil: "À noite vejo as notícias do Brasil e às vezes choro, de tristeza e impotência."
Agência Estado
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
Falou tudo
Claudia Raia revela que primeiro beijo foi com mulher
05 AGO 2020 às 10h45
Trapalhada
Câmera flagra turista quebrando dedos de estátua centenária na Itália
05 AGO 2020 às 09h39
Aluguel caro
Disney vai lançar 'Mulan' direto no streaming, mas cobrando taxa
05 AGO 2020 às 09h23
Sem alianças
Em meio a boatos sobre crise, Ivete Sangalo beija marido em live
05 AGO 2020 às 08h44
Crise
Kim Kardashian leva pastor em viagem para salvar casamento com Kanye West
05 AGO 2020 às 08h33
Stephenie Meyer
'Sol da meia-noite', continuação da Saga Crepúsculo, é lançado nesta terça
04 AGO 2020 às 19h32
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados