Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Foi exilado por 5 anos

Como Geraldo Vandré, opositor da ditadura, virou amigo de militares

Folhapress
27 jun 2023 às 16:21
- Reprodução/ Instagram
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Famoso pelo cancioneiro de protesto contra a ditadura militar, o cantor e compositor Geraldo Vandré, de 88 anos, acabou se aproximando dos militares ao longo dos anos. O artista passou a frequentar quartéis e se tornou fiel amigo e admirador das Forças Armadas.


Ele abandonou os palcos e renunciou à carreira artística depois de retornar para o Brasil em 1973, após cinco anos de exílio. Desde então foi envolvido em uma nuvem de mistério e curiosidade sobre os motivos de sua radical mudança de comportamento.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Diziam que na sua volta ele havia sido torturado pela ditadura para trocar de lado, sofrido lavagem cerebral para deixar para trás o cancioneiro de protesto e se orientar para assuntos mais líricos e distantes da realidade e da política.

Leia mais:

Imagem de destaque
Turnê 'Meu Coco'

Caetano Veloso anuncia última turnê internacional de sua carreira

Imagem de destaque
Novas versões

Além de Claudia Leitte, veja outros cantores que alteraram letras por religião

Imagem de destaque
Depois de sete anos

Shakira anuncia álbum após hit em que alfineta Piqué

Imagem de destaque
Feat com Ludmilla

'Macetando', música de Ivete Sangalo, bomba em números e se consolida como hit do Carnaval


Ele negou a tortura, mas nunca explicou a sua conversão de bardo subversivo, autor da clássica "Pra Não Dizer que Não Falei das Flores", em admirador das Forças Armadas, em especial da Força Aérea Brasileira, a FAB, para a qual compôs a música "Fabiana".


Em 1982 fez uma apresentação no Paraguai a convite da Itaipu Binacional vestindo roupas militares e coturno.


Em entrevista à Folha de S.Paulo, o artista disse que a aproximação começou quando ele pretendia tirar um brevê e fez um exame de saúde no Hospital da Aeronáutica. "Fui para isso e terminei fazendo amizades com o pessoal do hospital e frequentando rotineiramente o local", afirma. Acabou nunca tirando o documento.

Publicidade

Últimas notícias

Publicidade