06/08/20
26º/13ºLONDRINA
PUBLICIDADE
'Conversa com Bial'

Bonner fala sobre ataques e intimidações em entrevista

O jornalista William Bonner disse na madrugada desta quarta-feira (27), em entrevista ao programa Conversa com Bial, que a suspeita sobre a utilização indevida do CPF de seu filho Vinícius, 22, para pedir o auxílio emergencial de R$ 600 ao governo federal teve o objetivo de "encurralar" ele e a ex-mulher, a apresentadora Fátima Bernardes e, dessa forma, atingir a TV Globo.

Reprodução / TV Globo
Reprodução / TV Globo


A Globo informou nesta terça-feira (26) por meio de nota que Bonner tem sofrido uma campanha de intimidação. O editor-chefe e apresentador do Jornal Nacional contou que o filho é alvo de estelionato há três anos, desde que sofreu um acidente de carro. Um bombeiro teria divulgado a carteira de habilitação do jovem na internet e desde então a família precisa contar com a atuação de advogados para desfazer golpes.

A fraude mais recente foi a tentativa de vincular o nome do filho de Bonner e Fátima Bernardes a um pedido de auxílio emergencial. O jornalista foi informado que um jornal do Rio preparava reportagem sobre o assunto e, por meio de advogados, mostrou ao veículo as provas de que era um golpe e alertou a Caixa Federal para não fazer o pagamento. A reportagem não foi publicada.

Mesmo sem nada ter sido divulgado, segundo ele, o filho começou a receber insultos pelas redes sociais. Bonner então fez um desabafo em público e, a partir disso, afirma que começaram a acontecer "coisas estranhas".

"Circularam vídeos que o acusavam de ter feito o pedido e recebido. E cobravam isso do pai e da mãe. De William e de Fátima. E dele", disse durante a entrevista a Pedro Bial. Para Bonner, o material estava pronto para ser divulgado nas redes sociais antes mesmo dele fazer o desabafo.

"Quem em meio a uma pandemia, com milhares de mortes, teria a ideia, do nada, de entrar no site do Ministério da Cidadania ou do Dataprev e verificar se o filho do William Bonner tentou se inscrever para receber os R$ 600?", questionou. "Esse é o tempo que estamos vivendo hoje, mas vamos em frente"

Para Bial, ficou evidente o caráter doloso do que aconteceu. Com a voz embargada, Bonner contou que a polarização política faz com que ele evite frequentar lugares públicos desde as eleições presidenciais de 2018. A tentativa é de evitar ataques e agressões verbais.

Um episódio ocorrido em uma padaria na Lagoa, região nobre do Rio, foi citado como marcante pelo jornalista.
Segundo ele, uma mulher embriagada às 10h disparou insultos contra ele a uma curta distância, o que provocou grande constrangimento no ambiente.

"Eu, no meu constrangimento, querendo me livrar de uma situação em que estava sendo insultado, me senti culpado por estar estragando o dia de outras pessoas", lembrou.

A decisão de evitar viagens de avião foi tomada antes, em 2016, quando passou um ano indo de carro do Rio a São Paulo para visitar o pai doente nos finais de semana. A mesma situação foi vivida em 2018, quando quem estava doente era a mãe.

Ex-frequentador do Twitter, o jornalista disse ter visto a intolerância ganhar força nas redes sociais e depois extrapolar para as ruas. "O que era diversão foi se transformando em campo de batalha", afirmou. "A gente vai para as ruas e assiste essa mesma incivilidade. A cada eleição vai piorando".

Hoje, além de ser mais recluso, ele evita as redes sociais, que utiliza apenas profissionalmente ou em episódios como o do golpe com o documento do filho. O jornalista comentou também a insegurança vivida por jornalistas que cobriam diariamente a rotina do presidente Jair Bolsonaro em frente ao Palácio do Alvorada. Ele disse ter a sensação de que foi criada uma situação para dificultar o trabalho da imprensa.

A Folha de S.Paulo decidiu suspender a cobertura jornalística na porta do Palácio da Alvorada temporariamente até que o Palácio do Planalto garanta a segurança dos profissionais de imprensa. O Grupo Globo tomou a mesma decisão.

Ainda na entrevista, Bonner falou sobre a cobertura da pandemia do novo coronavírus como a mais dramática de sua carreira jornalística. Até mesmo o tom de sua narração mudou diante da tragédia. "Estou me permitindo respirar. Estou respirando na minha necessidade de respirar", disse.

Para o jornalista, a situação é avassaladora, o que inclui o perigo dos negacionistas que têm o poder da comunicação direta e divulgam fake news para enganar a população. Sem citar nomes, Bonner definiu como "maldade humana" a atitude de uma pessoa que inventa informações como a de que um medicamento teria o poder de salvar pessoas.

"O que é isso, senão maldade?"
Folhapress
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Conteúdo relacionado:
'Lente de aumento'
É assustador, agora tudo o que você fala é uma opinião, diz Babu Santana
Entenda
Leo Dias diz que está recebendo apoio de Andressa Urach
Polêmica
Ludmilla diz que vai se ausentar das redes sociais após polêmica
Continue lendo
Mãe de primeira viagem
Grávida da primeira filha, Nathalia Dill diz que sente muita vontade de carboidrato
06 AGO 2020 às 15h28
Jornalistas
Ana Paula Renault e Britto Jr. trocam farpas após ele opinar sobre A Fazenda
06 AGO 2020 às 14h32
Estreia no streming
Scooby-Doo encontra personagens clássicos em novo filme de animação
06 AGO 2020 às 10h46
Apagão
Sem 'Chaves' na TV, fãs tiram DVDs das gavetas para ver seriado
06 AGO 2020 às 09h47
Finalmente
Whindersson reclama de nunca receber um 'oi' de Gisele, e ela responde
06 AGO 2020 às 09h33
Luto
Ator Gésio Amadeu morre aos 73 anos após mais de um mês internado com Covid-19
06 AGO 2020 às 08h45
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados