26/05/20
º/º
PUBLICIDADE
|
Jornalismo em alta

Cobertura da pandemia eleva audiência das manhãs da Globo

Desde o dia 17 de março, a conversa leve e descontraída de Fátima Bernardes com artistas e convidados do programa Encontro deixou a grade matinal da Globo para dar espaço ao jornalismo de serviço. Comandado por Márcio Gomes, 49, o Combate ao Coronavírus tem duas horas de duração (das 10h às 12h) e é voltado a reportagens didáticas e conversas com médicos que esclarecem dúvidas dos telespectadores sobre a doença.

Reprodução
Reprodução


A aposta da emissora em investir no assunto tem obtido resultado na audiência. No PNT (Painel Nacional de Televisão), a atração registrou média de 11 pontos em suas duas primeiras semanas (de 17 a 27 de março) -cada ponto do Kantar Ibope equivale a 260.558 domicílios.

Segundo a Globo, o índice é 38% acima da média da faixa em todas as semanas anteriores do ano. Até então, a média no horário era de 8 pontos. Em São Paulo, o programa Combate ao Coronavírus atinge o mesmo índice, 11 (cada ponto na região equivale a 74.987 casas). No Rio, a audiência média registrada foi superior, de 14 pontos (cada ponto vale a 47.454 domicílios).

Além disso, o programa é responsável, sozinho, por mais da metade (55%) das ligações que chegam à Central de Atendimento ao Telespectador da Globo no período da manhã. "Em apenas três semanas, a CAT já recebeu mais de 6.000 mensagens com dúvidas e pedidos de informação sobre a pandemia. O mesmo volume de mensagens que os programas diários matinais costumam receber ao longo de um ano inteiro", informa a emissora, em nota.

Para Márcio Gomes, que está na Globo desde 1995, foi correspondente no Japão por cinco anos (de 2013 a 2018) e já participou de grandes coberturas jornalísticas, como a passagem do tufão Haiyan que devastou as Filipinas em 2013, reportar o que acontece hoje no Brasil e no mundo com a pandemia do novo coronavírus é a experiência profissional mais difícil da sua vida.

"Essa é uma cobertura muito desafiadora pela dimensão que ela tem e por ser uma novidade, porque nenhum de nós viveu uma pandemia como essa. A última que a gente teve foi a de 1918, a gripe espanhola, que há poucas pessoas vivas para falar o que aconteceu naquela época", afirma Gomes, ao reforça que a própria doença em si é nova e ainda está sendo estudada.

Às pessoas que criticam a Globo por dedicar grande parte da sua programação a abordar o coronavírus, o jornalista responde que não se trata de querer assustar ou explorar o medo da população. "Pelo contrário, eu acho que transmitir informação sobre esse assunto nesse momento é transmitir segurança, porque as pessoas vão entender melhor o assunto, e vão saber como se proteger, vão saber o que evitar, vão saber o que que fazer, vão saber como fazer para deixar o vírus longe da casa."

Na visão do apresentador, o jornalismo profissional ganha ainda mais importância em momentos como o atual, em que há muita fake news e dúvidas sobre o que está acontecendo.

QUARENTENA

O Combate ao Coronavírus não é um telejornal. É um programa jornalístico, mas em formato diferente do tradicional noticiário. Como se trata, principalmente, de uma conversa com médicos que estão ao vivo no estúdio, é uma atração que demanda muito improviso do apresentador para saber costurar os diferentes temas conduzidos.

Por essa razão, Márcio Gomes afirma que tem que estar muito preparado. "Fico o dia inteiro lendo sobre o assunto, assistindo entrevistas de outros profissionais e de TVs estrangeiras."

O jornalista afirma que o fato de ter feito colunas no passado sobre ciência e tecnologia o ajudam agora a entender o que os médicos e especialistas falam e que, muitas vezes, não é numa linguagem acessível ao público, e a traduzir isso ao telespectador.

"Ciência é muito complicada e assusta muita gente por causa do linguajar, dos termos técnicos. Quando você tem uma pessoa que ajuda a traduzir -e não sou só eu que faço isso, toda a equipe do programa- isso ajuda muito a levar uma tranquilidade para as pessoas e mostrar que: Gente, estamos no mesmo barco, estamos enfrentando da mesma forma a pandemia", afirma o jornalista.

Para ele, esse trabalho didático e de serviço é fundamental. "Sem exagero, é uma missão mesmo que eu tenho." Quando não está trabalhando, Gomes afirma que tem levado muito a sério o isolamento social. Deixou de correr os seus 5 km por dia, mas ele diz que tem feito exercícios em casa. Aproveita também para ficar com a mulher e os filhos, de 16 e 12 anos.

"É um momento importante para eles [os filhos] também, fazerem eles entenderem isso, como chegamos até aqui, o que fazer para evitar, a importância da ciência, a importância de respeitar a pesquisa científica, de ouvir os cientistas, pesquisadores e médicos. Eu tento valorizar isso", conclui.
Folhapress
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Conteúdo relacionado:
BBB 20
Após eliminação de Gabi, Marcela, Flayslane e Babu formam novo paredão
Aguarda apuração
Após polêmica, Fantástico desiste de exibir reportagem com Felipe Prior
Após polêmica
Gabriela Prioli terá programa em horário nobre na CNN, diz colunista
Continue lendo
Comemoração
25 de maio: Dia da toalha e do Orgulho Nerd
25/05/2020 16:37
Presidente da Tesla
Elon Musk muda parte do nome do filho para se adequar às leis da Califórnia
25/05/2020 15:37
Eita!
Léo Dias diz que foi usado por Anitta e que ela fez sucesso usando o corpo
25/05/2020 14:58
Atitudes cabíveis
Ludmilla vai à delegacia denunciar internautas que a acusaram de traição nas redes
25/05/2020 14:10
Famílias em casa
Com isolamento, Globo registra aumento de audiência na Sessão da Tarde
25/05/2020 11:09
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados