Pesquisar

Canais

Serviços

Indefinições

Com indefinição sobre técnico, Neymar e laterais, Brasil acumula dúvidas para 2024

Lucas Bombana - Folhapress
23 nov 2023 às 13:35
- Vitor Silva/CBF
Publicidade
Publicidade

Quem será o treinador à beira do campo, quando poderá contar novamente com o atacante Neymar e quem será a dupla titular nas laterais. A temporada 2024 já guarda uma série de incertezas para a seleção brasileira, que pode ter um novo ciclo desafiador pela frente, após amargar em 2023 um dos piores anos de sua história.


Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade

Com três derrotas, duas vitórias e um empate, o Brasil vai encerrar o ano na incômoda sexta posição das Eliminatórias sul-americanas para a Copa de 2026. Neste início de campanha rumo ao Mundial, a seleção acumulou uma série de marcas negativas históricas, como a primeira derrota dentro de casa nas classificatórias, a primeira para a Colômbia na competição e uma sequência inédita de três derrotas consecutivas.

Leia mais:

Imagem de destaque
Romero marca dois

Corinthians espanta zebra, domina o Cianorte e avança na Copa do Brasil

Imagem de destaque
MAIS UM REFORÇO

Londrina EC anuncia contratação de atleta australiano

Imagem de destaque
Novidades

Após reformulação, revelações da base do Londrina EC ganham espaço

Imagem de destaque
4 anos e meio de prisão

Condenação de Daniel Alves é medida exemplar contra o machismo, diz vice-presidente da Espanha


Mesmo diante do retrospectivo ruim e da necessidade de uma reformulação, ainda não se sabe quem será o comandante da equipe para traçar o planejamento para a temporada seguinte.

Publicidade


A princípio, após a passagem do também interino Ramon Menezes, Fernando Diniz chegou em julho como técnico tampão, com contrato de um ano, até a chegada do italiano Carlo Ancelotti, desejo de consumo da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), hoje no Real Madrid.


Segundo a imprensa espanhola, contudo, o clube madrileno avalia propor uma renovação de contrato para o técnico, que até agora não confirmou se segue na Europa ou se vem para o Brasil.

Publicidade


Caso Ancelotti seja seduzido pela proposta do clube espanhol, ainda não há uma definição por parte da CBF se vai em busca de outro nome, no Brasil ou no exterior, ou se opta pela permanência de Diniz.


Se a opção for pela permanência do técnico campeão da Copa Libertadores pelo Fluminense, ele terá de lidar com a desconfiança dos torcedores devido ao retrospectivo negativo acumulado à frente da seleção em 2023.

Publicidade


Seja com Ancelotti, Diniz ou uma terceira opção, o treinador vai precisar buscar uma formação ideal sem a principal estrela da seleção. O rompimento do ligamento cruzado anterior sofrido por Neymar no jogo contra o Uruguai deve deixar o astro fora de combate por um período de até 12 meses, segundo especialistas. Confirmado o prazo, o atacante só estará apto a defender o Brasil novamente em meados do segundo semestre, tendo ainda de enfrentar o período de readaptação ao time.


Até lá, novos protagonistas devem chamar para si a responsabilidade de conduzir a equipe no ataque. A dupla Vinicius Junior e Rodrygo, do Real Madrid, parece ser a mais preparada para assumir o desafio. Mas há muitas carências. No próprio ataque, Diniz teve dificuldades para encontrar seu homem gol. Em má fase desde a Copa do Qatar, Richarlison perdeu a vaga na seleção. Foi substituído por Gabriel Jesus, que confessou, após a derrota para a Argentina, que fazer gols não é o seu forte.

Publicidade


Na última rodada das Eliminatórias, o treinador chegou a convocar nomes menos badalados para o ataque, como João Pedro (Brighton), Pepê (Porto) e Paulinho (Atlético-MG), sem que nenhum deles tenha brilhado os olhos do torcedor sedento por um artilheiro.


Deslocar Rodrygo, que atuou como armador na ausência de Neymar, recorrer a nomes já convocados anteriormente como Matheus Cunha, Gabigol e Richarlison, ou dar espaço para os que se destacaram no Brasileirão, como Tiquinho Soares, são algumas das opções.

Publicidade


Seja como for, no vácuo deixado pelos centroavantes, até o jovem Endrick ganhou a oportunidade de estrear pela seleção, mas ainda parece ser cedo para jogar nas costas do jovem de 17 anos o peso de resolver o problema da falta de gols do Brasil.


Publicidade

Como se não bastasse a carência no ataque, a seleção também terá de solucionar o problema latente nas laterais. Mal acostumado nas últimas décadas com a titularidade absoluta de Roberto Carlos e Marcelo, pela esquerda, e de Cafu e Daniel Alves, pela direita, o Brasil agora sofre para encontrar uma dupla que assuma o posto de titular de maneira incontestável.


O lateral direito Emerson Royal foi um dos piores da seleção no jogo contra a Colômbia, sem conseguir parar o atacante Luis Días, responsável pelos dois gols colombianos. Na esquerda, Diniz testou Renan Lodi, contra a Colômbia, que também teve dificuldades para fazer a recomposição defensiva, e Carlos Augusto, contra a Argentina, que não conseguiu criar jogadas de apoio para municiar o meio campo e ataque.


Na falta de novos talentos, a recuperação dos lesionados Danilo, Éder Militão e Alex Sandro hoje parece ser a principal esperança para recompor as laterais do Brasil.


Enquanto segue no aguardo de respostas, o Brasil pega Espanha e Inglaterra, em março, no primeiro compromisso de 2024, no que pode ser a despedida de Diniz à frente da equipe.


Na sequência, a seleção embarca para os Estados Unidos para a disputa da Copa América, entre junho e julho. Pelas Eliminatórias, a equipe volta a campo apenas em setembro, quando enfrenta Equador e Paraguai.


Imagem
Código da Fifa aponta CBF responsável e punições como multa e pontos perdidos
A CBF (Confederação Brasileira de Futebol) deverá responder a um processo do Comitê Disciplinar da Fifa
Publicidade
Publicidade

Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade