Pesquisar

Canais

Serviços

Futebol Americano

Com muita emoção, seleção paranaense sub20 vence paulista e é bicampeã brasileira

Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
25 fev 2019 às 17:18
- Letícia Moura
Publicidade
Publicidade

Logo no começo do jogo, num punt da equipe de São Paulo, o snap foi muito alto e a bola foi recuperada por João Leonardo Muller já na end zone. Com o extra point não convertido, o placar ficava em 6 a 0 para a equipe paranaense.

Já no segundo quarto, novamente o time de especialistas do Paraná apareceu, desta vez com um field goal, convertido pelo #4 Henrique Aguiar, colocando 9 a 0 no placar, quando chegávamos ao two-minute warning.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Restando poucos segundos para o intervalo, o ataque dos paulistas teve a chance de pontuar, chegando muito perto da end zone, mas aí foi a vez da defesa da seleção do Paraná aparecer muito bem e forçar um turnover on downs, levando a partida para o intervalo com a vantagem em 9 a 0.

Leia mais:

Imagem de destaque

Morre Wilsinho Fittipaldi, ícone do automobilismo brasileiro, aos 80 anos

Imagem de destaque
No Autódromo Ayrton Senna

Campeonato Paranaense Race Challenge 2024 começa nesta sexta em Londrina

Imagem de destaque
De 3 a 7 de abril

Londrina Futsal Feminino irá disputar a Supercopa de Futsal

Imagem de destaque
Será?

Prost fala sobre Senna e diz que era subestimado: 'Em corridas, eu era mais rápido'


No terceiro período, apenas a seleção paulista teve chance de pontuar. Após uma terceira pra 8 sem conversão, os paulistas tentaram um chute de field goal de 47 jardas, mas não foram bem sucedidos, mantendo a vantagem de duas posses para a seleção do Paraná, quando chegávamos aos 12 minutos finais.

Publicidade


Com a equipe paranaense com a posse de bola, o ataque, liderado pelo quarterback Sato, começou a gastar muito bem o relógio, com passes na screen e boas corridas com seus running backs, renovando as descidas e atravessando o campo, chegando até a red zone adversária.


Numa quarta descida para oito jardas, a seleção paranaense arriscou com uma tentativa de corrida com seu running back, que foi tackleado dentro de campo. Após os juízes trazerem as correntes para medir o posicionamento da bola, foi marcado turnover on downs, colocando o ataque de São Paulo novamente em campo, com pouco mais de cinco minutos a serem jogados na partida.

Publicidade


Aí, a seleção paulista pontuou pela primeira vez, com um lindo passe do QB Miguel para o WR Souza, que agarrou a bola e foi direto para a end zone. Com o XP convertido, o placar ficava em apenas uma posse (Paraná 9 a 7 São Paulo), colocando ainda mais emoção na partida.


Com a posse de bola novamente e pouco mais de dois minutos no relógio a seleção do Paraná precisaria apenas gastar o tempo e renovar as descidas para garantir a vitória.

Publicidade


Mas, um fumble numa tentativa de corrida dava a posse de bola novamente para a seleção paulista, que agora precisava de apenas um field goal para virar o jogo, com pouco mais de um minuto e trinta segundos pro fim da partida. Aí, uma corrida pela lateral até a end zone com o running back Prince virou o placar, deixando a vantagem em São Paulo 14 a 9 Paraná.


Com 58 segundos no relógio, o ataque do Paraná precisava de um touchdown para sair de São Paulo com o título, tendo que atravessar quase 70 jardas em campo. Após três tentativas sem avanço (dois passes incompletos e uma corrida do QB para a lateral), os paranaenses se viram numa quarta descida, precisando converter. Com o passe completo, as chances se renovavam, com a posse na linha de 46 jardas do campo de ataque.

Publicidade


Com uma falta de violência ao passador, o ataque do Paraná avançava ainda mais em campo, restando apenas 20 segundos para o final. Com uma corrida e um passe completo, o ataque chegava à linha de uma jarda, com nove segundos no relógio. Aí, a equipe paranaense anotou o touchdown em corrida do full back #41 Marcos Picolo e virou o jogo. Com a conversão de dois pontos em corrida pelo meio do RB #25 Eduardo "piu piu" Lopes, a partida ficava em Paraná 17 a 14 São Paulo.


Mas, quem achou que a partida já tinha acabado, se enganou. Após um ótimo retorno e uma falta da equipe paranaense, os paulistas tiveram a chance e empataram a partida, num field goal de cerca de 35 jardas, com o relógio zerado, levando a partida para a prorrogação.

Publicidade


As duas primeiras posses de cada equipe na prorrogação terminaram em field goals perdidos. Aí, São Paulo teve mais uma chance, mas, mais uma vez chutou o field goal para fora, desta vez numa tentativa de 26 jardas.


Com isso, bastava o Paraná pontuar para vencer a partida. E foi o que aconteceu. A equipe paranaense chegou ao touchdown decisivo com uma corrida pela lateral com o running back Eduardo "piu piu" Lopes, que quebrou tackles e chegou até a end zone, encerrando uma partida emocionante.

Publicidade


Placar final, Paraná 23 a 17 São Paulo e os paranaenses conquistaram o bicampeonato da categoria!


Entre os atletas convocados, um deles é o Cornerback Caio Simon, que joga no Londrina Titans.


Confira abaixo as declarações de alguns dos principais responsáveis pela vitória da equipe na partida:


Eduardo "piu piu" Lopes, que anotou o touchdown da vitória, fez sua análise sobre o jogo: "a partida foi muito difícil, a defesa de São Paulo estava fechando bem os gaps, ficando bem difícil de correr. Mesmo assim, conseguimos encaixar algumas big plays, quebrando alguns tackles e conseguindo várias jardas. No final, foi um instinto. Deus abençoou a gente e eu consegui quebrar três tackles e anotar o TD".


Para João, que abriu o placar recuperando um fumble já na endzone ainda no primeiro quarto, a jogada é fruto de muito treino. "A sensação foi única. Nós treinamos muito nos últimos meses, mas aquele momento foi de muito instinto. Eu vi o bad snap, a bola acabou caindo na end zone e eu consegui agarrar".


Já para Henrique Aguiar, que anotou um field goal e garantiu a recepção que deixou a seleção paranaense na linha de uma jarda com 9 segundos para o final, a sensação que fica é indescritível: "Não tem como explicar. Quando eu caí no chão com a bola, nem acreditei que tinha agarrado o passe. Todo mundo já estava meio desmotivado na sideline e, depois, já estava todo mundo gritando e cantando a música que criamos. Foi demais!".

Já o full back, que entrou na end zone após a recepção de Aguiar, falou sobre o touchdown: "A sensação foi de ter que pontuar, eu sabia que era uma situação fundamental pra seleção. A partir do momento que eu encostei na bola, o único pensamento foi de quebrar a linha defensiva e entrar na end zone".


Publicidade
Publicidade

Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade