Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Corrida de rua

Londrinenses percorrem circuito das maiores maratonas do mundo

Lucio Flávio Cruz
10 jun 2024 às 13:00
O dentista Lauro Mizuno completou a Six Majors e já começou a segunda volta pelas principais maratonas do mundo - Aquivo pessoal
Publicidade
Publicidade

O prazer pela corrida se tornou um motivo para superar os limites e alcançar novos objetivos. Foi também uma maneira de melhorar a qualidade de vida e ser exemplo de que todos podem praticar atividades físicas. Este é um roteiro semelhante para três londrinenses que se apaixonaram pelas provas pedestres e conquistaram a Mandala Six Star, uma medalha especial por terem concluído um circuito com as seis mais importantes maratonas do mundo.


O médico urologista Frederico de Carvalho Fraga, o dentista Lauro Toyoshi Mizuno e a psicóloga Namara de Souza concluíram o circuito das Six Majors, que engloba as maratonas de Nova York, Boston, Chicago, Berlim, Londres e Tóquio, e que é chancelado pela World Athletics (Federação Internacional de Atletismo). "É como se fosse o Grand Slam do tênis, mas o diferencial das corridas de rua para as outras modalidades é que nas corridas todos chegam no final, todos ganham, todos saem felizes", comenta Mizuno, que já disputou 33 maratonas.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Lauro Mizuno, 59 anos, lembra que nunca pensou em correr maratonas e que praticava apenas corridas mais curtas de até 10 quilômetros. Foi levado por alguns amigos a correr meia maratonas até resolver experimentar as provas de 42,195 quilômetros.

Leia mais:

Imagem de destaque
Despedida

'Temos uma geração diferente, com uma molecada depressiva', diz Anderson Silva

Imagem de destaque
Rodada dupla

Por que Flamengo jogou no futebol e no basquete com intervalo de 3 minutos

Imagem de destaque
Ala do Córdoba da Espanha

Londrinense vai ao Mundial Universitário de Futsal com a seleção brasileira

Imagem de destaque
Determinação e foco

Atletas londrinenses se tornam campeões brasileiros de Kickboxing em Vila Velha


"Não tinha treinador e fui aprendendo muita coisa por conta própria. Me sentia tão bem depois da provas porque era realmente um desafio de você se dedicar durante vários meses e alcançar o objetivo. Te traz um fortalecimento mental disciplina incríveis", ressalta. "Maratona não é para todos, mas correr sim. É importante que as pessoas entendam a importância da atividade física porque vivemos uma epidemia de sedentarismo no mundo."

Publicidade


Acostumada a trabalhar com pacientes dependentes químicos, Namara de Souza descobriu nas corridas de rua uma ferramenta poderosa para superar os próprios vícios. "Em 2002, estava fugindo do cigarro porque me incomodava demais e nas corridas o que mais você houve são palavras como superação e inspiração. Comecei no triatlon e a correr sem nenhum objetivo. Em 2013, corri a maratona de Chicago e terminei o circuito das Majors em abril deste ano em Boston", revela.

Publicidade


Aos 69 anos, Souza já disputou 19 maratonas e tenta inspirar novas mulheres a praticarem atividades físicas. "Hoje temos muitas mulheres na faixa de 30 anos que participam de corridas, mas este número diminui muito a partir dos 50 anos. Muitas vezes em um quadro depressivo se esquece que os exercícios podem ser uma boa saída. A participação feminina aumentou, mas ainda somos minoria. Não é preciso competir, bastar correr e se exercitar, faz bem para a cabeça. E pode ser praticada em qualquer idade."

Publicidade


CONTINUE LENDO NA FOLHA DE LONDRINA:


Imagem
Aliando saúde e prazer, londrinenses concluem circuito das maiores maratonas do mundo
Um médico, um dentista e uma psicóloga têm como hobby as corridas de rua e desafiam os limites mostrando que todos podem se exercitar
Publicidade
Publicidade

Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade