Pesquisar

Canais

Serviços

- Olga Leiria/Equipe Folha
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Trabalho árduo

Peões, os protagonistas 'escondidos' da ExpoLondrina

Olga Leiria - Equipe Folha
14 abr 2012 às 16:16
Continua depois da publicidade

Três e meia da madrugada. Esse é o horário que Vagner Felipe Souza Santos, ou Vaginho, acorda para inciar seu dia de trabalho. Com apenas 20 anos de idade, poderia estar voltando de uma "balada", mas a opção pela profissão de tratador não permite, mas isso não o incomoda. Apesar da pouca idade, já tem dez anos de profissão. O gosto pelo trabalho veio do seu pai Valdomiro - ou como todos chamam - Miro, 45 anos, que também é tratador, há mais de 25 anos. Vaguinho começou a viajar com o pai e criou gosto pela atividade.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

Em outro pavilhão da Expo Londrina, Fabiano, 18 anos, trabalha durante a noite cuidando do gado. Residente em Campo Grande, MS. Com apenas nove anos de idade, saiu de casa em Campo Grande (MS) para visitar a avó em Dionísio Cerqueira (SC), conheceu a profissão de tratador na fazendo de um conhecido na cidade de Capanema, sudoeste do Paraná. Iniciou o ofício com 12 anos, depois que sua mãe fez uma carta autorizando o menino trabalhar.

Continua depois da publicidade


No ano passado foi conhecer o trabalho na área de colheitas, mas após 11 meses de atividade, viu que seu lugar era perto dos animais, pois o seu amor é muito grande por eles. "Você tem que conhecer e respeitá-lo para que ele faça a mesma coisa contigo", fala Fabiano com os olhos verdes radiantes ao se referir ao gado.


A rotina não é fácil, pois além de todos os cuidados com o gado, tem que lavar, passar, cozinhar, pegar estrada, dormir me barracas, dividir banheiro e a saudade de casa. Em um mês. viajam em média de 20 dias ou mais, trabalhando pelas feiras agropecuárias do Brasil.

Continua depois da publicidade


Para tornar um pavilhão de exposição um pedacinho de casa, a criatividade é grande. TVs, vídeo game, rádio companheiro, vilão, rodas de conversa com muitas risadas e sorrisos sinceros.


O ofício de tratador é uma grande responsabilidade, pois o peão tem que zelar pelo patrimônio do patrão. Os animais são caros e se não receberem os cuidados corretos, adoecem e o dinheiro investido se perde. "Nosso trabalho é de grande responsabilidade, pois cuidamos de animais que custam mais de 1 milhão de reais", diz seu Miro.

As principais atividades de um tratator são: banho caprichado com direito a muita espuma e condicionador, repelente de mosquistos, toalete (depilar barba, orelhas e rabo, lixar o chipe e passar óleo), manejo do gado para exposição, alimentação, remédios, apresentação para julgamento e leilão, saber explicar curiosidade e dúvidas dos visitantes de exposições. Resumindo: sem eles, nada de feira.


Continue lendo