Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Premiados

Conheça os queijos que Lula deu a Macron e veja como comprá-los

Flávia G. Pinho - Folhapress
02 abr 2024 às 12:00
- Ricardo Stuckert/PR
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Foi uma correria. Na quarta-feira pela manhã, um funcionário do Ministério das Relações Exteriores telefonou esbaforido para a queijista Rosanna Tarcitano, que mora em Brasília.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Leia mais:

Imagem de destaque
14 de abril

No Dia Mundial do Café, aprenda a preparar 12 receitas deliciosas

Imagem de destaque
Muito caro

Azeite vira artigo de luxo e ganha lacres antifurto em supermercados

Imagem de destaque
Saiba mais

Queijo Morro Azul, de Pomerode (SC), é eleito o melhor do mundo em concurso internacional

Imagem de destaque
Arrase!

Maçã para todos os gostos em nove receitas de arrasar

A pedido do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), ele precisava organizar uma cesta de produtos brasileiros, com destaque para queijos nacionais, para que fossem dados de presente ao presidente francês, Emmanuel Macron. O problema era o prazo: o regalo deveria ser entregue na manhã seguinte.

Publicidade


Com uma década de experiência no ramo e uma das fundadoras da Associação de Queijistas do Brasil, a ComerQueijo, Tarcitano não se apertou. Acionou uma colega do Distrito Federal, Sandra Moser, e pediu socorro. "Como ela vende queijos em feiras, costuma ter algum estoque", conta.


A produção do presente ainda passou por uma negociação digna de diplomatas. A expectativa do Itamaraty era juntar apenas queijos mineiros na caixa, mas Tarcitano foi contra. "Sugeri uma diversidade maior de sabores, porque várias regiões do Brasil têm queijos maravilhosos e premiados", diz. O argumento colou.

Publicidade


Da lista inicial, com dez queijos, já ficaram de fora os produtos que demandavam refrigeração -era impossível saber como o presente chegaria às mãos de Macron, e se o presidente francês provaria os queijos aqui mesmo, em solo brasileiro, ou se os levaria para casa.


Outra demanda do Itamaraty ajudou a reduzir a lista: que os queijos tivessem conquistado medalhas no Le Mondial du Fromage et des Produits Laitiers, uma das mais importantes competições internacionais, realizada na França. A ideia era que o presente funcionasse como uma divertida provocação a Macron.

Publicidade


Daqueles dez queijos da primeira seleção, quatro se enquadravam. Mas Tarcitano apelou para a diplomacia mais uma vez e convenceu o funcionário do ministério a incluir outros dois produtos que, na sua opinião, retratavam melhor a diversidade queijeira do país. Bingo de novo.


"Às 14 horas, a lista já estava fechada e aprovada e começamos a formar o presente. Como alguns queijos são enormes, optamos por entregar frações embaladas. Às 17h, o presente estava pronto, para ser entregue na manhã seguinte", lembra a queijista.

Publicidade


A caixa de papelão dada a Macron, com serragem no fundo, não continha apenas queijos. Entraram no kit um pacote de café e o espumante 130 Brut Blanc de Blanc, produzido com uvas Chardonnay de safras especiais pela gaúcha Casa Valduga.


Na véspera do feriado de Sexta-Feira Santa, a foto dos dois presidentes, sorridentes com o presente nas mãos, circulou rapidamente nas redes sociais e portais de notícias.

Publicidade


Se o gesto vai se refletir em aumento de vendas, é cedo para saber. Mas o queijeiro Bento Mineiro, produtor paulista do queijo Pardinho, está otimista. "Não há dúvida da relevância do gesto. Esse trabalho de relações públicas pode, sim, ter efeito comercial."


Proprietário da loja Galeria do Queijo, na zona sul de São Paulo, o comerciante Falco Bonfadini não chegou a notar um aumento imediato na procura pelos queijos do presidente. Mas se incomodou com o debate político que tomou conta de seu perfil do Instagram.

Publicidade


"Fiz um post para celebrar a visibilidade dos queijos nacionais, nada a ver com política, mas começaram a brigar no meu post", lamenta.


Todos os queijos que Macron ganhou de presente estão à venda em lojas especializadas e podem ser adquiridos diretamente dos produtores.

CONHEÇA CADA UM DOS QUEIJOS DADOS POR LULA A MACRON E VEJA ONDE ENCONTRÁ-LOS.

CUESTA


Uma das mais premiadas queijarias paulistas, a Pardinho Artesanal elabora o Cuesta em antigos tachos de cobre, usando leite cru de vacas criadas a pasto na Fazenda Sant'Anna, em Pardinho (SP). Ao longo de oito meses de maturação em caves subterrâneas, a casca incorpora fungos que conferem coloração acinzentada e notas amendoadas.


Prêmios - medalha de prata no Mondial du Fromage e no Prêmio Queijo Brasil de 2023.


Quanto - R$ 279,90 o quilo


Onde encontrar - Galeria do Queijo (Hortifruti Imigrantes, Av. Professor Abraão de Morais, 1500, Box 6, Saúde, site galeriadoqueijo.com.br)


GOA MODERADO


Em Aiuruoca (MG), o médico Guilherme Maciel produz o Mantiqueira de Minas com leite cru do próprio rebanho. A massa é semicozida e passa por salmoura, processo similar ao do parmesão italiano. O rótulo Moderado cura por 120 dias. Visitantes podem conhecer a Fazenda da Lage, acompanhar a produção e participar de degustações (R$ 50 por pessoa, agendamento pelo Instagram @produtosgoa).


Prêmios - medalha de ouro no Mundial du Fromage 2023


Quanto - R$ 77 (370 g)


Onde encontrar - Empório Ouro das Gerais (R. Canário, 1.132, Moema, e R. Vieira de Moraes, 865, Campo Belo, Instagram @ourodasgerais)


LUA CHEIA


Airton Gianesi, proprietário do laticínio Serra das Antas, de Bueno Brandão (MG), se inspirou no Camembert para elaborar a receita à base de leite cru de vaca e creme de leite, mas adiciona carvão vegetal à casca. O queijo matura três semanas em câmara fria. Aos sábados, o laticínio recebe para almoço no restaurante Bissurdô.


Prêmios - medalha de bronze no World Cheese Awards 2023/2024


Quanto - R$ 38,30 (300 g)


Onde encontrar - no site oficial: https://www.serradasantas.com.br/.


MARANATA BRONZE


O casal Henrique e Paula Laim, de Virgínia (MG), produz o queijo Mantiqueira de Minas à base de leite cru de vaca, de rebanho próprio -o Bronze matura por cem dias. O Rancho Maranata recebe visitas e organiza programas de vivências, com hospedagem.


Prêmios - medalha de prata no Prêmio Queijo Brasil 2023


Quanto - R$ 32,50 (250 g)


Onde encontrar - no site oficial: https://ranchomaranata.com.br/.


QUEIJO DO MARAJÓ FAZENDA SÃO VICTOR


Em Salvaterra, Arquipélago do Marajó (PA), Cecilia e Marcus Pinheiro produzem o queijo creme tradicional da ilha, à base de leite cru e creme de leite de búfala, saber que herdaram de seus antepassados. Cremoso, de sabor amanteigado, esses queijos obtiveram o reconhecimento da Indicação Geográfica (IG) em 2021.


Prêmios - medalha de ouro no Prêmio Queijo Brasil 2023


Quanto - R$ 59 (cerca de 420 g)


Onde encontrar - O Queijólatra (R. Dr. Melo Alves, 138, Jardim Paulista; Av. Sapopemba, 1553, Vila Regente Feijó; site oficial: https://www.oqueijolatra.com.br/)


SERJÃO CANASTRA 20 DIAS


Em Piumhi (MG), no coração da Serra da Canastra, Sérgio de Paula Alves produz os queijos tradicionais da região, à base de leite cru de vaca. O mofo branco da casca, que prolifera naturalmente, ao longo de 20 dias, na cave de maturação, dá identidade ao produto.


Prêmios - medalha Super Ouro no Le Mondial du Fromage


Quanto - R$ 109,90 (1 kg a 1,2 kg)


Onde encontrar - no site oficial: https://queijodoserjao.com.br/.


Imagem
Parmegiana com milanesa de farofa é deliciosa!
Parmegiana com milanesa de farofa é deliciosa!
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade