Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Um absurdo

Preço do azeite pode variar 94% em supermercados

- Pixabay/Ilustrativa
Ana Paula Branco - Folhapress
01 dez 2023 às 12:00
Publicidade
Publicidade

Pesquisa da Abras (Associação Brasileira de Supermercados) divulgada nesta quinta-feira (30) mostra que o preço de um mesmo azeite de oliva extravirgem pode variar 94% no país. A entidade encontrou um produto da mesma marca, com 500 ml, custando de R$ 27,29 a R$ 52,99.


Publicidade
Publicidade

A diferença pode ser explicada por diversos fatores, como a região onde o produto é vendido e as promoções feitas por supermercados. Mas, segundo o vice-presidente da Abras, Márcio Milan, o dado evidencia a importância de os consumidores compararem preços antes ir às compras.

Leia mais:

Imagem de destaque
Tá na época!

Banana: sete receitas deliciosas para desfrutar

Imagem de destaque
Oportunidade de empreender

Centro de Oficinas para Mulheres de Londrina promove curso grátis de produção de salgados

Imagem de destaque
Faça já!

De chás à drenagem, veja seis dicas para fazer um detox pós-Carnaval

Imagem de destaque
Cadê?

McDonald's enfrenta queixa de clientes por 'sumiço' de McFish logo após relançamento


A pesquisa se torna ainda mais relevante diante do aumento de 30% no preço do azeite nos últimos 12 meses. Apenas em outubro, o produto subiu 5%.

Publicidade


A escalada de preço do azeite ajudou a ceia de Natal de 2023 a ficar mais cara. Em um ano, a cesta composta por dez produtos típicos da data -aves natalinas, azeite, caixa de bombom, espumante, lombo, panetone, pernil, peru, sidra e tender- subiu de R$ 294,75 para R$ 321,13.


O produto está mais caro em todo o mundo, porque está escasso. Por falta de chuvas devido à mudança climática, os principais produtores enfrentam a maior crise da última década. E não há perspectiva de melhora, pois as projeções para a próxima safra são ruins.

Publicidade


No Brasil, uma força-tarefa do Mapa (Ministério da Agricultura e Pecuária) combate a falsificação de azeites. Entre os dias 20 e 24 de novembro deste ano, mais de 6.000 garrafas de azeite de oliva falsificado foram apreendidas em São Paulo. A ação ainda inutilizou 16.380 litros de azeite importado por haver constatação da adulteração, sendo considerados impróprios para consumo.


O azeite de oliva não é o único a pesar no bolso do brasileiro. Após cinco quedas consecutivas, a seleção de 35 produtos feita pela Abras subiu 0,10% em outubro. Segundo a associação, a alta foi puxada por fatores climáticos, que impactaram os preços do hortifrutigranjeiros, e pela reoneração do diesel.

Publicidade


Entre os produtos que ficaram mais caros estão a batata (+11,23%), a cebola (+8,46%), o arroz (+2,99%), a carne bovina -corte traseiro (+1,94%) e o açúcar refinado (+1,88%).


A maior retração em outubro em relação a setembro foi registrada pelo leite longa vida (-5,48%) e o feijão (-4,67%).

Publicidade


O consumo segue em crescimento, mas com menos vigor do que no final do ano passado, quando algumas famílias recebiam o Auxílio Brasil. De acordo com Milan, houve alta de 2,89% sobre as vendas de setembro e de 0,61% em comparação às de outubro de 2022. A estimativa é que novembro e dezembro sigam no mesmo ritmo.


Além das festas de final de ano e do pagamento do 13º salário, Milan atribui a alta do consumo à inauguração de lojas e às promoções do segundo semestre -como a Black Friday.

Publicidade


DICAS DO PROCON-SP PARA ECONOMIZAR NA HORA DA COMPRA


Publicidade

- Fazer uma lista do que realmente precisa 

- Pesquisar os preços nos folhetos publicitários e anúncios dos supermercados 

- Calcular os gastos durante a compra 

- Não fazer compras com pressa 

- Evitar ir às compras com fome 

- Ficar atento às estratégias de marketing, como disposição de uma marca de produto em oferta em corredores centrais, distante das gôndolas que contenham a mesma mercadoria com marcas diferentes. Essa manobra faz o consumidor deixar de comparar o preço desse produto com os demais, de outros fabricantes

- Quando passar os produtos pelo caixa, ficar atento aos valores registrados


Imagem
Com valor médio de R$ 544,10, preço da cesta básica em Londrina cai 2,8% no mês de novembro
Valor médio da cesta básica em Londrina fica em R$ 544,10, conforme pesquisa feita pelo Núcleo de Pesquisas Econômicas Aplicadas da UTFPR de Londrina
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade