24/11/20
PUBLICIDADE
Cuidado!

Fumantes passivos podem apresentar fatores de risco à Covid-19

Reprodução/Pixabay
Reprodução/Pixabay


O tabagismo passivo é caracterizado como a inalação de fumaça de derivados do cigarro por indivíduos que não fumam, mas que convivem com fumantes em ambientes fechados. Denominada PTA (Poluição Tabagística Ambiental), a poluição proveniente da fumaça de cigarros é, segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), a terceira maior causa de morte evitável em todo o mundo.


De acordo com Liliane Shimizu, pneumologista do Hospital Evangélico de Londrina, fumantes passivos têm maior risco de desenvolver doenças relacionadas ao tabagismo quando comparados às pessoas que não têm contato com a fumaça do cigarro em ambientes fechados. "Quanto maior é o período de tempo em que o não fumante fica exposto à PTA, maiores são as chances de adoecer", explica.

A especialista aponta que, a curto prazo, o tabagismo passivo pode trazer reações alérgicas aos pacientes, como tosse, rinite e até conjuntivite. No entanto, os efeitos mais graves podem ser observados a longo prazo, quando aumentam as chances de infarto agudo do miocárdio, câncer de pulmão e doença pulmonar obstrutiva crônica.

"Crianças e bebês são particularmente mais suscetíveis ao tabagismo passivo, já que possuem risco aumentado de desenvolver doenças respiratórias, doença do ouvido médio e síndrome da morte súbita infantil. Mulheres grávidas expostas ao tabagismo passivo correm maior risco de natimorte, malformações congênitas e feto com baixo peso ao nascer", afirma Shimizu.

Coronavírus

No início da pandemia de Covid-19, um estudo francês levantou a hipótese de que a nicotina poderia ter papel 'protetor' na infecção pelo novo coronavírus. "O estudo afirmava que, em pacientes internados em alguns serviços de saúde da China, a prevalência do tabagismo era menor do que na população geral. Mas essa conclusão deve ser vista com muita cautela", alerta a especialista.

Conforme explica Shimizu, a pesquisa é uma notícia falsa. Isso porque os autores do estudo já haviam trabalhado diretamente para a indústria tabagista e, por isso, tinham interesses com a divulgação dos falsos resultados.

"Os fumantes têm risco de complicação da Covid-19 45% maior do que os não-fumantes. A mortalidade da doença para quem fuma cigarros chega a ser 38% maior", explica.

Apesar de não existirem dados que correlacionem fumantes passivos e maiores riscos de complicações da Covid-19, a pneumologista aponta que pessoas que não fumam, mas que moram ou convivem com fumantes, também sofrem agressões pulmonares, o que as tornam mais vulneráveis a infecções respiratórias, como a Covid-19.

A fumaça de cigarros contém mais de cinco mil compostos e substâncias químicas. Pesquisas nacionais e internacionais indicam que, pelo menos, 50 desses compostos podem provocar câncer em fumantes ativos e passivos. "Não há nível seguro de exposição ao tabagismo passivo. A única maneira de proteger adequadamente fumantes e não-fumantes é eliminar completamente o tabagismo em ambientes fechados."

Conforme comenta Shimizu, o distanciamento social pode ser encarado como um momento de ansiedade, estresse e angústia, o que pode causar aumento no consumo de cigarros por fumantes. Apesar das dificuldades, a especialista aconselha que o momento seja tido como um estímulo para o cuidado com a saúde. "Além de evitar aglomerações, lavar as mãos com água e sabão e usar álcool em gel, parar de fumar é uma importante atitude para prevenir complicações do novo coronavírus", finaliza.

*Sob supervisão de Larissa Ayumi Sato.
Caroline Knup - Estagiária*
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
Previna-se!

Crianças e jovens tem 80% de cura com diagnóstico precoce de câncer

24 NOV 2020 às 10h35
Novembro roxo

Novembro Roxo:O contato com o recém-nascido reduz o tempo de internação

24 NOV 2020 às 10h00
Dengue no Brasil

Ministério da Saúde lança campanha de combate ao Aedes aegypti

24 NOV 2020 às 09h55
Corrida da vacina

Rússia projeta vacina 95% eficaz e a metade do preço das concorrentes

24 NOV 2020 às 09h40
Covid-19

Estudo da Coronavac no Brasil chega à fase final com número mínimo de infectados

24 NOV 2020 às 09h25
Pode salvar vidas

Brasileiros apontam potencial da ayahuasca para prevenir suicídio

24 NOV 2020 às 08h58
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados