24/11/20
PUBLICIDADE
Aumento de casos

Mesmo com pandemia, doenças vasculares precisam de acompanhamento

Reprodução/Pixabay
Reprodução/Pixabay


A necessidade de isolamento social fez com que muitos deixassem de lado o acompanhamento médico de doenças vasculares crônicas.


Segundo a SBACV-SP (Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular de São Paulo), durante esse período, houve um aumento de casos de trombose venosa, embolia pulmonar e urgências arteriais, que podem ser explicadas pela incidência de eventos trombóticos relacionados à infecção por SARS-Cov-2 e, também, pela negligência à supervisão da especialidade.

De acordo com Walter Campos Júnior, cirurgião vascular e presidente da SBACV - SP, a periodicidade de acompanhamento de uma doença vascular pré-existente pode variar de uma semana a seis meses, de acordo com a gravidade.

O especialista explica que algumas doenças podem ter complicações, se não houver o monitoramento de um médico vascular.

"A TVP (Trombose Venosa Profunda) precisa do controle de dose dos anticoagulantes, pois pode levar a sangramento ou recidiva. O pé diabético pode ter progressão de infecção e perda do membro. Já o aneurisma pode progredir à rotura. Enquanto o AVCI (Acidente Vascular Cerebral Isquêmico) é comum em pacientes que apresentam problemas na carótida”, diz Campos.

Ainda que não existam doenças vasculares pré-existentes, é importante observar os sinais que o corpo dá, principalmente nos membros inferiores, já que doenças vasculares sem tratamento podem levar a consequências graves, como amputações.

Sintomas como dor e inchaço na região nas pernas e pés, assim como aspecto pálido, arroxeado ou escurecido da pele, queda de pelos e mudanças de temperatura local, pedem uma consulta ao angiologista ou cirurgião vascular o mais rápido possível.

Bruno Naves, cirurgião vascular e presidente da SBACV Nacional, esclarece que os consultórios médicos são ambientes limpos, preparados para receber os pacientes.

"Antes da Covid-19, sempre fomos muito cuidadosos e preparados para evitar a transmissão de outras doenças, como Aids e hepatite. Além do conhecimento de doenças transmissíveis, aprendemos na faculdade como nos portar em ambientes hospitalares e consultórios, além de quais os cuidados necessários para lidar com pessoas doentes. Somos fiscalizados pela vigilância sanitária. A maior diferença dos tempos atuais é o uso da máscara”, explica.

O médico explica que não existem ambientes aos quais é possível falar que não existe o vírus. Mas, os consultórios médicos têm chances muito menores de transmissão da doença do que locais de grande movimento diário. Naves ainda pontua que a prevenção é o melhor remédio.

"É melhor cuidar da saúde do que tratar da doença. Cuide bem de sua saúde vascular”, alerta.

Walter Campos completa que os consultórios estão adotando diversas medidas de higiene e prevenção para a segurança dos pacientes durante a pandemia.

"Como o uso obrigatório de máscaras, consultas espaçadas, ventilação pelas janelas, antissepsia das mãos e do ambiente, além de, nas cirurgias eletivas, realizar necessariamente o exame RT-PCR Covid-19 no paciente”, finaliza.
Agência Brasil
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
Vacina de Oxford

Fiocruz prevê vacinar cerca de 130 milhões em 2021

24 NOV 2020 às 08h50
Coronavírus

Brasil se aproxima de 170 mil óbitos por Covid-19

24 NOV 2020 às 08h04
Boletim da pandemia

Boletim de Londrina cita três mortes e 54 novos casos de coronavírus

23 NOV 2020 às 18h44
Boletim da Sesa

Paraná registra 707 casos e 27 mortes pela Covid-19 nesta segunda

23 NOV 2020 às 17h14
Estudo clínico

Butantan anuncia que testes da CoronaVac chegaram à fase final

23 NOV 2020 às 16h44
Pandemia no mundo

É relatado novo caso de reinfecção de Covid-19 na Coreia do Sul

23 NOV 2020 às 11h40
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados