Pesquisar

Canais

Serviços

Mais de 40% dos que responderam à pesquisa precisaram faltar ao trabalho 10 dias ou mais nos últimos três meses em razão da doença. - Reprodução
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Problemas

Portador de artrite sofre perdas emocionais e sociais

Redação Bonde
31 dez 1969 às 21:33
Continua depois da publicidade

Os impactos causados pela artrite reumatóide vão muito além da manifestação dos sintomas físicos. Além da dor, rigidez, edema articular e fadiga, o dano emocional e social que a doença causa ao seu portador é revelado através de uma recente pesquisa realizada com 474 pessoas em seis países. Os dados revelam que atividades simples do dia-a-dia dos pacientes foram afetadas significantemente: por causa da doença, 48% apresentam dificuldade para caminhar e mais de 40% têm dificuldade para dormir. O impacto também se estende para a vida profissional: mais de 40% dos que responderam à pesquisa precisaram faltar ao trabalho 10 dias ou mais nos últimos três meses em razão da doença.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

Os prejuízos emocionais da doença foram claramente expostos pela pesquisa: 42% dos pacientes se sentem sozinhos na luta contra a doença e mais de um terço dos pacientes acham que a família não entende como a doença afeta sua vida. Além disso, 40% acham que a artrite reumatóide afeta seu relacionamento sexual e um terço acredita que não pode se cuidar ou cuidar de outras pessoas devido aos sintomas. Conduzida pelo instituto de pesquisa Opinion Health e patrocinada pela farmacêutica Roche, a pesquisa foi realizada entre setembro e outubro, quando aconteceu o Dia Mundial de Conscientização sobre a Artrite Reumatóide. Foram entrevistados pacientes da Alemanha, Itália, Espanha, Reino Unido e Canadá, 44% deles com diagnóstico da doença há 5 anos ou mais.

Continua depois da publicidade


Expectativa


O dado surpreendente da pesquisa, porém, revela que, apesar dos sintomas incapacitantes e duradouros, somente 1 de cada 3 pacientes havia discutido com o médico uma forma de alcançar a remissão prolongada (ou seja, uma parada na atividade da doença que permita realizar as atividades rotineiras sem dor e cansaço constantes). A remissão, no entanto, é a meta do tratamento medicamentoso.


Perguntados sobre que resultados gostariam de obter com a terapia, 80% desejam ter menos dor articular e 70% querem que a medicação os ajude a se sentir "melhor" de modo geral. Mais da metade dos pacientes também quer ver uma redução da fadiga e deseja alcançar alívio de longo prazo dos sintomas.

Continua depois da publicidade


"Essa discrepância entre as expectativas dos pacientes e suas experiências reais com o tratamento ilustra claramente a falta de consciência sobre o que os novos tratamentos podem oferecer aos pacientes com AR. Resultados clínicos recentes demonstram que a remissão é, hoje, uma meta realista para os pacientes. O que precisamos fazer, agora, é garantir que todos os médicos estabeleçam essa meta para seus pacientes e adaptem o tratamento para que ela seja alcançada", afirma Mirela Yunes, gerente médica da Roche.


Estima-se que a artrite reumatóide afete mais de 21 milhões de pessoas em todo o mundo.

Trata-se de uma doença autoimune, progressiva, caracterizada pela inflamação da membrana que recobre as articulações. Essa inflamação causa deformidade articular e comprometimento funcional, além de dor, rigidez e edema, podendo levar à destruição irreversível das articulações e invalidez. Além disso, causa sintomas gerais como fadiga, anemia, osteoporose e pode contribuir para a redução da expectativa de vida, por afetar órgãos importantes do corpo. Sua função incapacitante é tão grande que, em 10 anos, menos de 50% dos pacientes conseguem continuar trabalhando ou exercendo suas funções diárias normalmente.


Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade