Pesquisar

Canais

Serviços

- Pixabay
Estudo

Efetividade da Coronavac contra morte em maiores de 90 cai a 35%, diz pesquisa

Ana Botallo - Folhapress
27 ago 2021 às 20:36
Continua depois da publicidade

Um estudo que avaliou a eficácia na vida real das vacinas Coronavac e AstraZeneca contra a Covid-19 indicou que a proteção fornecida pelos imunizantes contra mortes diminui em pessoas com 90 anos ou mais, na comparação com o resto da população.

Continua depois da publicidade

Segundo a pesquisa, a Coronavac (feita no Brasil com o Instituto Butantan) confere apenas 35,4% de eficácia contra mortes por coronavírus. Já no caso da AstraZeneca (produzida no Brasil em parceria com a Fiocruz), a taxa fica em 70,5%.

Continua depois da publicidade

Isso significa que a cada 1.000 mortes causadas por Covid nessa faixa etária, a Coronavac evita 354 óbitos, enquanto a AstraZeneca impede 705 mortes.

Esses valores são menores do que o observado em pessoas entre 80 e 89 anos -de 67,3% para a Coronavac e de 91,2% para a AstraZeneca. Ambas mantêm uma alta proteção para casos, hospitalizações e mortes em pessoas até 80 anos.

O estudo reforça assim a necessidade de uma terceira dose dos imunizantes em pessoas com mais de 80 anos. Na última quarta (25), o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, anunciou que todas as pessoas imunossuprimidas e os idosos com mais de 70 anos devem receber uma dose extra da vacina a partir de 15 de setembro.

Continua depois da publicidade

A discussão sobre a necessidade de um reforço das vacinas contra Covid-19 ganhou força há algumas semanas, quando países como Chile, Uruguai, Estados Unidos e Israel anunciaram a aplicação de uma terceira dose das vacinas em suas populações, especialmente naquela acima de 60 anos.


Por aqui, a disputa sobre quem daria o pontapé inicial na terceira dose no país foi entre o governo federal e o governador de São Paulo, João Doria (PSDB). Poucas horas depois do anúncio de Queiroga, o tucano disse que em São Paulo todas as pessoas acima de 60 anos serão revacinadas a partir do próximo dia 6.


A capital maranhense São Luís, por outro lado, iniciou nesta quinta (26) a aplicação de uma dose extra nos idosos residentes em asilos.


Segundo Manoel Barral-Netto, pesquisador da Fiocruz Bahia e um dos autores do estudo, já há bastante evidências que mostrar as causas imunológicas para redução dos anticorpos que combatem o coronavírus no corpo, mas não há ainda muitas pesquisas que confirmem a redução na eficácia das vacinas.


"Todas as vacinas vão ter um decaimento, não é possível biologicamente manter o nível de anticorpos elevado no sangue, mas buscamos a imunidade de memória. E é aí onde pode eventualmente falhar nos mais velhos, que já apresentam a chamada imunossenescência [nome dado a diminuição da capacidade de resposta do sistema imune que é causada pela idade]", explica.


A pesquisa VigiVac-Covid19 avaliou quase 61 milhões de brasileiros que tomaram uma ou duas doses das vacinas contra Covid-19 no país de 18 de janeiro a 30 de junho. Foram excluídas os imunizantes da Janssen e da Pfizer, devido ao baixo número de doses aplicadas no período estudado.


Para analisar a efetividade das vacinas, os pesquisadores cruzaram informações públicas do SI-SUS, o sistema da campanha de vacinação nacional, casos de suspeita de Srag (Síndrome Respiratória Aguda Grave) notificados no e-SUS e os dados de hospitalização por Srag do sistema Sivep-Gripe.


As informações pessoais não são públicas, mas cada indivíduo recebe um código, que é específico para cada CPF, a partir do qual é possível rastrear exames laboratoriais confirmando infecção por Sars-CoV-2, hospitalização ou óbito por Covid nas pessoas vacinadas com uma ou duas doses. Assim, a efetividade de cada uma das vacinas foi calculada para infecção, hospitalização, internação em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e morte.


Os pesquisadores consideraram o primeiro dia após a injeção da primeira ou segunda dose e o tempo de aparecimento de sintomas para cada um dos desfechos (hospitalização, internação, óbito), o que elimina uma infecção prévia pelo vírus.


A efetividade geral, isto é, para toda a população, da vacina AstraZeneca com duas doses (14 dias ou mais após segunda dose) observada foi de uma redução em 70% do risco de infecção, 86,8% de hospitalização, 88,1% de internação em UTI e 90,2% morte por Covid-19.


Já a imunização parcial (14 dias ou mais após a primeira dose e antes da segunda) conferiu proteção de 32,7% para infecção, 51,7% para hospitalização, 53,6% para internação em UTI e 49,3% mortes.


No caso da Coronavac, sua efetividade com duas doses reduziu em 54,2% o risco de infecção, 72,6% para hospitalização, 74,2% para internação em UTI e 74% para morte na população como um todo.


A primeira dose da Coronavac, por outro lado, teve uma eficácia observada de menos de 50% para risco de infecção (16,2%), hospitalização (26,5%), internação em UTI (28,1%) e morte (29,4%) para todas as idades.


Quando a análise foi estratificada por faixa etária, a imunização com duas doses de AstraZeneca e 

Coronavac teve efetividade alta para todos os grupos exceto indivíduos acima de 90 anos, em que a redução do risco de morte era de 70,5%, para a primeira, e somente 35,4% da segunda.


O cálculo de efetividade das vacinas foi feito a partir da fórmula VE (efetividade da vacina) é igual a 1 - HR, que é a razão de risco (hazard ratio) calculada para se infectar, ser hospitalizado, internado em UTI ou morrer por Covid.


Todos os valores foram ajustados para idade, sexo, local de residência, condição socioeconômica e mês de aplicação da 1ª dose, eliminando assim fatores como a desigualdade na distribuição das vacinas durante a campanha, quando várias capitais e estados ficaram sem cobertura de segunda dose para as vacinas contra Covid.


Mauricio Barreto, professor emérito da Universidade Federal da Bahia (UFBA) e também pesquisador da Fiocruz Bahia, ressalta, porém, que os achados da pesquisa não visam jogar "toda a culpa na idade". "Para não ficar tudo concentrado na velhice, um aspecto importante que avaliamos é o tempo desde a aplicação da segunda dose, porque isso também vai influenciar a efetividade."


Diferentemente dos outros estudos de efetividade, a pesquisa VigiVac busca compreender melhor como a efetividade das vacinas se comporta, inclusive, frente a novas variantes. No período estudado, surgiu e esteve predominante a variante gama (P.1), e as vacinas se mostraram em geral bem eficazes contra esta forma. É possível que ao mensurar a efetividade daqui a alguns meses, caso a delta seja dominante no país, o cenário seja diferente, avalia.


A pesquisa não se encerra por aí. Segundo Guilherme Werneck, pesquisador da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) e um dos autores do estudo, a análise é importante porque faz um acompanhamento contínuo da efetividade das vacinas no país.


"O objetivo do nosso grupo é fazer um monitoramento pós-comercialização das vacinas, ou seja, uma avaliação dentro de um grupo internacional de monitoramento dos imunizantes contra Covid", diz.


O estudo foi divulgado ainda no formato pré-print (sem revisão de pares), mas, segundo os autores, foi submetido e está em processo de avaliação em uma revista científica de alto impacto.


A pesquisa é fruto da colaboração de cientistas da Fiocruz Bahia, da UFBA, da Universidade Federal de Ouro Preto, do Núcleo de Medicina Tropical da UnB, do Ministério da Saúde, da Uerj e da London School of 

Hygiene and Tropical Medicine, no Reino Unido.

Continue lendo