Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Alarmante

Brasil lidera países com maior incidência de câncer de pênis, responsável por 600 amputações por ano

Leonardo Zvarick - Folhapress
10 abr 2024 às 10:50
- Freepik
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O câncer de pênis é uma doença rara, mas que nos últimos dez anos provocou cerca de 6,5 mil amputações genitais no Brasil. De 2012 a 2022 foram registrados 21 mil casos do tumor e mais de 4 mil pessoas morreram devido à doença em período similar, segundo dados do Ministério da Saúde.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Leia mais:

Imagem de destaque
Tratamento de diabetes 2

Ainda indisponível no Brasil, importar Mounjaro custa mais de R$ 5 mil por tudo

Imagem de destaque
Neurocirurgião explica

Saiba o que é hematoma subdural, que atingiu Tony Ramos

Imagem de destaque
Gripe, Covid-19 e dengue

Cambé promove mais um Dia D de vacinação neste sábado

Imagem de destaque
Frontoplastia

Brunna Gonçalves faz cirurgia para reduzir a testa; entenda o procedimento

O Brasil está entre os países com maior incidência desse tipo de câncer no mundo, de acordo com a SBU (Sociedade Brasileira de Urologia).

Publicidade


"Se a gente for ver em outros países, é uma doença que praticamente não existe. Seria o equivalente ao câncer de colo de útero na mulher, que é prevalente no Brasil mas praticamente não existe em países onde a vacinação contra o HPV ocorre em massa", afirma Maurício Dener Cordeiro, coordenador do departamento de uro-oncologia da entidade.


Segundo o especialista, o principal fator de risco para a doença é a infecção pelo HPV. A vacina quadrivalente contra o vírus está disponível no SUS (Sistema Único de Saúde) para a população de 9 a 14 anos e imunossuprimidos até os 45 anos.

Publicidade


Porém, parte considerável dos casos está associada à falta de higiene da região íntima, o que torna o câncer de pênis altamente prevenível. Médicos recomendam lavagem do pênis com água e sabão todos os dias e após relações sexuais.


"Quando você não expõe a glande e não lava direito o prepúcio, a região produz uma secreção que fica acumulada. Este se torna um ambiente totalmente favorável a infecções por bactérias", explica o Cordeiro. "Se isso acontece de forma repetida é um fator de risco para o carcinoma epidermóide", acrescenta o médico.

Publicidade


Por esse motivo, o uso de preservativos ajuda a prevenir a doença, assim como cirurgia para retirada do prepúcio em casos de fimose (estreitamento da pele que recobre o pênis). Tabagismo e idade acima dos 50 anos também são fatores de risco.


A doença é caracterizada por uma úlcera que não cicatriza e por secreções com odor forte no pênis. "Esse tipo de lesão é a principal suspeita, e o paciente deve rapidamente buscar um urologista para fazer uma biópsia e iniciar tratamento", alerta Cordeiro, da SBU.

Publicidade


Quando descoberta em estágio inicial, a doença tem alta chance de cura. O tratamento consiste na retirada da lesão com cirurgia, radioterapia e quimioterapia, dependendo do caso.


Se a lesão for mais invasiva, pode haver necessidade de amputação parcial ou total do pênis e até de outros órgãos genitais próximos, como testículos.

Publicidade


Segundo Cordeiro, os casos metastáticos costumam se manifestar por por lesões grandes e verrucosas a presença de ínguas na região da virilha.

INCIDÊNCIA DE CÂNCER NO MUNDO

Publicidade


Os casos de câncer no mundo devem aumentar 77% até 2050, indica um relatório publicado na última quinta-feira (4) no periódico científico CA: A Cancer Journal for Clinicians. A principal causa associada ao aumento de tumores é o envelhecimento da população, diz o texto.


Os novos casos de tumores da próstata também devem ser puxados por essa alta: é esperado que os novos diagnósticos da doença saltem de 1,4 milhão, em 2020, para 2,9 milhões, até 2040.


Muitos dos novos tumores podem estar associados a fatores de risco para câncer, como obesidade, tabagismo, diabetes e doenças metabólicas. Esses fatores, porém, podem ser modificados por meio de mudanças no hábito de vida.


Dentre outras medidas que ajudam a reduzir a mortalidade e a pressão do câncer nos sistemas de saúde estão a detecção precoce e programas de educação para atenuar os impactos da doença.


Imagem
Número de homicídios em Londrina tem redução de 31% no primeiro trimestre
O número de homicídios em Londrina teve redução de 31,25% no primeiro trimestre deste ano se comparado com o mesmo período de 2023.
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade