25/10/20
Entenda

Como serão testes que podem entregar vacina chinesa contra Covid-19 em 2021

O governador João Doria (PSDB) anunciou nesta segunda-feira (20) a chegada de 20 mil doses da vacina contra o coronavírus que serão usadas no estudo experimental, comandado no Brasil pelo Instituto Butantan, para testar sua eficácia.

Reprodução/Pixabay
Reprodução/Pixabay


Segundo o ele, os testes começaram já nesta terça-feira (21), no Hospital das Clínicas. Participarão 890 voluntários, todos profissionais da saúde.

"Os pesquisadores do Hospital das Clínicas vão analisar os voluntários em consultas agendadas a cada duas semanas. A estimativa é de concluir todo o estudo da fase três de testes em até 90 dias", afirmou Doria.

O hospital será um dos 12 centros, espalhados nos estados São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Paraná e em Brasília, usados pelo Instituto Butantã para o estudo da eficácia da vacina criada pela farmacêutica privada chinesa, a Sinovac.

Os profissionais de saúde participantes receberão material para acompanhamento de possíveis sintomas, com explicações sobre o estudo do qual participam e passo a passo diário dos procedimentos.

Dos 9 mil voluntários selecionados para o programa de testes, metade receberá a vacina e a outra, placebo, explicou Esper Kallas, infectologista do Hospital das Clínicas.

"Nossa ideia é capturar qualquer pessoa que por ventura entre em contato com o vírus e desenvolva sintomas da Covid-19. As pessoas, portanto, para participar, deveriam ser aquelas que estão sob risco de contrair a Covid-19", afirmou ele, sobre a escolha de selecionar apenas médicos da linha de frente do combate à pandemia.

Kallas explicou ainda que todos os voluntários serão acompanhados por uma equipe de profissionais, em um período de um ano, segundo o plano atual.

Presidente do Instituto Butantan, Dimas Covas, afirmou que está com alta expectativa para a eficácia da vacina.

"[Se ela funcionar], poderemos ter essa vacina disponível para a população já no início do próximo ano. E quando falo disponível, isso quer dizer que no nosso acordo com a Sinovac, nós temos acesso a 120 milhões de doses vacinais, que seria suficiente para vacinarmos 60 milhões de brasileiros", afirmou.

Kallas disse que, caso outras vacinas venham a ser aprovadas, antes ou depois da Sinovac, elas também poderão ser usadas para o combate à pandemia.

Disse também que ainda não há previsão para a aplicação das doses na população, uma vez que a eficácia do composto ainda precisa ser comprovada. Só então será definido um plano de ação para a vacinação em massa da população, não só do estado, mas de todo o país.

"É natural a gente imaginar que tenhamos dois grupos principais, aqueles que estão sob risco de desenvolvimento de doença mais grave, e o segundo, aquele núcleo de pessoas que é mais responsável pela manutenção da transmissão do vírus na comunidade."

De acordo com o infectologista, ainda faltam mais estudos que digam, com precisão, quem compõe este grupo vetor do vírus e por que.

"O andamento da epidemia tem conseguido destrinchar quais são as pessoas mais responsáveis pela transmissibilidade do vírus, mas essa informação a gente não domina completamente", ponderou.

A vacina da Sinovac, empresa com a qual o governo de São Paulo tem parceria, é apenas uma das muitas em desenvolvimento no mundo.

Um estudo publicado na revista científica Lancet nesta segunda deu indícios de que o composto, criado pela Universidade de Oxford em parceria com o laboratório AstraZenac, pode ser eficiente e seguro no combate ao coronavírus.

Segundo o artigo, a vacina não causou efeitos adversos graves e provocou respostas imunes de anticorpos e das células T, outras células de defesa do corpo humano.

Michael Ryan, diretor-executivo da OMS (Organização Mundial da Saúde), afirmou que é uma boa notícia ver publicados dados de estudos sobre as vacinas. Para ele, o trabalho de Oxford é bem-vindo.

"É um bom resultado, mas ainda se refere a adultos saudáveis, em condições controladas. Temos que passar a uma escala maior, para dar novos passos no processo de obter uma vacina."

Essa vacina é uma das mais avançadas entre as candidatas na corrida pela imunização contra o coronavírus Sars-CoV-2. Ela já está em fase 3 de testes, a última etapa antes da comercialização.
João Gabriel - Folhapress
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
Boletim Covid-19

Maringá ultrapassa 10 mil casos de Covid-19

25 OUT 2020 às 15h54
Boletim Covid-19

Londrina registra 55 novos casos de Covid-19

25 OUT 2020 às 14h15
Boletim estadual

Paraná registra 720 novos casos e 10 óbitos pela Covid-19

25 OUT 2020 às 14h12
Sem mortes

Maringá registra mais 68 casos de Covid-19

24 OUT 2020 às 17h01
Mais uma morte

Londrina atinge 302 óbitos e 12.170 casos do novo coronavírus

24 OUT 2020 às 16h50
Antiparasitário nitazoxanida

Remédio Annita não reduz sintomas de Covid-19, diz estudo do governo

24 OUT 2020 às 16h41
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados