Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Avanço

Londrina faz primeiro implante do Paraná de marcapasso sem fio

Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
28 jul 2022 às 15:55
- Divulgação/ Assessoria
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Uma cirurgia para implantar um marcapasso sem fio será feita na Hemodinâmica do Hospital Araucária, nesta quinta-feira, em Londrina, sendo a primeira do Paraná. A tecnologia é uma revolução no tratamento que só foi feito em menos de dez pacientes brasileiros, até o momento.


Os marcapassos convencionais estão há mais de seis décadas salvando vidas, mas não são indicados para todo tipo de paciente. A nova tecnologia vai continuar estimulando o coração a bater em ritmo normal e não vai descartar a convencional, mas dar esperança a quem não tinha, sendo para pacientes críticos, que tem outras complicações de saúde além das cardíacas, como trombose, doenças renais e câncer.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


O sistema convencional conhecido até o momento é implantado embaixo da pele e utiliza uma bateria de lítio e eletrodos. Os fios dos equipamentos são bem maleáveis e finos e se conectam ao coração por meio de uma veia de grande calibre, como a chamada subclávia, na região da clavícula, é por onde envia as descargas elétricas até o coração.  A bateria fica entre o músculo do peito e a pele do paciente.

Leia mais:

Imagem de destaque
UNIDADE DO JARDIM DO SOL

Após desabamento de forro, UPA de Londrina pode ser transferida para prédio na Faria Lima durante obras

Imagem de destaque
PARA CRIANÇAS DE 10 E 11 ANOS

Cambé inicia vacinação contra dengue nesta terça-feira (27)

Imagem de destaque
Mais de 58 mil casos no PR

Brasil ultrapassa 650 mil casos de dengue; 94 mortes desde o início do ano

Imagem de destaque
Entenda

'Quadro psicótico', diz Vanessa Lopes ao falar sobre o que a fez sair do BBB


“Para alguns pacientes este tipo de marcapasso convencional é inviável, porque não podem utilizar a veia devido trombose, má formação, ou hemodiálise - onde o acesso venoso é utilizado para o cateter, o que gera um conflito e um elevado risco de infecção. A nova tecnologia atende um grupo específico de pacientes que tem problemas com esse acesso vascular” – diz o cardiologista Gustavo Galli, que será o médico responsável pelo procedimento em Londrina.

Publicidade


A nova tecnologia não conta com eletrodos, é implantada diretamente no coração do paciente por meio de um cateter inserido na virilha, e não tem cortes nem cicatrizes no tórax. Ele tem a mesma indicação dos convencionais, para pacientes com o batimento cardíaco lento, com “falhas” do batimento ou risco de parada cardíaca, mas com a vantagem de reduzir o risco de infecções. Por isso, o marcapasso vem sanar casos especiais para aqueles que têm impeditivo de colocar fios, e seguir com o tratamento tradicional.

O menor do mundo

Publicidade


O modelo Micra, desenvolvido pela multinacional Medtronic, tem o tamanho de uma cápsula, com apenas 20 milímetros de tamanho e dois miligramas de peso. Como não tem eletrodos, é fixado diretamente no músculo do coração por meio de duas garras, que se instalam e se mantêm no músculo cardíaco, em pleno funcionamento, por uma média de oito a 12 anos.


“Utilizamos a veia femoral, na virilha do paciente, e levamos o marcapasso até o coração. A internação é de um dia e a recuperação no pós-cirúrgico é mais rápida, em 5 dias o paciente está apto a voltar a sua rotina” – lembra o médico.

Publicidade


No Brasil nem dez pacientes receberam o equipamento. Ele ainda não é fornecido pelo SUS (Sistema Único de Saúde) e nem foi incorporado pela ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar). Segundo Dr. Galli, alguns planos estão liberando para casos específicos, e a nova tecnologia não vai substituir os marcapassos atuais, mas ampliar o atendimento a quem não tinha.


“Esta é uma alternativa importante para casos específicos, como a dos pacientes que fazem hemodiálise, especialmente os que não têm veias adequadas para fazer o implante convencional com eletrodos, ou quando os pacientes apresentam alto risco de infecção”, explica.

Publicidade


Doenças cardíacas


Hoje, segundo a SBC (Sociedade Brasileira de Cardiologia) as doenças cardiovasculares representam 30% das mortes e muitas poderiam ser evitadas. “O marcapasso ajudaria a evitar muitos óbitos, é a principal indicação médica para o que chamamos de “coração lento”, que precisam de estímulos elétricos, afirma.


O envelhecimento e outras doenças podem alterar os batimanentos cardíacos, sendo que qualquer diminuição ou irregularidade  neste ritmo pode colocar a vida de uma pessoa em risco. Chamada de bradicardia, essa condição sobrecarrega o coração, fazendo com que ele perca a capacidade de bombear o sangue rico em oxigênio necessário para o bom funcionamento do organismo.


Como vem associada à tontura, desmaios, falta de ar e energia, a bradicardia debilita o paciente e lhe tira qualidade de vida. Alguns casos podem ser tratados com medicação, mas outros requerem a necessidade de uso de um marca-passo, estabilizando assim a frequência cadíaca.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade